Novo prefeito vai encontrar dificuldades

0

Barracos localizados no bairro Cidade Nova
Falta de infra-estrutura, educação precária, saúde comprometida e muitos adultos sem trabalho. Esse é o quadro de pelo menos dois bairros do município de Neopólis. Morador do bairro Cohab 3, há três anos, o comerciante João Moreira lamenta as péssimas condições do bairro onde mora. Segundo João a Cohab 3 apresenta ruas sem calçamento, crianças sem áreas para o lazer e falta oportunidade de trabalho para a maioria das pessoas do local.

 

“Moro em Neópolis há 12 anos e nunca vi uma situação tão triste como essa agora. A prefeitura atrasa os salários dos servidores e muitos estão devendo aqui no meu estabelecimento. Gostaria que o próximo prefeito pudesse ver essa situação”, diz o comerciante que relata as condições do bairro onde mora. João Moreira afirma que as crianças sofrem porque não têm áreas para o lazer e a população é obrigada a conviver com ruas sem pavimentação.

 

O comerciante João Moreira diz que estabelecimento enfrenta dificuldades
“As ruas desse bairro estão sem calçamento e isso prejudica a todos que moram aqui porque quando chove a lama toma conta das casas. Além disso as crianças que moram aqui não têm onde brincar porque faltam espaços para a diversão”, relata João Moreira.

 

Situação também enfrentada pela comunidade do bairro Cidade Nova, distante do Centro cerca de dois quilômetros. Onde casas estão prestes a desabar. A dona de casa Tereza dos Santos desabafa e diz que espera resolver o problema da moradia. “Moro com meu marido e três filhos nesse barraco que pode desabar a qualquer momento, a nossa situação é muito difícil porque até hoje nenhum político esteve na comunidade para conversar com os moradores”, afirma Tereza.

 

Crianças brincam na rua expostas a doenças
A dona de casa diz ainda que enfrenta dificuldades com relação a saúde e educação e que as crianças estão adoecendo por conta da falta de pavimentação e higiene do local. “Tudo aqui é improvisado, não temos banheiro e as crianças ficam doentes porque convivem com toda a sujeira do local”, fala Tereza Santos.

 

Morando em um barraco de apenas dois cômodos, Maria José Batista Santos lamenta as condições da família. Segundo ela sete pessoas dormem em uma sala e as filhas encontram dificuldades de frequentar a escola porque falta alimentação. “Sobrevivemos apenas com o salário do bolsa família, mas é muito pouco, meu marido está desempregado e minhas filhas as vezes faltam a escola porque não têm comida em casa e na escola também falta a merenda”, relata.   

 

Por Kátia Susanna, direto de Neópolis

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais