Presidente nacional do PT defende em SE a volta da CPMF

0
Coletiva aconteceu na tarde desta sexta-feira, 5 no Real Classic (Fotos: Portal Infonet)

O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão está em Sergipe. Ele participará nesse sábado, 6, a partir das 9h no Sindicato dos Bancários, do 5º Congresso do PT. Durante coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira, 5, ele negou participação de petistas no escândalo de propinas do Lava Jato, garantiu que o PT não está em crise e defendeu a volta do financiamento para a Saúde através da Comissão Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

“De janeiro até hoje, nós tivemos 17 mil 750 filiações, mais do que o dobro que conseguimos o ano passado. Quase 200 mil brasileiros estão pedindo ingresso no PT que já totaliza um milhão 742 mil 802 filiados. Isso não é um partido em crise como a mídia monopolizada e a direita conservadora tentam descaracterizar. Não pode ter crise um partido que tá há 12 anos no Poder e ganhou a quarta eleição consecutiva”, ressalta Rui Falcão.

Rui Falcão: "Não há provas contra o companheiro que foi preso"

O presidente nacional do PT defendeu a volta do financiamento para a Saúde. “Seja através da CPMF ou de outro mecanismo que possibilite à Saúde se recuperar daquela perda que teve quando a oposição acabou com a CPMF, de 40 milhões por ano. A CPMF é um imposto limpo, transparente, não atingia mais do que 13 milhões de pessoas, ou seja, menos de 10% da população brasileira e a Economia não podem viver apenas de cortes e de ajustes. É preciso ter novos recursos, novas receitas e que saiam daqueles que podem pagar, não dos trabalhadores e do povo menos favorecido”, destaca.

Lava Jato

Questionado sobre envolvimento do partido em escândalos, o presidente do PT disse que não há nenhuma prova contra afiliados do PT na chamada Operação Lava Jato.

Márcio Macedo: "Iremos debater com a bse, temas como Reformas Tributária e Política"

“Eu quero lembrar que há políticos do PSDB envolvidos no chamado Mensalão Tucano que até hoje não foram julgados. No caso do companheiro nosso que foi preso, não há nenhuma prova material contra ele, as maquinações que o levaram a prisão foram todas desmentidas agora e nós esperamos que ele seja solto brevemente porque não se pode condenar ninguém sem provas. No PT, se alguém for flagrado ou for comprovadamente envolvido em corrupção que ao nosso juízo, após os direitos e defesa se comprovem, ele não continuará nas nossas fileiras”, garante.

Doações

Sobre as doações que foram feitas ao PT, Rui Falcão enfatizou que “são doações legais dentro daquilo que a legislação estabelece, feitas através de transações bancárias, registradas no TSE como os demais partidos fizeram com valores semelhantes aos nossos e com empresas que tanto doaram pra nós como para os outros partidos. Então não se pode considerar doações pra nós ilícitas e para os outros partidos lícitas. É uma tentativa de criminalizar o PT. Como não podem nos derrotar nas ruas, usam a mídia monopolizada para tentar nos condenar, mas eu tenho certeza de que esse ano com os debates, os programas eleitorais e a ação da militância, desmentindo e combatendo essa campanha, todo esse ataque não terá resultados”, espera.

Participaram ainda da coletiva, o secretário nacional de Finanças do PT, o ex-deputado federal da bancada sergipana, Márcio Macedo, o presidente estadual do PT e ex-deputado federal Rogério Carvalho, os deputados João Daniel [federal] e Ana Lúcia Menezes [estadual], além do presidente municipal do PT em Aracaju, o vereador Emmanuel Nascimento.

Márcio Macedo e Rogério Carvalho destacaram que no Congresso deste sábado, será produzida uma síntese desses 35 anos de partido e 12 anos de Governo. “É um momento de o PT dizer para a sociedade o que nós queremos para os próximos quatro anos para o Brasil. O PT dialogar com a nossa base social com temas como a Reforma Tributária, a Reforma Política e o Fim do Fator Previdenciário”, afirma Márcio Macedo.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais