Senadora lamenta agressões contra mulheres em Sergipe

0
Senadora Maria do Carmo (Foto: Divulgação)

Em Sergipe, cerca de 600 mulheres foram agredidas nos primeiros dois meses deste ano. A maior parte as investidas é praticada contra companheiros, esposos e parentes das vítimas. Preocupada com esses dados que crescem a cada dia, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM) voltou a apelar para que os poderes públicos adotem providências cabíveis e ações severas para punir os agressores.

“Lamentavelmente, todos os dias assistimos ou lemos os noticiários com assuntos relacionados a agressões contra as mulheres. Não podemos aceitar isso. Precisamos reagir. Os poderes constituídos precisam instituir os instrumentos capazes de minimizar esse problema. Não podemos ignorar esse fato que é grave, enquanto diariamente, próximo a nós, milhares de mulheres continuam sendo atacadas e mortas”, afirmou a senadora sergipana.

Ela citou os dois últimos casos divulgados pela imprensa de Sergipe, nas últimas horas, envolvendo a morte de uma mulher de 27 anos  praticada pelo ex-companheiro que não aceitava o fim do relacionamento; e outra em Aracaju, onde um homem agrediu uma vizinha que está internada na Unidade de Tratamento Intensivo  (UTI),do Hospital Público do Estado, o Huse.

De acordo com a parlamentar democrata, a Lei Maria da Penha trouxe avanços importantes, mas ainda não é suficiente para inibir a ação dos agressores.  “Ainda hoje são contabilizados cerca de 4,4 assassinatos a cada 100 mil mulheres no Brasil”, destacou Maria do Carmo, ressaltando que essa estatística coloca o Brasil no 7º lugar no ranking de países nesse tipo de crime.

“Entre 1980 e 2010 foram assassinadas mais de 92 mil mulheres no Brasil, 43,7 mil somente na última década”, afirmou a senadora ao apelar para que os poderes constituídos se mobilizem e adotem medidas urgentes e coercitivas contra os responsáveis pelos crimes.

Por Assessoria de Comunicação da Senadora Maria do Carmo

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais