Subvenções: Presidente da Assomise presta depoimento

0
Adriano Reis responde aos questionamentos do procurador Rômulo Almeida (Fotos: Portl Infonet)

Mais duas testemunhas deixaram de ser ouvidas em audiência que apura irregularidades nas verbas de subvenção distribuídas pela Assembleia Legislativa de Sergipe na tarde desta quinta-feira, 7 por não terem sido localizadas: Cristiano Da Silva Souza e Francineide da Silva. Ambos não foram encontrados nos endereços e alegação é de que se mudaram.

Entre os depoimentos, o do presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Sergipe (Assomise), Adriano José Barboza Reis, que teve a indicação de R$ 844 mil em verbas de subvenção do deputado Capitão Samuel.

Por ser entidade de classe, a associação que possui cerca de três mil associados não se caracteriza como entidade beneficente, mas no depoimento, Adriano Reis explicou que o estatuto da Assomise permite. “Na verdade nosso estatuto resguarda isso, nós podemos inclusive fazer trabalhos sociais, está no parágrafo segundo”, ressalta.

Presidente da Assomise: "Estamos apresentando tudo à Promotoria"

Quanto à prestação de contas e finalidade dos recursos, o presidente da Assomise destacou que tudo está dentro da normalidade e que utilizou parte dos recursos na reforma da associação, na distribuição de cestas básicas e no pagamento de advogados para prestar assessoria jurídica aos associados.

“O volume de transação é corriqueira de prestação de serviços à comunidade. De acordo com o Plano de Apresentação, nós estamos apresentando tudo à promotoria, tudo conforme eles estão solicitado”, afirma garantindo não ter havido a participação capitão Samuel em benefício da candidatura ao cargo de deputado estadual.

“O capitão Samuel só é militar e nosso representante legal, mas não houve benefício nenhum”, enfatiza Adriano Reis.

Foram ouvidos ainda a presidente da Associação de Cooperação Agrícola do Estado de Sergipe (Acase), Rita dos Santos, cuja entidade foi beneficiada com R$ 213 mil, mas o valor é incompatível com as atividades da associação, na visão da Procuradoria Regional Eleitoral e o presidente do Centro Comunitário de Formação em Agropecuária Dom José Brandão de Castro (CFAC), Cícero José de Carvalho. O Centro recebeu R$ 220 mil reais em verbas de subvenção indicadas por João Daniel.

E ainda, o presidente da Associação Comunitária Evangélica de Barra dos Coqueiros, José Carlos de Jesus, presidente da Associação Comunitária Evangélica de Barra dos Coqueiros, para onde foram repassados R$ 178 mil em verbas de subvenção, através dos deputados Capitão Samuel e Gustinho Ribeiro. Em 2013, José Carlos foi assessor parlamentar Capitão Samuel.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais