Sukita vai ao MPF esclarecer denúncias

0

Sukita: "Querem jogar a minha administração no lixo" (Foto: Arquivo Portal Infonet)

O prefeito de Capela, Manoel Messias Sukita Santos esteve na manhã desta terça-feira, 10 no Ministério Público Federal para discutir a ação de improbidade administrativa movida pelo MPF/SE por conta de atos ilícitos na administração pública de verbas repassadas pelo Ministério da Educação.

“A oposição está usando o MPF com o intuito de perseguir a minha administração. Estou aqui no Ministério Público Federal tentando esclarecer e mostrar que a Prefeitura de Capela investiu R$ 93 milhões na área de Educação e que eu não posso ser processado por conta da diferença de centavos na aquisição de produtos da merenda escolar”, entende.

Procurado pela reportagem do Portal Infonet Sukita disse que ainda não foi notificado. “Eu não recebi qualquer notificação, fiquei sabendo por meio da imprensa que estava sendo processado pelo Ministério Público Federal e assim que for notificado, vou recorrer, mas resolvi vir até o MPF esclarecer todos os fatos”, afirma.

Quanto à diferença nos preços, Sukita foi enfático: “Como posso ser processado pela diferença de 15, 20 centavos em cada quilo de alimentos. Isso é natural, é só fazer compras em um supermercado para ver que há diferenças de preços. Não tem jeito, como é que o prefeito pode controlar isso? Eles apresentam diferenças pequenas nos preços: um quilo de açúcar que custa R$ 1,60, dizem que eu deveria ter comprado por R$ 1, 27. Houve processo de licitação e na hora eles não contestaram e depois de tanto tempo querem pegar uma administração como a nossa, com 74% de aprovação na Educação e jogar no lixo por causa de centavos”, lamenta.

Visivelmente emocionado, o prefeito de Capela garante estar fazendo uma boa administração. “Quem quiser é só verificar o meu trabalho à frente da Prefeitura de Capela. Estou indignado com essa situação, não é a primeira vez que a oposição tenta me cassar a todo instante e não vou admitir ser chamado de ladrão. Eu sofri muito quando criança e procuro não deixar faltar merenda para os estudantes de Capela. Estão fazendo oposição com o fígado e isso não é justo”, ressalta dizendo que no entendimento da oposição ele teria passado o ano todo juntando centavos para lucrar R$ 4 mil.

Decisão

Na ação, o Ministério Público Federal ressalta que “o valor total do prejuízo financeiro chega a mais de R$ 100 mil e que as irregularidades aconteceram na utilização de verbas do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnate). O MPF mostra ainda que ‘as verbas federais foram repassadas para o município em 2007 e que ficou constatado que houve superfaturamento nos preços dos produtos adquiridos, fracionamento indevido de despesas para a compra de gêneros alimentícios e pagamentos efetuados a empresas com recursos do Pnae sem a realização de licitação’.

Por Aldaci de Souza

Comentários