Tema da Tribuna Livre gera bate boca na Câmara

0

Adriano Oliveira faz cobranças na Tribuna Livre (Foto: Alberto Dutra)

Vereadores de Aracaju retornaram do recesso nesta segunda-feira, 2. Os pronunciamentos estavam tranqüilos até a realização da Tribuna Livre, cujo ocupante foi o presidente da Associação dos Motoristas Auxiliares dos Táxis de Aracaju (Amata), Adriano Oliveira Pereira.

Após pedir o apoio dos parlamentares para que motoristas de rádio táxis fiquem à frente dos taxistas bandeiras, Adriano disse que “as empresas de rádio táxis são desonestas à medida em que oferecem descontos, mas quem os dá são os taxistas”.

 

O vereador Valdir Santos (PTdoB) não gostou e em aparte pediu respeito, “até porque os donos não estão para se defender”. O clima esquentou e o vereador Danilo Segundo (PSB), que presidia os trabalhos, encerrou a sessão.

 

Ânimos começaram a esquentar e Danilo Segundo encerrou a sessão
Mesmo assim, o bate-boca entre Adriano Oliveira e Valdir Santos foi inevitável. Os dois discutiram dentro e fora do plenário. Segundo o presidente da Amata, os taxistas bandeiras não vão aceitar a proposta dos donos de empresas. “Nós trouxemos aqui 700 assinaturas reprovando a idéia dos empresários e vamos protocolar junto à Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT)”.

 

O vereador Valdir ficou exaltado porque já foi dono de uma empresa desse tipo. “Ele não entende que desonesto são os carros das empresas ficarem na mesma fila que os táxis bandeiras, com um rádio ligado, recebendo chamados e causando prejuízos. Eles até poderiam vir, mas sem os rádios.  E quando eu falei  que as empresas são desonestas, é porque elas oferecem os descontos mas são os taxistas que pagam nas mensalidades”, ressalta Adriano Pereira.

 

Valdir Santos: “Ele não pode criticar as pessoas na ausência”
Em contrapartida, o vereador Valdir Santos disse que Adriano Pereira não tem representatividade para falar sobre os táxis bandeiras.  “Ele não tem prerrogativa para representar os taxistas. Ele é da associação dos assistentes e não se sabe se é dos motoristas de ônibus, de taxistas. Só não aceito que venha falar mal das empresas na ausência. O marido da vereadora Rosângela é dono de empresa e não está aqui para se defender e eu desafio qualquer taxista a dizer que fui desonesto enquanto tive empresa de rádio-táxi”, enfatiza Valdir.

 

Fiscalização

 

Adriano Oliveira enfatizou que os taxistas que aderiram ao sistema de bandeiras não estão dispostos a mudar e por conta disto, os radiotáxis tem preferência nas filas de táxis. “Nós bandeirinhas não aceitamos que os rádios fiquem à frente na fila”, indagou. O representante cobrou mais fiscalização por parte da SMTT, afim de evitar que os táxis bandeira sejam prejudicados. “A fiscalização é feita de forma fria. Se fosse feita com mais rigor, situações como esta seriam evitadas”, acredita.

 

Por Aldaci de Souza

Comentários