Bairro Dom Luciano vai receber o mutirão de combate ao Aedes aegypti

0
A mobilização conta com o trabalho de garis e margaridas, que são orientados a identificar locais que servem como depósito para as larvas do Aedes (Foto: André Moreira)

Com envolvimento de diversas secretarias e órgãos municipais, a Prefeitura de Aracaju realiza, na manhã do próximo sábado, dia 17, mais um mutirão do Plano de Intensificação das Ações de Combate ao mosquito Aedes Aegypti; desta vez no bairro Dom Luciano, zona norte da capital. As equipes se concentrarão às 7h30 no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Jael Patrício, localizado na rua “J”, s/n.

Os mutirões promovidos pela Prefeitura consistem na amplificação de diversas ações da gestão municipal, como as visitas dos agentes de combate às endemias às residências dos bairros visitados, para eliminação dos focos do mosquito e conscientização da população sobre a importância dos cuidados para coibir a proliferação do mosquito causador da dengue, chikungunya e zika.

A mobilização conta com o trabalho de garis e margaridas, que são orientados a identificar locais que servem como depósito para as larvas do Aedes Aegypti e fazem o recolhimento de pneus, embalagens plásticas e outros objetos que possam acumular água, a partir das ações de limpeza no bairro.

A ação está alinhada ao Plano de Intensificação, lançado em 28 de junho pelo prefeito Edvaldo Nogueira e que possui cerca de 20 diretrizes. O principal objetivo desta medida é prevenir e controlar os processos epidêmicos, além de evitar a ocorrência de mortes e complicações derivadas das doenças transmitidas pelo mosquito. Desde então foram contemplados com esta ação os bairros Japãozinho, Santa Maria, Olaria e São José Conrado de Araújo.

Uso do Drone

Nas atividades de intensificação do combate à proliferação do Aedes aegypti, a Prefeitura de Aracaju utiliza um drone para auxiliar as equipes de campo, durante os mutirões, no trabalho de localização de pontos menos acessíveis que podem ser focos de proliferação do mosquito.

Com uma câmera, o drone faz sobrevoos para localizar, em residências ou terrenos, possíveis focos e criadouros do mosquito. Após a identificação, as equipes são informadas sobre o ponto exato da área suspeita. Os agentes comunitários se encaminham, então, para o local indicado, otimizando o trabalho, que se torna mais eficaz com a utilização desse recurso.

Fonte: PMA

Comentários