Covid-19: veja como proceder em caso de reação adversa à vacina

0
A SMS disponibiliza um formulário eletrônico para a notificação de reações adversas (Foto: Marcelle Cristinne)

Desde o início da campanha de vacinação contra a covid-19, na capital sergipana, das 190.107 pessoas já vacinadas, apenas 657 notificaram reações à vacina nos canais disponibilizados pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). O município possui, atualmente dois canais de notificação: um formulário online e as Unidades Básicas de Saúde, onde o paciente notifica pessoalmente.

Segundo a técnica do Centro de Informação Estratégica em Vigilância em Saúde do Estado de Saúde (CIEVS), Larissa Ribeiro Lobo, o objetivo da notificação é monitorar e investigar os casos de ração adversa à vacina.

“No formulário de notificação, disponível no site da Prefeitura, a pessoa pode fazer a notificação em seu nome ou em nome de um familiar, preenchendo todos os dados necessários. Caso não seja possível acessar a internet, a pessoa pode se dirigir até a UBS onde recebeu o imunizante, para que o profissional de saúde avalie e faça a notificação, caso se enquadre como evento adverso”, orienta

Canais de Notificação

A SMS disponibiliza um formulário eletrônico para a notificação de reações adversas que a pessoa vacinada, seja com a primeira ou a segunda dose, possa apresentar após a aplicação, que pode ser acessado por qualquer pessoa através do link.

“Outro canal de notificação é através do E-SUS Notifica, que é um sistema nacional, onde qualquer profissional de saúde que atua no Sistema Único de Saúde pode acessar e fazer a notificação. Assim, os pacientes podem procurar uma UBS, caso apresentem alguma reação adversa, e a própria Unidade notifica diretamente no sistema nacional”, explica.

Reações mais registradas

Entre os casos notificados, as cinco reações mais registradas foram: dor local, cefaleia (dor de cabeça), mialgia (dor muscular, localizada ou não), fadiga e febre.

De acordo com a infectologista da SMS, Fabrizia Tavares, toda vacina aplicada gera um despertar no organismo do indivíduo para o início da produção de anticorpos, e algumas reações acabam se tornando comuns e até esperadas. Entretanto, isso pode variar de um organismo para o outro.

“A maior parte das reações é de nível leve, que geralmente permanecem por até dois dias. Isso quer dizer que o sistema imunológico do indivíduo está reagindo, respondendo àquele antígeno, àquele vírus morto que foi inoculado. Vale salientar que se deve evitar a automedicação, e se tiver sintomas desse tipo, procure de forma precoce o atendimento médico, caso persistam os sintomas”, enfatiza.

Fonte: AAN

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais