Dificuldades para realização de transplantes são expostas na OAB/SE

Segundo Benito Oliveira, o Hospital Universitário está autorizado a fazer o transplante renal, mas ainda não iniciou os procedimentos. (Foto: OAB/SE)

A convite da Comissão de Direito Médico e Saúde da OAB Sergipe, o coordenador da Central de Transplantes no estado, Benito Oliveira Fernandez, fez uma explanação antes do início da sessão ordinária do Conselho da Ordem, ocorrida na noite de ontem, 21. Ele falou sobre o atual quadro de transplantes em Sergipe, que requer cuidados e atenção de todo segmento da sociedade.

Historicamente, de acordo com ele, o estado traz uma marca de vanguarda, sendo o primeiro a realizar um transplante cardíaco no Norte/Nordeste, e a promover, na década de 1980, transplante renal em um hospital privado. “Infelizmente, desde 2012, paramos com os transplantes renais, que é a modalidade com maior demanda no mundo, e em Sergipe não é diferente. O Brasil tem uma lista nacional de aproximadamente 50 mil pessoas à espera de um transplante, sendo mais de 26 mil só para rim”, informou.

Segundo Benito, o Hospital Universitário está autorizado a fazer o transplante renal, mas ainda não iniciou os procedimentos. Em Sergipe, cerca de 1.300 pessoas realizam diálise, um procedimento considerado doloroso e com o transplante a qualidade de vida do usuário melhora significativamente. “Hoje, aqueles que precisam de um transplante em Sergipe precisam ir para outro estado, com uma diária de R$ 24,75, que não garante nem a estadia”, relata.

“Peço empenho não só da OAB, mas de todo que estão aqui como cidadãos e cidadãs, e que esse apelo consiga mobilizar a sociedade, inclusive sobre a importância de se declarar doador de órgãos. Atualmente, 70% dos sergipanos negam a doação de órgãos. Não que seja ruim, mas por falta de acesso à informação”, lamentou o coordenador. Falou ainda que antes da pandemia o tempo de espera por uma córnea era de 09 meses e que hoje é de 02 anos e 06 meses, sendo imprescindível conscientizar a população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos. Qualquer pessoa pode precisar! Concluiu.

O presidente da OAB Sergipe, Danniel Costa, agradeceu a presença de Benito ao plenário e destacou a importância da sua luta para garantir que mais pessoas sejam atendidas com o transplante de órgãos. “Estamos solidários e vamos apoiar essa causa. Nossa Comissão de Direito Médico e Saúde já está acompanhando toda essa situação e tenho certeza que agirá, em comum acordo com a Ordem, para garantir que vidas sejam salvas em Sergipe”, frisou.

Fonte: Ascom/OAB-SE

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais