Fome emocional: médico indica tratamento e terapia

0

O médico Marcos Vinícius explica que enfrentar nossos sentimentos é a primeira solução para a fome emocional (Foto: Infonet)

O fenômeno da fome é facilmente identificado pelas pessoas, causado por reações fisiológicas que são despertadas quando o organismo precisa de uma demanda nutricional. Porém, além da fome física, a confusão com nossos próprios sentimentos é um fator que pode despertar a fome emocional, representada pela necessidade de comer para compensar alguma situação mal resolvida, assim como afirma o médico especialista em nutrologia Marcos Vinícius Menezes.

O stress causado pelo dia a dia, por exemplo, é um dos motivos da compensação que costumamos fazer com a comida. “Como estamos lidando com sentimentos, qualquer pessoa está sujeita a variações de humor causadas por gatilhos específicos. Desde uma criança até um idoso pode sentir a necessidade de compensar algum sentimento com a alimentação”, explica Marcos. Ele ressalta ainda que, além de sentimentos como raiva, ansiedade e tristeza, é comum que fortes emoções positivas – quando não são administradas corretamente – também gerem uma vontade descontrolada de comer.

Quem sofre da compulsão, em geral, prefere alimentos gordurosos a saudáveis (foto : Pixabay)

Quando a fome emocional é causada por sentimentos negativos é comum que a pessoa tenha um descontrole maior da situação. Segundo o médico, nesses casos a compulsividade pode, inclusive, trazer complicações para a saúde. “Se isso se torna constante a gente pode ter o fenômeno da compulsão alimentar. A pessoa passa a não ter controle da sua alimentação, gerando até mesmo transtornos pela composição da comida ingerida. Marcos Vinícius explica que os casos de fome emocional geralmente são acompanhados de desejos por comidas mais calóricas. Segundo ele, estamos acostumados a definir comidas saudáveis como algo ruim e quando precisamos preencher algum vazio buscamos alimentos ‘carregados’, como doces e gorduras.

Como solução para esse tipo de compulsividade, a primeira solução é lidar com os nossos sentimentos. Como dito por Marcos, é preciso estabelecer quais os sentimentos provocam essa fome. Identificar os gatilhos que despertam a fome emocional é a primeira condição para que possamos lidar com ela. A orientação dada pelo médico é de que, caso a pessoa não consiga lidar com seus sentimentos, procure um tratamento multidisciplinar em que profissionais da saúde possam trazer um equilíbrio sentimental e alimentar. Alternativas como terapias e acompanhamentos nutricionais trazem soluções para a substituição de alimentos por atividades que preencham cada indivíduo da forma correta.

Fome física x fome emocional

A fome emocional surge repentinamente, trazendo o desejo por alguma comida atrativa. Normalmente surge acompanhada por variações de humor como ansiedade, tristeza e stress e, por não saber enfrentar sentimentos como esses, a pessoa passa a enxergar o alimento como uma forma de prazer. Na fome física a pessoa costuma se alimentar até estar satisfeita, enquanto na fome emocional o indivíduo não consegue parar nem definir a satisfação.

“Quando você tem a saciedade da fome, que acontece quando você se alimenta e alcança a energia necessária para o organismo, existe a liberação dos hormônios da saciedade. Essa situação de equilíbrio entre os hormônios da fome e dos hormônios da saciedade, que são reguladas pelo hipotálamo, equilibram a nossa fome física e isso não acontece na fome emocional, explica o médico.

por Juliana Melo 

Comentários