Pesquisa alerta sobre riscos na ingestão de gelo servido em bebidas

Bebidas contaminadas pelo gelo podem gerar sintomas como, náuseas, vômitos, diarreia, dor abdominal, febre e mal-estar (Foto: Ascom/ITPS)

O gelo servido nas bebidas em restaurantes, bares e eventos podem conter uma variedade de bactérias que representam riscos à saúde, alerta o Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS), vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec). A ingestão desses microrganismos pode desencadear uma série de sintomas, incluindo náuseas, vômitos, diarreia, dor abdominal, febre e mal-estar.

A Dra. Rejane Batista, coordenadora do Laboratório de Microbiologia do ITPS, explica que as bactérias podem contaminar o gelo de várias maneiras.

“As bactérias podem ser transferidas para o gelo através de mãos sujas ou superfícies contaminadas. E dessas bactérias, algumas podem provocar problemas gastrointestinais, como náuseas, vômitos e diarreia”, alerta a doutora ao destacar que indivíduos com sistema imunológico enfraquecido estão mais expostos às doenças causadas pelas bactérias presentes no gelo.

Análise

Para garantir a segurança do consumidor, o ITPS oferece análises da água utilizada para a fabricação do gelo. A análise identifica e quantifica a presença de microrganismos.

“Os resultados da análise microbiológica são comparados com os padrões de potabilidade da água, estabelecidos pela legislação. Se os resultados forem satisfatórios, o gelo é considerado seguro para o consumo”, garante, a coordenadora.

Ainda segundo Rejane Batista, em alguns casos os consumidores não estão cientes das etapas de produção pelas quais o gelo passa até chegar à sua bebida. Em conformidade com a legislação, é recomendado que o preparo do gelo seja feito com água potável que atenda às normas de qualidade para consumo. Entretanto, o ciclo do gelo não termina na sua fabricação, pois a logística, recebimento e manipulação final até o copo são pontos críticos onde a contaminação pode ocorrer.

Rejane explica ainda, que o gelo não filtrado é ideal para conservar carnes, peixes e outros alimentos que serão posteriormente cozidos.

“Por outro lado, ele é mais comumente usado em caixas térmicas para refrigerar bebidas, como latinhas, por exemplo. No entanto, é recomendável higienizar as latas antes de consumir a bebida para evitar qualquer risco de contaminação, o que não ocorre, principalmente, durante festivais”, orienta.

 

Fonte: Ascom/ITPS

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais