Prevenção é fundamental para impedir a disseminação do Coronavírus

0
Dayse Marques e Maria das Graças Barbosa são enfermeiras e fiscais da Unidades de Saúde da Vigilância Sanitária de Sergipe (Foto: Portal Infonet)

Com o anúncio da pandemia do coronavírus e a confirmação do primeiro caso da infeção em Sergipe, os profissionais de saúde alertam para a necessidade de prevenção para evitar que o vírus se prolifere ainda mais. Os profissionais alertam para o pico da doença, prevista para abril, mas lembram que a situação pode ser minimizada com a população adotando as medidas necessárias.

A primeira medida é lavar as mãos corretamente e com frequência com água e sabão. De acordo com enfermeira Dayse Marques, Fiscal de Unidades de Saúde da Vigilância Sanitária Estatual, o vírus H1N1 é mata muito mais que o Covid-19 (Coronavirus), porém este segundo é muito mais transmissível.

“Por isso lavar as mãos corretamente, de forma mais rigorosa, é fundamental para evitar o contágio, não só para evitar do coronavírus, como também para evitar centenas de doenças. A diferença da gripe comum e da infecção por corona vírus são as complicações. Quando o coronavírus evolui para a insuficiência respiratória ela é muito mais abrupta”, afirma.

Dayse insiste que as mãos devem ser lavadas corretamente (Foto: Portal Infonet)

Dayse enfatiza que a prevenção e a informação é fundamental para evitar a disseminação do vírus. Ela lembra que não é preciso pânico, mas sim mudanças de hábitos. “80% dos casos de corona vírus são casos leves, a doença atinge mais idosos e apenas 20% dos casos se tornam mais grave, e desse total, 5% precisam fazer uso do ventilador mecânico, que é o estágio mais grave da doença”, aponta.

Está previsto pelo próprio Ministério da Saúde o pico da doença no mês de abril. Normalmente, nos meses de abril a junho são mais comuns a incidências das doenças respiratórias, a exemplo de pneumonias, gripes e resfriados. “Sabemos que teremos o pico, isso não vamos mudar, vai acontecer, o que podemos é diminuir a disseminação do vírus com a prevenção. Vamos ter também as doenças da época, tudo vai continuar acontecendo, e agora o que a gente tem que tentar é evitar. A gente já sabe das dificuldades do nosso Estado, da falta de materiais, de equipamentos, então temos que evitar”, alerta.

Medidas

A enfermeira recomenda que pessoas acima de 60 anos evitem sair de casa e frequentar locais aglomerados. As pessoas que estão com viagens marcadas e cirurgias eletivas também devem desmarcar até que a situação se normalize. Outra orientação é para o uso de máscaras, de acordo com Dayse apenas pessoas com sintomas da doença, diagnosticadas e profissionais de saúde devem utilizar.

O Ministério da Saúde recomenda que pessoas que fizeram viagens internacionais ou que tiveram contato com pessoas contaminadas que fiquem em casa de quarentena e comunique aos órgãos de saúde, mesmo sem sintomas. “Se apresentar os sintomas devem tratar a doença como se trata um resfriado, mantendo sua higiene e evitando o contágio dos familiares. Mas, se os sintomas se agravarem com febre alta persistente e cansaço, essa pessoa deve procurar atendimento médico porque nesse estágio a doença evolui muito rápido”, orienta.

Fake news

A notícia de que o vinagre é capaz de matar o vírus e até substituir o álcool é falsa. De acordo com Dayse, apenas o álcool 70% é capaz de matar o vírus, assim como a lavagem da mão corretamente. “Os outros tipos de álcool também não são eficientes nesse caso, tem que ser o A70. Caso as pessoas estejam sem álcool para higienizar as superfícies, pode utilizar os desinfetantes multiuso. As mãos devem ser lavadas com água e sabão”, reforça.

Também já há o boato de que a medicação a base de ibuprofeno deve ser evitada em casos de coronavírus. “A China está fazendo uma pesquisa quanto a isso e o resultado deve sair em dois dias, mas ainda não há confirmação nenhuma de contraindicação”, afirma.

Por Karla Pinheiro

Comentários