Saiba como substituir o álcool 70% na desinfecção de superfícies

0
Professor do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Industrial da Universidade Tiradentes, Thiago Bjerk

Antes mesmo dos primeiros registros de casos confirmados do novo coronavírus, o Covid-19, no Brasil, a população correu às prateleiras em busca de produtos que fossem eficientes para evitar a disseminação do vírus, entre eles o álcool 70% e as máscaras descartáveis. Os itens chegaram a sumir dos estoques de farmácias e supermercados.

Diante do aumento da procura do álcool em gel, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou a Nota Técnica 26/2020 com recomendações sobre produtos saneantes que podem substituir o álcool 70% na desinfecção de objetos e superfícies durante a pandemia da Covid-19.

“Os estudos demonstram que esses produtos podem desativar o coronavírus presente nas superfícies destruindo sua cobertura lipídica”, declara o professor do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Industrial da Universidade Tiradentes, Thiago Bjerk.

De acordo com a Nota, como os vírus envelopados são cercados por uma membrana celular lipídica, que não é robusta, é provável que o SARS-Cov-2 seja mais sensível aos processos de desinfecção por oxidantes do que muitos outros vírus. No entanto, apesar de ainda não possuir produtos registrados e testados contra a cepa do SARS-Cov-2, a Anvisa recomenda os produtos que já foram testados contra outros coronavírus e vírus envelopados, como preconizado pela Organização Mundial da Saúde.

Entre esses produtos estão o hipoclorito de sódio a 0,5%, alvejantes contendo hipoclorito (de sódio, de cálcio) a 2-3,9%, iodopovidona (1%), peróxido de hidrogênio 0,5%, ácido peracético 0,5%, quaternários de amônio como cloreto de benzalcônio 0,05%, compostos fenólicos, desinfetantes de uso geral com ação contra vírus.

“Alguns desses produtos são encontrados em supermercados, farmácias e lojas específicas de produtos químicos para limpeza. No caso de alvejantes contendo hipoclorito, facilmente encontrados em supermercados, apresentam baixo custo e fácil acesso, porém necessitam maior tempo de contato para que seja eficiente, aproximadamente 10 minutos”, salienta o pesquisador.

“É importante destacar que esses produtos devem ser manuseados com cuidado e é indicado a leitura do rótulo para verificar como aplicar o produto de forma segura, o período de contato, bem como as superfícies que podem ser utilizadas”, acrescenta Thiago.

A recomendação para água sanitária e alvejante, ambos utilizados diluídos para desinfetar pisos e outras superfícies, é que devem ser usados imediatamente pois a solução é desativada pela luz. No caso da água sanitária, deve-se diluir um copo de 250 ml em um litro de água. Já o alvejante comum, deve-se diluir um copo de 200 ml de em um litro água.

A Nota técnica ressalta ainda a não utilização de materiais e equipamentos para desinfecção de superfícies e objetos como é o caso de vassouras e esfregões secos pois as partículas contaminadas podem ser veiculadas no ar e atingir outras superfícies, além de nebulizadores, termonebulizadores e frascos de spray com propelente. Neste último caso devem ser utilizados frascos de aperto simples.

Fonte: Ascom/Unit

Comentários