Sergipe possui mais de 100 pacientes com hemofilia

0
Workshop foi realizado nesta quinta (Fotos: Portal Infonet)

O estado de Sergipe possui mais de 100 pacientes com hemofilia. O distúrbio que impede a coagulação do sangue é um dos mais comuns, junto a anemia falciforme, talassemia e doença de Gaucher, conforme informações do gerente do setor de Transfusão e Ambulatório do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), Weber Santana Teles.

Segundo ele, cerca de metade desses pacientes residem na zona rural dos municípios sergipanos, possuindo faixas etárias diversas, que vão desde os 2 aos 30 anos. “Hoje nós temos o tratamento adequado para esses pacientes hemofílicos, mas antigamente a indústria farmacêutica não dispunha de medicamentos precisos, então alguns pacientes acabaram morrendo e outras tiveram grades sequelas”, explica.

Na manhã desta quinta-feira, 8, um workshop promovido pelo Hemose trouxe esclarecimentos sobre questões envolvendo o sangue, como doenças, tratamentos e processos de produção. De acordo com Weber, que coordenou o evento, o espaço foi aberto para estudantes, funcionários do Hemose, e demais membros da sociedade civil.

Weber Santana e Rita Farrapeira participara do workshop

A atividade realizada no auditório do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) deu início à programação em comemoração ao Dia Nacional do Doador de Sangue, celebrado no dia 25 de novembro. “O workshop de hoje foi abrir alas para esse grande evento de nível nacional. O objetivo disso também é atrair mais candidatos a doação de sangue, tendo em vista que o nosso centro de sangue seja suprido e atenda melhor principalmente os pacientes do Sistema Único de Saúde”, afirma.

O workshop contou com a presença da palestrante Rita de Cássia Farrapeira, que explicou como funciona a gestão dos equipamentos ligados aos bancos de sangue. “A gestão quando bem realizada possibilita uma maior disponibilidade dos equipamentos, melhor utilização dos serviços e garantia da segurança dos processos em que esses equipamentos estão envolvidos, além de trazer uma redução de custos para a gestão”, declara.

por Yago de Andrade

Comentários