HU realizará primeiro transplante de rim num hospital público de SE

(Foto: HU-UFS/Ebserh)

Sergipe prepara-se para viver um momento inédito no Sistema Único de Saúde (SUS): pela primeira vez, um hospital público vai realizar um transplante de rim. Na próxima quinta-feira, 6, o Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), realizará o primeiro transplante renal após dez anos, desde a última vez em que se realizou o procedimento num hospital particular da capital sergipana, e se tornará o único estabelecimento apto a fazer os transplantes em todo o estado.

Sergipe ainda é um dos estados do Brasil em que nenhum hospital realiza transplante de rim. Dados de fevereiro de 2022, da Secretaria da Saúde estadual, mostram que há cerca de 1.300 pessoas realizando diálise em estabelecimentos de saúde. Quando uma dessas pessoas precisa de um transplante renal, não tem outra opção senão ir a outro estado. Com a realização do primeiro transplante no HU-UFS/Ebserh, essa realidade vai mudar. Na sexta-feira, 7, inclusive, o hospital já realizará o segundo procedimento.

O centro hospitalar da Ebserh em Aracaju conta com uma equipe de profissionais experientes coordenada pelo chefe da Unidade do Sistema Urinário, Ricardo Bragança. O urologista explica que, para que o hospital pudesse realizar os transplantes, foi necessário que todos os membros da equipe participassem de uma tutoria de capacitação com o Hospital israelita Albert Einstein, resultado de um convênio com o Ministério da Saúde.

“Assistimos a uma nova etapa. Depois da interrupção, em 2012, da realização de transplantes renais que fazíamos em hospital privado, o nosso hospital-escola retoma essa realidade em Sergipe. É bom para a população, que terá essa opção sem precisar sair do estado. O Hospital Albert Einstein, parceiro do SUS nessa tutoria que oferece aos nossos profissionais, reforçou a competência dos serviços implicados e deu a cada membro da equipe a formação adequada”, ressalta Ricardo Bragança. O gestor lembra, ainda, que os transplantes renais no HU-UFS/Ebserh serão realizados, inicialmente, na modalidade inter vivos.

Parceria com o Albert Einstein

A tutoria prestada pelo Hospital Israelita Albert Einstein foi fruto de um convênio com o Ministério da Saúde, que prepara hospitais habilitados no SUS para fazerem transplantes renais com os critérios desejáveis de excelência. No caso do HU-UFS/Ebserh, a parceria começou em 2019, mas a pandemia de covid-19 adiou algumas etapas.

No final de 2021, O HU-UFS/Ebserh retomou a tutoria com algumas partes práticas que estavam pendentes e, em janeiro de 2022, iniciou o ambulatório de transplante pré-renal. “Os pacientes que são candidatos a realizar transplante por doador vivo, que vai ser a modalidade inicial, começaram a ser preparados há alguns meses. Hoje temos algumas duplas que estão preparadas e outras que estão em fase de preparo”, detalha a enfermeira Michelle Cardoso.

Durante a tutoria, a equipe responsável do HU-UFS/Ebserh também visitou as instalações do Albert Einstein e conheceu os protocolos aplicados ao transplante renal naquele hospital, além de poder acompanhar, na prática, a atuação do centro que é considerado referência no Brasil, pelo Ministério da Saúde, para esse tipo de procedimento.

“A partir da experiência adquirida, principalmente com os fluxos, poderemos avançar, no futuro, para os transplantes de doadores cadáveres”, prevê Michelle.

O chefe da Unidade do Sistema Digestivo do HU-UFS/Ebserh, Antonio Junior, que compõe a equipe de cirurgiões para os transplantes renais, ressalta que a tutoria só terminará em 2023, já que o objetivo é realizar os primeiros transplantes ainda sob a supervisão do Albert Einstein. “Ao final da tutoria, os participantes estarão plenamente capacitados para a continuidade na realização dos transplantes, o que permitirá atender ao anseio da população sergipana em relação à manutenção frequente e de qualidade de transplantes renais no estado”, opina o gestor.

Para os primeiros transplantes, o Albert Einstein vai enviar uma equipe especializada, encabeçada pelo cirurgião Mario Nogueira, que ficará alguns dias em Aracaju e dará suporte aos profissionais locais no procedimento operatório e no pós-operatório imediato. “O hospital está tendo todo o cuidado e empenho para fazer esse sonho acontecer. Aracaju tem todas as condições de se tornar um polo e, de repente, até trazer também, de outros estados, pessoas que precisam fazer o transplante”, assevera Antonio Junior.

Tipos de transplantes

O procedimento de transplante renal inter vivos consiste em identificar, no entorno social do paciente, pessoas dispostas a realizar a doação, desde que não haja incompatibilidade. Nesse caso, se o doador é parente do receptor, classifica-se o transplante como de pessoa relacionada (consanguínea). Esse é o primeiro tipo de transplante que o HU-UFS/Ebserh vai começar a realizar, chamado de eletivo.

Por sua vez, o procedimento que envolve um doador cadáver não é eletivo, pois o receptor deve estar inscrito numa lista única estadual e preencher os demais critérios legalmente previstos. Nessa situação, o hospital recebe o paciente enviado pelo sistema de regulação e, havendo compatibilidade, realiza o procedimento. Ademais, o doador deve ter falecido por morte encefálica e a doação precisa de autorização expressa da família. O HU-UFS/Ebserh pretende fazer esse tipo de transplante no futuro, quando já tiver experiência suficiente nos respectivos protocolos ambulatoriais e hospitalares.

Em ambos os casos, os procedimentos são precedidos por uma série de exames. “Primeiramente, faz-se o exame da tipagem sanguínea, que é o básico. Depois, há o exame de HLA para o que chamamos de prova cruzada, a fim de determinar se as duas pessoas são compatíveis ou não. Além disso, é preciso ver as condições clínicas do receptor e do doador por meio de exames laboratoriais e de imagem”, explica a enfermeira Michelle Cardoso. No HU-UFS/Ebserh, o candidato ao transplante renal poderá fazer quase todos os exames necessários no próprio hospital-escola. “O HLA e outros exames mais específicos são realizados em parceria com a Central de Transplantes da Secretaria da Saúde de Sergipe”, acrescenta.

Acompanhamento pós-transplante

O urologista Ricardo Bragança garante que o HU-UFS/Ebserh vai acompanhar todos os pacientes de transplante renal. O protocolo de atendimento já está regulamentado para acompanhamento ambulatorial, destinado à observação do pós-operatório e intervenção em eventuais ocorrências, inclusive, se necessário, com disponibilidade de nova internação hospitalar.

“O cronograma do protocolo prevê, como regra, um acompanhamento inicialmente semanal. Depois, com a evolução positiva do quadro clínico, as consultas se tornam mensais. Se tudo continuar correndo bem, o paciente passa a um acompanhamento bimensal ou trimestral”, detalha o médico.

Importância para o ensino e a pesquisa

A experiência e a formação dos profissionais envolvidos vão permitir, também, que o hospital da Ebserh em Aracaju cumpra com a sua responsabilidade acadêmica. “Além de prestar assistência de excelência ao usuário do SUS, temos que deixar ensinamentos aos estudantes. Em particular, os estudantes de graduação terão mais um aprendizado de um dos tratamentos possíveis da insuficiência renal e poderão assistir aos procedimentos. Já os residentes da área cirúrgica vão ter participação direta na composição da equipe, para despertarmos eventual interesse em especialização na área. Por fim, os alunos de pós-graduação poderão, observados todos os preceitos éticos, realizar diversos experimentos de pesquisa. Nesse ponto específico só temos a ganhar, pois os resultados das pesquisas nos dizem como podemos fazer o transplante de uma maneira cada vez melhor”, destaca Ricardo Bragança.

Equipe multiprofissional

Atualmente, a equipe de transplantes renais do HU-UFS/Ebserh está formada por dois nefrologistas; três cirurgiões; um médico intensivista; dois anestesistas; dois enfermeiros; um farmacêutico; um psicólogo; uma assistente social; um nutricionista; um fisioterapeuta; dois médicos infectologistas; e um assistente administrativo. Além desses membros, outros profissionais darão suporte aos transplantes, entre residentes, pessoal da higienização e colaboradores do serviço laboratorial.

Fonte: Ascom/HU-UFS/Ebserh

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais