Sistema de Notificação registra 1.249 casos de violência este ano

0
O Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) tem registradas 1.249 notificações de violência até 30 de outubro de 2019 (Foto: SES)

Aconteceu nesta terça-feira, 19, no auditório da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), o Seminário Interdisciplinar Contra a Violência, evento organizado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Diretoria de Vigilância em Saúde, e destinado a gestores e técnicos da Atenção Primária e da Vigilância Epidemiológica dos 75 municípios que compõem o estado de Sergipe. Realizado em parceria com a Funesa, o encontro teve como finalidade apresentar os caminhos ofertados para as vitimas de violências, alinhar a implantação da ficha SALVE nos municípios e discutir a importância de notificar corretamente os casos de violência.

O Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) tem registradas 1.249 notificações de violência até 30 de outubro de 2019. Em 2018 o relatório fechou com 1.317 casos. Por faixa etária, as mais afetadas são a de 5 a 14 anos e a de 15 a 24 anos com, respectivamente, 208 e 368 notificações em 2019. Quanto ao tipo de violência, o Sinan aponta 610 casos de violência física, 263 notificações de violência sexual, 47 por negligência ou abandono, 353 lesões autoprovocadas, 83 psicológicas ou moral, sete por tortura, sete financeiras ou econômicas e 273 casos de outros tipos de violência. Porém, os números podem ser maiores por falta de notificação.

Segundo a referência técnica da Área de Violências e Acidentes da SES, Karla Daniele Anacleto, as vítimas de violências, sejam elas mulheres, crianças, adolescentes, pessoas idosas, com deficiência, população LGBT e pessoa indígena precisam ser acolhidas por serviços de qualidade e explicou que a ficha SALVE – Sistema de Aviso Legal por Violências, Abuso, Maus Tratos e Exploração – terá como objetivo notificar os casos de violências para os órgãos de proteção e responsabilização, salientando que não deve ser substituída pela Ficha de Violência interpessoal/autoprovocada do Sinan.

“A ficha SALVE, um instrumento de notificação que já é utilizado em Aracaju, tem se mostrado muito exitosa e então decidimos expandir para os outros municípios. Além disso, é muito importante abordar o tema notificação porque se não notificamos e não damos visibilidade à violência entende-se que ela não existe e, consequentemente, entende-se também que não devem ser criadas políticas públicas para o enfrentamento. E esse é o momento de dar visibilidade, falar da importância de notificar e de ter essa escuta qualificada para essas pessoas que sofrem violência. Hoje me sinto muito feliz de chegar aqui e ver um público bastante relevante, muitos técnicos vieram, para conhecer com funciona essa rede de enfrentamento da violência”, disse Karla.

Fonte: SES

Comentários