A cor do desemprego

0

O desemprego tem cor. Ela está no isopor do geladinho, no algodão doce vendido nos parques e praias, nos sombreiros dos vendedores de picolés, na cesta de pastéis e acarajé, no fogareiro improvisado para assar o queijo coalho, no saco cheio dos catadores de latinhas, etcétera e tal. Enquanto desempregados tentam sobreviver vendendo algum produto ou fazendo bicos, este governo temerário se preocupa apenas em lotear o patrimônio público com os apaniguados. Ora troca cargos e emendas parlamentares pelo amém do desmoralizado Congresso, ora atende os interesses escusos da burguesia e dos banqueiros. A esperança é que os milhões de desempregados fiquem roxos de raiva e punam nas urnas os maus políticos, que se elegem pensando unicamente em meter a mão grande no dinheiro público. Só assim, o Brasil retomará as vivas cores do progresso, da paz e do pleno emprego.

Festa de apoio

A exemplo do que já fizeram outros partidos governistas, o Solidariedade realiza, hoje à tarde, festa para anunciar apoio à pré-candidatura do vice Belivaldo Chagas (MDB) ao governo de Sergipe. Dirigido pelo deputado federal Laércio Oliveira, o Solidariedade tem 40 diretórios no estado e cerca de 4 mil filiados.

Pinga-pinga

O governo de Sergipe só conclui o pagamento da folha de pessoal referente a dezembro na próxima sexta-feira. Os pensionistas e aposentados que recebem até R$ 2,5 mil verão a cor do dinheiro no sábado, enquanto os demais só receberão os vencimentos do mês passado quando Deus der bom tempo. Ué, e cadê os milhões que o governo pegou do Fundo de Pensão do Funcionalismo? Marminino!

É vero!

Veja o que publica o jornalista Gilvan Manoel na edição de hoje do Jornal do Dia: “Com todos os seus membros exonerados – eles possuíam cargos comissionados – a Comissão Estadual da Verdade corre o risco de não concluir o seu relatório final. Pelo decreto do governador Jackson Barreto (MDB) instituindo a Comissão, os trabalhos devem ser concluídos em junho deste ano”.

Exige respeito

O PT sergipano quer participar da chapa majoritária e ser tratado com respeito pelos aliados. A exigência é do vice-presidente nacional do partido, Márcio Macedo. Ele espera um tratamento à altura do tamanho do PT, “que tem tempo de televisão, quadros políticos e a maior militância de Sergipe”. Então, tá!

Era uma vez

Após vender as rádios Ilha de Estância, Tobias Barreto e Propriá, o dublê de político e empresário Edvan Amorim arrendou a rádio Ilha/FM de Aracaju. Após receberem aviso prévio, os cerca de 40 radialistas e demais empregados da emissora condenaram o desmonte da Rede Ilha. Edvan vendeu as três rádios e arrendou a de Aracaju ao empresário Nelson da Banda Cintura Fina, dono da Rede Xodó de Rádio.

Casa nova

O secretário estadual da Saúde, Almeida Lima (MDB), recepciona a imprensa amanhã, no novo Centro Administrativo daquela pasta. O objetivo é apresentar as novas instalações e mostrar a importância de centralizar a área administrativa da Secretaria, reduzindo as despesas com aluguel. Com funcionamento previsto para a próxima semana, o centro também vai desafogar o Hospital de Urgência de Sergipe, que ganhará novos 200 leitos. Melhor assim!

Ameaça de greve

Os auditores fiscais ameaçam cruzar os braços se o governo de Sergipe não pagar o salário deste mês até o próximo dia 31. Reunida em assembleia, a categoria condenou os constantes atrasos da folha de pessoal e acusou o Executivo de não incrementar a arrecadação de impostos. Crendeuspai!

Topa a parada

O deputado federal Valadares Filho (PSB) topa ser candidato ao governo de Sergipe. Segundo ele, seu projeto é tentar a reeleição, mas, em nome da unidade oposicionista, aceita disputar a cadeira ocupada hoje pelo governador Jackson Barreto (MDB). Vavazinho afirma que se for o desejo dos aliados e eleitores, está pronto “para recuperar Sergipe e resgatar a autoestima da população”. Aff, Maria!

Última morada

E o vereador Américo de Deus (Rede) cobra da Prefeitura de Aracaju a construção imediata de um novo cemitério. Segundo ele, o “São João Batista” já a atingiu a sua capacidade. As prefeituras deixaram de construir necrópoles por conta da novela “O Bem Amado”. No drama exibido pela Rede Globo, o folclórico prefeito Odorico Paraguaçu foi o primeiro defunto a ser enterrado no cemitério construído por ele. Pé de pato, mangalô três vezes!

Recorte de jornal

Publicado no jornal Folha de Sergipe, em 13 de julho de 1886

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários