A Polícia Federal é de todos.

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

A Policia Federal (PF), com 76 anos de história, é uma das instituições de maior credibilidade do Brasil. Quem sabe não seja a principal. Ela é, inclusive, maior do que qualquer governo, pois é órgão de Estado, com suas garantias e atribuições Constitucionais previstas no artigo 144 da CF. É um patrimônio do povo brasileiro.

Mas para ter tanta credibilidade assim, a PF tem uma longa história no combate ao crime. E alcançou uma notoriedade ímpar com a maior e mais famosa operação de combate à corrupção de todos os tempos e com notoriedade e alcance internacionais: a Lava Jato. Toda semana, camburões e funcionários da PF eram vistos, nos noticiários, prendendo poderosos e apreendendo muitas fortunas.

Porém, a PF, desde os governos petistas, vem sofrendo tentativas de interferências no seu funcionamento. Foram muitos momentos de tensões. Quem não se lembra, por exemplo, da manobra de Michel Temer em dificultar o trabalho da PF?

Pois bem! Passados os governos petistas e de Michel Temer, e surfando em cima da onda da Operação Lava Jato e do combate à corrupção, eis que surge Jair Messias Bolsonaro, ou simplesmente Bolsonaro, para tentar, mais uma vez e de modo mais agressivo, interferir na PF. E mais grave: comprometer a própria credibilidade do órgão com a mudança do Diretor Geral e do Superintendente do Rio de Janeiro, com objetivos, segundo a grande mídia, não republicanos.

Ele até conseguiu mudar os detentores de tais cargos, mas jamais irá comprometer a credibilidade da PF, que possui, nos seus quadros, homens e mulheres comprometidos com o país, conscientes e cientes de que a PF é uma Polícia de Estado e não uma Polícia da Família.

Que os integrantes da PF não se rendam às investidas de Bolsonaro, dos seus filhos e amigos. A PF é dos brasileiros e Bolsonaro não conseguirá desmoralizar tão respeitada instituição, mesmo que encontre um ou outro que se curve à tal submissão.

Avante, Polícia Federal!

 

Depois do adiamento “técnico” propostas nesta quinta-feira, 28 Será que desmontaram as quatro (4) torres de Vigia que fecharam um acordo de loteamento? Os fiscais estarão de olho no erário e no código antecipado: MNCSVNP. É aguardar….

Grupo de pais de alunos consegue liminar para reduzir 25% da mensalidade do Colégio do Salvador neste período de pandemia  E o juiz da 11ª Vara Cível de Aracaju, Marcel de Castro Britto, concedeu liminar a um grupo de pais de alunos do Colégio do Salvador  que pediram a redução da mensalidade porque as aulas presenciais estão suspensas desde 17 de março e mesmo assim as mensalidades foram mantidas no mesmo valor, tendo apenas aulas online, são ao vivo, apenas 1 hora em dois dias da semana e no restante dos dias a exposição é gravada. Os pais pediram a tutela antecipada com o desconto de 50% e o juiz concedeu parcialmente com o desconto de 25%.

Sobre o editorial do blog de ontem Tem gente que apenas criticou o editorial de ontem, 27, com o título “PT pariu a ultradireita no Brasil e parece que não aprendeu”, se referindo ao histórico da ultradireita no mundo. É claro que o blog não disse que o PT criou a ultradireita no Brasil, mas sim, que a decepção de parte significativa do eleitorado fez com que o voto fosse para Bolsonaro. Aliás, o blog foi elogiado também por vários ex-petistas e partidários da esquerda.

Visão maniqueísta Assim como Platão ensinou no Diálogo da Caverna, o artigo foi para reflexão e ter uma visão limpa da realidade, sem a doutrina maniqueísta de que o PT é o bem supremo e tudo mais o mal. Essa polarização – antes com o PSDB e agora com Bolsonaro – corta o oxigênio da democracia que é a alternância de poder, deixando no eleitor a falta de opção e apetite em participar do processo eleitoral. O PT e Lula precisam fazer uma autocrítica do que fizeram no passado. Não dá mais pra posar de farol.

Reflexões José Carlos Machado Muito interessante as reflexões do ex-deputado José Carlos Machado publicadas pelo jornalista Habacuque Villacorte no Alô News. As duas notas com o título Fala Machado: O ex-deputado federal José Carlos Machado (DEM) avalia que duas das multinacionais que exploram o território sergipano deveriam contribuir mais no combate à pandemia do coronavírus no Estado: a Mosaic Fertilizantes e a Celse (responsável pela termoelétrica na Barra dos Coqueiros).

A segunda nota Machado revela que outros investidores em solo sergipano estão contribuindo com o governo e com as prefeituras e que as duas multinacionais poderiam ajudar mais. “A Mosaic explora o potássio há mais de 30 anos e fica muito pouco para o nosso Estado; a Celse nem ICMS vai pagar! É hora da nossa bancada federal agir e cobrar a contrapartida dessas grandes empresas que poderiam ajudar nos leitos de UTIs”.

Tem alguém no governo tratando disso? Sinceramente? Será que o governador delegou alguém para planejar e buscar ajuda das grandes empresas que operam em Sergipe para o combate ao coronavírus? Lamentavelmente, o secretário de Desenvolvimento Econômico é uma indicação política…

Lula na Jovem Pan E a Jovem Pan em Sergipe resolveu amenizar o clima por conta do fantasma de ACM malvadeza que ronda a emissora e colocou no ar uma entrevista com o ex-presidente Lula.Falou sobre muitos temas, e não perdeu a oportunidade de tratar da eleição de Aracaju, e da disputa do PT com Edvaldo Nogueira. Alfinetou Edvaldo, dizendo que ajudou naquilo que podia e Déda elegeu ele prefeito. “O fato dele trocar de partido, mudar de posição ideológica, é ruim pra ele, na verdade. Ou seja, eu não estarei enfrentando um amigo, eu estarei enfrentando um adversário político, que mudou de posição, que trocou de partido político e que esqueceu aqueles que o ajudaram a crescer na vida política.”

Lula sobre Márcio Macedo Sobre Márcio Macedo Lula disse: “Eu sei das competências de Márcio Macedo, confio profundamente na sua inteligência, em seu trabalho e terei o imenso prazer de voltar a caminhar por Aracaju para mostrar a todos que ele é um nome capacitado para a Prefeitura de Aracaju. Márcio tem uma coisa que eu admiro muito: a competência política. Ele é muito qualificado em gerenciar crises, ele dá uma aula de como fazer política. Faremos todo o esforço para que ele repita a boa gestão que o PT fez com Déda”.

Graccho Cardoso e Siriri: Luciano Pimentel cobra da Deso demandas para os dois municípios O deputado estadual Luciano Pimentel participou ontem, 27, de mais uma sessão remota da Assembleia Legislativa. Por videoconferência, o parlamentar ouviu atentamente a explanação do diretor-presidente da Deso, Carlos Melo, que falou sobre as ações da empresa, e fez questionamentos acerca do andamento de demandas dos municípios de Graccho Cardoso e Siriri.

Expansão da rede “No final do ano passado, em reunião com o governador Belivaldo Chagas e também na Deso, requisitamos a expansão da rede de abastecimento em Graccho Cardoso, contemplando os povoados Três Barras, Guedes (sentindo povoado Queimadinhas), Boa Vista, Porfia e a rua São José, na sede do município. Essa ampliação já foi concluída?”, indagou Pimentel.

Fornecimento de água Na sequência, o deputado solicitou que a Deso analisasse a situação do fornecimento de água em Siriri e o desenvolvimento das atividades da Companhia no município. De acordo com Luciano, a administração municipal tem recebido queixas relacionadas ao alto valor das contas e a interrupção do serviço.

Melhorias Durante a sessão, Luciano Pimentel aproveitou para destacar a melhoria no abastecimento do povoado Caueira, em Itaporanga D’Ajuda. “Tenho uma casa na Caueira há mais de 20 anos e posso afirmar que nunca tivemos um período tão positivo como temos agora. Por isso, quero fazer esse registro e deixar meu agradecimento. O fornecimento de água na Caueira foi uma pauta que levei algumas vezes para Deso, inclusive com a presença de representantes da Associação de Moradores”, pontuou.

Apoio Após o pronunciamento de Pimentel, o diretor-presidente da Deso iniciou sua fala agradecendo ao parlamentar por uma Moção de Aplausos apresentada pelo deputado na primeira passagem dele pela empresa. “Esses dias achei uma Moção da Assembleia, proposta por Luciano Pimentel e subscrita pelos demais parlamentares, com uma palavra de apoio e parabenização por minha atuação”, recordou Carlos Melo, manifestando gratidão pelo reconhecimento.

Demandas Sobre a ampliação da rede em Graccho Cardoso, o gestor afirmou que entrará em contato com a equipe para dar uma resposta ao deputado.No que diz respeito ao município de Siriri, Carlos Melo explicou que se trata de um cenário um pouco mais complicado. “Desde que a Deso assumiu os serviços em Siriri, há cerca de 10 anos, há uma constante discussão com alguns usuários que não querem pagar pelo fornecimento de água. Quando a Deso corta o abastecimento, essas pessoas acabam fazendo ligações clandestinas ou acumulando contas, o que gera valores altíssimos”, detalhou.

Santo Amaro: Iran cobra pagamento integral do magistério O deputado estadual Iran Barbosa (PT), através de ofício encaminhado ao prefeito do município de Santo Amaro das Brotas, Genivaldo dos Anjos Costa Santos, cobrou o pagamento integral das verbas salariais do magistério daquela Cidade. Iran ressaltou que as verbas salariais equivalem a verbas alimentares e, portanto, precisam ter prioridade de atendimento, integralidade e pontualidade de pagamento.

Sobrevivência “Chegou ao nosso conhecimento que o magistério do município de Santo Amaro das Brotas, até esta data, não recebeu a remuneração devida, referente ao mês de abril”, alertou, lembrando que se o pagamento não for realizado imediatamente está em risco a sobrevivência dos trabalhadores e de suas famílias. “O que, em última análise, é um ataque à garantia da própria vida dessas pessoas, sobretudo neste cenário de Pandemia que enfrentamos”, afirmou Iran Barbosa.


OAB e Abraji firmam convênio e lançam cartilha para garantir segurança de jornalistas A OAB Nacional e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) firmaram ontem, 27, convênio para a promoção da segurança dos jornalistas e o fortalecimento da liberdade de imprensa, durante webinar que debateu a liberdade de expressão no país. O evento marcou o lançamento da cartilha com orientações jurídicas básicas para jornalistas vítimas de assédio ou ameaça no ambiente digital. A Cartilha sobre medidas legais para a proteção de jornalistas contra ameaças online detalha as características de um abuso virtual, além do modo de denunciá-lo às autoridades.

Pilar da democracia O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, afirmou que a imprensa livre é pilar da democracia. “A defesa da democracia exige vigilância e coragem, exige instituições fortes. Omissão, tibieza e fraqueza são fatores que levam a processos históricos como foi o da ascensão do nazismo. Quando a liberdade não é observadora da força da democracia institucional, leva à desordem, ao caos e à vitória dos autoritários”, afirmou. “Hoje é um dia importante porque é hora dos terroristas virtuais que assolam jornalistas conhecerem a face dura do Poder Judiciário. Eles não vencerão, pois a liberdade vencerá”, completou.

A cartilha O coordenador do Observatório de Liberdade de Imprensa da OAB Nacional, Pierpaolo Bottini, ressaltou a importância da cartilha para jornalistas que sofreram agressões e para identificar quem se esconde atrás de um teclado para realizar essas atrocidades. “A cartilha que advém do convênio é um passo a passo para os jornalistas agredidos, listando as autoridades que devem procurar nas delegacias, no Ministério Público, no Judiciário. E vale não somente para os profissionais de grandes veículos, mas sobretudo para os do interior do país, onde a intimidação é, muitas vezes, maior”, disse Bottini.

Vítimas O presidente da Abraji, Marcelo Träsel, lembrou os crescentes ataques que os profissionais têm sido vítimas no país. “Os recentes ataques evidenciam a degradação da civilidade e do espírito democrático no país. A imprensa é sempre um dos alvos dos movimentos autoritários, porque é impossível existir uma democracia sem uma imprensa livre, e ela nunca esteve tão ameaçada no Brasil desde a redemocratização”, afirmou.

Cerceamento “Nunca, de lá para cá, houve tanto cerceamento à atividade jornalística. Devemos fazer tudo que estiver ao nosso alcance para evitar que jornalistas voltem a ser alvos de perseguição sistemática como era no regime militar. O assédio na internet é inaceitável numa democracia, assim como o discurso injurioso e estigmatizante do presidente da República contra os profissionais da imprensa”, completou Träsel. A cartilha aqui.

PELO ZAP DO BLOG CLÁUDIO NUNES – (79) 99890 2018

 Cena absurda em rodovia de São Cristóvão De  um leitor: “Ontem presenciei cenas no mínimo absurdas na minha cidade São Cristóvão. Quem passava pela rodovia que liga a BR 101 e à sede de São Cristóvão pôde vê um grupo de residentes do Batalhão da Restauração tapando buracos da Rodovia. Ai eu pergunto: Porque o deputado estadual Capitão Samuel não fez a solicitação ao DER, órgão responsável do governo do estado para realizar esse serviço na rodovia estadual? Mas não, o parlamentar parece que quis realizar uma ação politiqueira, midiática, podendo inclusive causar danos sanitários aos residentes nesse momento de pandemia, ao os expor a tal situação. Pior ainda, o risco de acidentes acontecerem porque o material colocado na “operação tapa buraco” é um tipo de “barro celão”, que pode causar acidentes com frenagem dos veículos.Esse é o papel de um deputado? E o pior, é a turma politiqueira numa Batalha danada para aplaudir essa insana atitude.”


LIVES SERGIPE – É SÓ ENVIAR PARA DIVULGAR NESTE ESPAÇO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                             
Artigo: Sem imprensa livre não há democracia

Assédio moral a jornalistas se tornou cotidiano no governo de Jair Bolsonaro

Felipe Santa Cruz e Marcelo Trasel* O Estado de S.Paulo 27/05/2020

Um dos pilares da democracia que estamos construindo, desde que a Constituição de 1988 foi promulgada, é a liberdade de expressão e de imprensa. Infelizmente, no Brasil contemporâneo, algumas autoridades e militantes políticos radicais aparentemente desconhecem ou desprezam esse princípio constitucional e o papel do jornalismo. Em lugar de respeitar a função da imprensa e manter um ambiente de civilidade diante da fiscalização do noticiário, como fizeram todos os governos desde a redemocratização, alguns mandatários e servidores públicos respondem com injúrias dirigidas aos profissionais responsáveis por manter a sociedade informada.

Um levantamento da rede Voces del Sur, a partir de dados fornecidos pela Abraji, aponta que houve no Brasil 59 ocorrências de discurso estigmatizante contra jornalistas em 2019 e outras 39 em 2020, categoria na qual se incluem apenas ataques derivados de agentes políticos e agentes públicos. No caso de assédio virtual, foram computados 30 incidentes em 2019 e 20 no ano de 2020. Em relação à pandemia de covid-19, 24 violações à liberdade de imprensa foram detectadas entre 1º de março e 21 de abril, sendo 13 agressões e ataques a repórteres, 9 casos de discurso estigmatizante e dois assédios virtuais.

No atual governo, o assédio moral a jornalistas se tornou cotidiano. Nas entrevistas em frente ao palácio, o presidente responde às perguntas sobre indícios de corrupção ou incompetência em seu governo com frases como “pergunte à sua mãe”, dirige gestos obscenos ou ofensas homofóbicas e sexistas a repórteres, ou ainda faz críticas às empresas de comunicação, tudo sob aplausos de uma claque de militantes. Nas redes sociais, uma militância, muitas vezes conduzida por assessores pagos com dinheiro público, promove campanhas de difamação contra repórteres e veículos, se valendo inclusive de perfis falsos e robôs.

O resultado da ausência de civilidade do governo federal em sua relação com a imprensa são as agressões físicas a jornalistas noticiadas nas últimas semanas. Legitimados pelo discurso conspiratório e hostil do presidente, seus apoiadores atacam repórteres com bandeiras, empurram fotógrafos de cima de escadas ou quebram o dedo de cinegrafistas no exercício de sua função profissional e de seu papel como cidadãos. Isso precisa ter fim, porque é até possível existir algo semelhante a jornalismo num regime autoritário, mas é impossível a existência de uma democracia sem a fiscalização do poder pelos jornalistas.

Atentas à necessidade de garantir a segurança física e psicológica dos jornalistas, OAB, por meio do Observatório da Liberdade de Imprensa, e Abraji firmaram convênio para orientação jurídica de profissionais agredidos ou assediados. O livre exercício do jornalismo é condição fundamental para que exista liberdade de imprensa, garantida pela Constituição. Haverá orientação sobre medidas legais contra ameaças e assédio online, roteiro para reconhecer um abuso virtual e o passo a passo para denunciá-lo às autoridades brasileiras e às cortes internacionais de direitos humanos.

A insatisfação com a imprensa é um traço comum aos mandatários, e não só aqui no Brasil. Afinal, é papel da imprensa manter uma postura crítica e independente em relação a todos os Poderes instituídos. Esse monitoramento das ações das instituições, dos políticos e das autoridades é uma das mais relevantes contribuições para o debate público e para o fortalecimento da democracia. É um trabalho que não pode, em qualquer hipótese, ser cerceado nem confundido por qualquer que seja o governo com o papel da oposição, atividade a ser exercida por partidos e por outros setores organizados da sociedade – igualmente importante e digna de respeito quando exercida dentro da legalidade.

Portanto, nenhum tipo de violência ou assédio contra os profissionais da imprensa pode ser admitido. Nenhum tipo de ameaça de retaliação aos veículos que cumprem o dever de informar pode ser visto como razoável. Em qualquer democracia, é mister aceitar contraditórios e essencial rechaçar a violência como forma de solução dos conflitos.

Os sinais de uma democracia asfixiada frequentemente aparecem sob a forma de jornalistas e opositores sendo censurados, coagidos ou ameaçados. Ao primeiro sinal, é preciso dar um basta.

*FELIPE SANTA CRUZ É PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL (OAB) MARCELO TRÄSEL É PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE JORNALISMO INVESTIGATIVO (ABRAJI)


ARTIGO 

A peste chegou! Por Antônio Samarone


O temido colapso dos Serviços de Saúde chegou à Sergipe. Não se trata de uma metáfora, é um colapso mesmo. É o paciente grave, com sofrimento intenso, necessitar de uma assistência especializada e não encontrar.

Essa carência não se resolve de improviso. Chega, manda comprar mais 50 respiradores e abre-se mais leitos. Não é assim que funciona. Um respirador não é um eletrodoméstico que você compra na loja, leva para casa, liga na tomada e ele começa a funcionar. Não é como o liquidificador de nossas casas.

Um leito de UTI precisa de equipamentos e muita tecnologia, entretanto, se não tiver profissionais qualificados, esses equipamentos de nada servem. Não basta ligar na tomada, precisa de gente competente para operá-los.

A alma da assistência numa UTI é a sua equipe de saúde.

Sem um bom médico intensivista, enfermeiras especializadas, fisioterapeutas treinados, os melhores equipamentos do mundo são lixo. Uma arma não mão de quem não sabe atirar.

Leitos de UTI são equipes de profissionais treinados, com condições de trabalho adequadas, tecnologias e insumos disponíveis, e segurança. Sergipe teve tempo para montar essas esquipes, treiná-las, capacitá-las, e não o fez.

Empurraram com a barriga. Não se levou a sério. Enganaram ao Ministério Público.

Quantos desses leitos de UTI em Sergipe, montados a toque de caixa, estão em condições de funcionamento adequado? Os pacientes entram sozinhos, em estado grave, sem a presença da família, desprotegidos, não podem avaliar a qualidade do serviço que estão recebendo.

Como agravante, não existe uma regulação única.

A Secretaria da Saúde do Estado aponta para um lado a de Aracaju para outro. O município tem dificuldades em transferir um paciente grave de suas UPAs, para um leito de UTI estadual. Pacientes já morreram pelas dificuldades burocráticas.

A essa altura, ainda não existe um fluxo estabelecido para os pacientes com covid. E não foi por falta de reuniões. Posso parecer duro, mas falta uma gestão competente. O critério político nas escolhas dos gestores é um crime contra a saúde pública.

Um paciente grave procurando a rede de saúde, ainda sem diagnóstico, para onde encaminhá-lo? As UTIs não aceitam pacientes sem diagnóstico. Eles esperam onde? Nem o Nestor Piva, nem o Fernando Franco, nem o hospital da campanha possuem estruturas adequadas para assistir a esses pacientes graves.

As UPAs estão lotadas com pacientes graves. E mais, ontem um paciente grave ficou no Onésimo Pinto, uma unidade básica, até tarde da noite. Ninguém sabia para onde encaminhá-lo. Uma perversidade.

Não existir um fluxo estabelecido para os pacientes de covid beira a estupidez.

A desorganização levou que o hospital da campanha receba pacientes já testados positivamente com necessidade de internamento, junto com pacientes sintomáticos, mas sem o diagnóstico.

Qual é o problema?

O polêmico hospital da campanha foi construído por gente acostumada a montar espaços de festas. Fizeram um ambiente único, as salas de atendimento não possuem cobertura, respira-se o mesmo ar em todo o ambiente.

O que significa essa aberração?

Uma pessoa internada com sintomas parecidos com os da covid, mas seja outra doença respiratória, ela vai se contagiar no hospital. Ambiente respiratório único, com o ar condicionado ajudando a espalhar o vírus, o hospital da campanha se transformou numa central de transmissão da Pandemia.

O hospital da campanha virou um Lazareto, um depósito de doentes aguardando o seu destino. Juntou-se num mesmo ambiente pacientes covid positivo, pacientes suspeito da covid e pacientes de outras patologias, que pareçam covid. Em pouco tempo, todos serão pacientes da covid.

Enquanto eles batem cabeça, a morte continua com a sua foice afiada. Chegamos a 116 óbitos, 292 pacientes internados e 3.105 pessoas testadas positivas, em suas casas, esperando a misericórdia de Deus.

Já chegamos no pico da Pandemia em Sergipe (27/05)?

Ninguém sabe!

Os dados são insuficientes. As previsões são especulativas. Sem dados corretos os “modelos matemáticos” são abstrações efêmeras. Quantos são os contaminados em Sergipe? A testagem é muito baixa.

PELO TWITTER

www.twitter.com/ayres_britto

Há quem prepare com todo método cada um dos seus erros.

Colonização mental e lábia do ódio são vizinhas de porta.

Homero falava de palavras aladas sem saber que o nome dele era uma delas.

Pelas bandas de cá, a meta só pode ser uma fonte de nome Constituição.

www.twitter.com/frednavarro Agradeço à mídia pela ausência das grosserias, mentiras e idiotices ditas diariamente por Bolsonaro junto ao cercadinho. Enquanto não visitar um hospital e pedir desculpas pela irresponsabilidade dos últimos 60 dias, ele não é mais presidente nem de escola de samba.

www.twitter.com/BlogdoNoblat A revolta de bolsonaristas contra o combate às fake news é a maior confissão de culpa que jamais vi.

www.twitter.com/pcn1965 Disseminar racismo,ódio as minorias e notícias falsas é crime. Não é jornalismo.


Siga Blog Cláudio Nunes:

Instragram

 Facebook

 Twitter



Frase do Dia
“Da árvore do silêncio pende seu fruto, a paz.” Arthur Schopenhauer



O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários