A reforma da previdência

0

O Governo Federal tem declarado, exaustivamente, que a Reforma da Previdência, da forma como está sendo apresentada, é que poderá garantir o pagamento dos aposentados e cobrir do rombo no setor, que supera os 300 milhões de reais. No entender dos tecnocratas do Governo, se a taxação dos inativos não for aprovada, há um risco de implosão do sistema e dificuldades maiores no futuro. Ouvir explicações do tipo, de um Governo que chegou ao Poder, sob o rótulo de progressista, parece blasfêmia. Na realidade, a aposentadoria do trabalhador, seja pública ou privada, sai do salário de cada um cidadão, que passa mais da metade da vida pagando para esse direito depois. Os trabalhadores fizeram sua parte e não têm culpa da falência total de um sistema apodrecido. Os responsáveis são o próprio Governo e as empresas que não cumpriram a sua parte, levando a previdência ao fundo do poço. Em se tratando de um presidente eleito pela força de uma retórica forte, que parecia favorável a massa trabalhadora, é de se estranhar que exatamente quem cumpriu com o seu dever, quem teve a taxa da previdência sempre extraída dos seus vencimentos, venha cobrir deficiência, roubalheiras e corrupções de um sistema pessimamente administrado e com uma estrutura que favorecia a procedimentos desonestos. O que o presidente Lula da Silva deveria fazer, e foi para isso que o povo o elegeu, era determinar um levantamento sério das causas que provocaram o rombo previdenciário e colocar na cadeia quem descontou do funcionário e não recolheu ao Instituto de Previdência. É jogar duro contra as grandes empresas, que devem milhões de reais ao setor e não sofrem absolutamente nada. Mais uma vez, num Governo que se rotula popular, o povo é que paga a malandragem das elites organizadas, que hoje se mantém sobre a proteção do Poder que o povo confiou. Continua a vigorar, neste país, a teoria de que os espertos, corruptos e ladrões continuam levando vantagem. Além disso, o presidente Lula da Silva está meio peixe fora d´agua. Modifica o projeto de reforma, depois desiste e impõe a original. Com isso cria um clima de insegurança, mal estar, confusão e desconfiança dos próprios parlamentares da base aliada. O deputado federal Jackson Barreto (PTB), integrante da base de apoio ao Planalto, denunciou os governadores dos Estados como “os verdadeiros inimigos dos trabalhadores, porque defendiam um teto salarial de R$ 1.058,00”. Nenhum governador assumiu isso, claro, mas sabe-se que o presidente Lula da Silva se alicerçou neles para não ter responsabilidade única do projeto de reforma previdenciária. Quando convidou os governadores para apresenta-la, tudo já estava produzido dentro do que pensava os tecnocratas do Planalto. Não houve mudanças e o espetáculo da entrega das propostas ao Congresso, foi uma forma de comprometer a todos por um projeto que o Governo Federal pariu. Tudo foi gerado em uma das provetas do laboratório de criar monstros, que se montou no Planalto. Lógico que o objetivo maior do presidente Lula da Silva foi tentar dá paternidade aos governadores, para que eles influenciassem suas bancadas na aprovação do mostrengo, quando da votação plenária na Câmara Federal. Mas, como também lembra o deputado Jackson Barreto, nem todos os governadores têm força suficiente para fazer com que os parlamentares dos seus Estados aprovem o que eles determinarem. Evidente que os Governos Estaduais estão com problemas nos institutos de previdências e consideram que a proposta de Lula é a salvação dos problemas de cada um. Mas todos terminam enforcando o trabalhador, que, repetimos, são as únicas vítimas do uso do dinheiro do sistema, para outros fins, principalmente em campanhas eleitorais e aplicação em áreas absolutamente eleitoreiras. Foram, também, os Governos, inclusive o Federal, que transformaram a previdência num paraíso para os corruptos e salafrários, que promoveram esse rombo que não tem fim. Um Governo que tem as bases no trabalhador, jamais poderia colocar os mais sacrificados para pagar por tudo que fizeram pelo dinheiro que eles recolheram com muito sacrifício, para ter um mínimo de dignidade na sua aposentadoria. A taxação dos inativos é uma estupidez. Uma injustiça imperdoável… ENCONTRO Um conhecido cidadão, que tem trânsito livre nos bastidores mais profundos da política sergipana, garantiu que houve um encontro entre João Alves Filho, Albano Franco e Marcelo Deda. Teria ocorrido em Brasília. Não teria sido sobre política, mas para interferência em uma área de interesse comum aos três. Teria acontecido há 15 dias. QUEIMAÇÃO O que estão fazendo com o ex-prefeito João Augusto Gama (PTB), em relação ao Calçadão da João Pessoa, é uma queimação eleitoral, para afasta-lo de qualquer disputa nas eleições municipais do próximo ano. João Augusto Gama é um dos nomes do PTB para ser companheiro de chapa de Marcelo Deda (PT), em 2004. SUSPEITAS Essa queimação ampla parte de setores do próprio Partido dos Trabalhadores, que não aceitam Gama e vão lutar para que seja chapa puro sangue. Ou do próprio Partido Trabalhista que tem outros nomes para disputar a vice. Ninguém sabe como se comportam o Partido Liberal e o PSB. FONTES Os deputados federais João Fontes (SE) e Luciana Genro (RS), ambos do PT, fizeram palestra, ontem, na Universidade da Bahia. Falaram sobre a Reforma da Previdência Social e a conjuntura atual brasileira. João e Luciana integram o grupo que discorda da política que vem sendo adotada pelo presidente Lula da Silva PERDIDO O deputado federal João Fontes considera que o Governo está perdido com os seus projetos de reformas: “Lula diz alguma coisa e os assessores falam outra”. Na realidade o Governo está retroagindo em suas negociações e começando a mostrar que os chamados radicais é que estão certos ao discordar da descoloração do Planalto. IRONIA O deputado federal João Fonte ironizou a viagem que o presidente Lula da Silva fez à Europa: “nem na Europa e nem nos Estados Unidos se tratou da Alca, mas do álcool”. E acrescentou: “o problema lá também não era o inglês ou o francês, mas o escocês”. Referia-se ao scoth. SEGURANÇA Há conselhos para reforçar a guarda a Marcos Munganga, porque o mesmo grupo que trabalhou na fuga de Floro Calheiros também vai tentar tira-lo da penitenciária de São Cristóvão. Segundo um delegado, a Polícia fora informada dos planos para tirar Floro 15 dias antes da fuga ocorrer. Estava tudo certo. ALMOÇO Sábado passado, o pessoal que projetou a fuga de Floro Calheiros almoçou, em uma churrascaria de Itabaiana, com dois políticos e um importante membro da Polícia. A informação está com um policial que comanda todo o trabalho para um levantamento do que ocorreu no almoço e as razões do encontro. REUNIÃO A Polícia tinha conhecimento de que, uma semana antes da fuga de Floro Calheiros, houve uma reunião, em Estância, com um familiar do fugitivo. Tratou-se de um grupo armado que vinha da cidade baiana de Nonuque, com o objetivo de tirar o preso da 1ª Delegacia. Floro sairia de lá de qualquer jeito. RENATO O presidente do PRP, Renato Sampaio, almoçou, ontem, com o vereador Antônio Samarone (sem partido) e o convidou para ingressar em sua sigla. Samarone ficou de ter novo encontro com Renato Sampaio tem viajado pelo interior para a criação de Diretórios do seu partido. Nestes últimos 15 dias ele fundou o PRP em mais quatro cidades. NOTIFICAÇÃO A prefeita de Canindé do São Francisco, Rosa Feitosa, ainda não foi notificada da decisão judicial para deixar a Prefeitura. Ela perdeu o mandato por abuso financeiro no pleito. Rosa não foi encontrada no seu apartamento, em Aracaju, porque soube da decisão com antecedência e se hospedou em um hotel da Atalaia, para ganhar tempo. APARECE Rosa Feitosa estará em Canindé do São Francisco entre hoje e amanha, quando será notificada e terá o prazo de três dias para recorrer da decisão. Como o processo não tem efeito suspensivo, Rosa Feitosa deixa a Prefeitura e Jorge Carvalho, segundo colocado nas eleições, é diplomado e assume o mandato. ASSEMBLÉIA A partir de agosto a Assembléia Legislativa terá sessões plenárias pela manhã apenas nas segunda e quarta feiras. Nas terça e quinta feiras serão à tarde. A sugestão é da bancada governista e aceita pelo presidente da Casa. A alegação é que os parlamentares precisam de dois dias para freqüentar as Secretarias, que funcionam só pela manhã. EMOÇÃO O secretário de Comunicação de Aracaju, Milton Alves, emocionou-se, ontem, ao conceder entrevista para a “Folha da Praia”, quando lembrou os tempos difíceis da ditadura militar e o Projeto Cajueiro. Milton teve vários companheiros presos e torturados. O jornalista perdeu a frieza natural da profissão e foi às lágrimas. Notas AUMENTO O prefeito de Pirambu, André Moura (PFL) criticou, ontem, o aumento de 15% na travessia de veículos para a Barra dos Coqueiros, por considerar que a empresa H. Dantas não atende aos usuários dentro das normas que são impostas para este meio de transporte. Diz que não ver a hora “essa ponte estar pronta”. André Moura acrescenta que as balsas são pequenas, não cumprem horário, não funcionam 24 horas, quebram muito e nos domingos não suporta o número de veículos que procuram os serviços da empresa para a travessia. CONFUSÃO O deputado federal Jackson Barreto (PTB) disse ontem que há muita confusão para votação dos projetos de reforma da Previdência e Tributária. Disse que o presidente Lula da Silva está chegando do exterior para coordenar o processo, porque “há muita maluquice e isso enfraquece a aprovação”. Jackson acha que é preciso definir uma ação que seja definitiva e conduza a bancada do Governo a se manter firme na posição. Com recuos em cima da hora e mudanças momentâneas fica muito difícil. ALMEIDA Lideranças políticas vinculadas ao governador João Alves Filho (PFL) reclamam de uma ação política mais eficiente do Governo na organização para a disputa da Prefeitura de Aracaju. Até o momento, segundo as pesquisas, o melhor nome é o do senador José Almeida Lima (PDT), que se aproxima de Déda. Ontem, entretanto, um político importante do esquema político do Governo, avisou que o senador Almeida Lima não serviria para o grupo, em razão de suas posições: “ele é o João Fontes do Governo Estadual”, brincou. É fogo O deputado federal Jackson Barreto (PTB) participou da sessão plenária de ontem, no esforço concentrado dar condições da votação das reformas. O deputado federal João Fontes (PT) disse que vai deixar de acompanhar autoridades do Governo nas visitas a Aracaju, para evitar provocações do prefeito Marcelo Deda. João Fontes acompanhou o ministro Valdir Pires a Sergipe, atendendo a convite dele, e recebeu indiretas do prefeito, sem poder usar o microfone. Setores da Polícia acham que não há mais a menor condição de recapturar Floro Calheiros, que estaria na Argentina. Estes setores policiais acham que a Polícia não tem condição financeira de fazer diligências para capturar Floro Calheiros. O secretário da Segurança, Luiz Mendonça, estranha a insistência do ex-deputado Antônio Francisco não se apresentar à Polícia. Luiz Mendonça acha que essa situação de fugitivo pode piorar sua situação junto à Justiça, porque há perda de confiança. Os advogados do deputado estadual Antônio das Graças já estão concluindo a defesa que farão do deputado diante da Comissão de Ética. A maioria dos deputados consultados acha que Antônio das Graças terá punição mais leve que a cassação, embora a tentativa de homicídio exija a perda do mandato. As ligações telefônicas deixaram de ser sigilosas. Com o número do CPF, qualquer pessoa pode saber para onde o amigo ou inimigo ligou ou recebeu ligações. Essa quebra do sigilo de ligações via internet deveria ser evitada pelas empresas, com a distribuição de senhas para os usuários. A TV-Cidade transmite, hoje, na íntegra, a participação do governador João Alves Filho na audiência pública da Comissão de Reforma Tributária. João Alves Filho defende uma reforma Tributária mais justa, capaz de reduzir as desigualdades regionais. brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais