ALBANO E ALCKMIN

0

O ex-governador Albano Franco (PSDB) está em Brasília desde terça-feira passada. Foi com o objetivo de conversar com a direção nacional sobre a situação do partido em Sergipe e a possibilidade de fechar uma aliança branca com o Partido dos Trabalhadores (PT), que lhe oferece o Senado Federal. Albano não encontrou amparo do presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati, quanto a movimentação de qualquer entendimento com o PT, mas conseguiu o apoio pela disposição de disputar o mandato de senador. Há um breque quando o ex-governador fala nesse entendimento informal com o PT, porque o PSDB faz oposição intensa aos petistas tem compromissos eleitorais com o PFL, dentro de uma coligação nacional.  Em Sergipe, o PFL ofereceu ao tucanos a indicação do vice-governador na chapa encabeçada pelo governador João Alves Filho. Bahia e Maranhão e Sergipe são os estados que têm problemas sérios para fechar uma coligação com o PSDB. Isso começa a preocupar o pré-candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin.

Ontem à tarde, num sala de reuniões localizada no angar de uma empresa aérea, no aeroporto de Brasília, o ex-governador Albano Franco conversou com o presidenciável Geraldo Alckmin. Durante aproximadamente 30 minutos, Ele relatou tudo o que está acontecendo em Sergipe, inclusive a vontade da maioria do partido em fechar uma aliança branca com o Partido dos Trabalhadores, porque a legenda adversária do PSDB a nível nacional estava lhe oferecendo o Senado Federal. Alckmin não pensou duas vezes: pediu ao ex-governador que não levasse os tucanos em Sergipe para uma coligação informal com o PT. Considerou legitimo o direito de Albano ser candidato ao Senado, mas, diante desse clima que não favorecia a um entendimento, sugeriu que o PSDB lançasse candidatura própria ao Governo do Estado e procurasse alianças com partidos que não tivessem qualquer vínculo com o mais ferrenho adversário dos tucanos (o PT). Albano Franco não vê condições para o partido entrar na disputa pelo governo em Sergipe.

Antes de conversar com Geraldo Alckmin, o ex-governador sergipano teve um encontro com o senador Heráclito Fortes (PFL-PI), na área externa da sala de reuniões do angar. Heráclito, que na semana passada cedeu seu apartamento para um jantar entre Alckmin e senadores do PFL, quando aconteceu uma conversa do presidenciável tucano com o governador João Alves Filho, disse a Albano Franco: “não vamos deixar você se aliar com o PT”.

Já está marcada para a próxima segunda-feira uma reunião de Geraldo Alckmin com a cúpula do PSDB em Sergipe. Acontecerá em Brasília e, ao lado do ex-governador Albano Franco, estarão os deputados estaduais e federal, candidatos e alguns membros da direção do partido, para que se abra perspectiva de um céu de brigadeiro para o vôo tucano nas próximas eleições em Sergipe. Geraldo Alckmin vai insistir numa composição com o PFL, argumentando a questão da coligação nacional. Ele considera que sairá prejudicado no estado, caso haja essa divisão. Alckmin voltará a conversar com o governador João Alves Filho e utilizará a direção nacional do PFL para tentar uma solução que impeça uma composição que fuja ao que determina a verticalização e agrida a unidade dos dois partidos. Durante a conversa, houve o alerta de que uma aliança branca provocaria danos reais aos candidatos proporcionais, porque favorecia apenas ao majoritário, no caso o ex-governador Albano Franco, que quer disputar o Senado Federal.

Disso o ex-governador está consciente. Sabe que uma composição informal pesa na eleição e reeleição de candidatos majoritários. Diz, entretanto, que o pessoal não demonstra preocupação com essa realidade e é exatamente por isso que sugeriu um encontro com a presença de todos, para que eles sejam co-responsáveis com as decisões que possam ser tomadas. Com a aliança branca o PSDB deve eleger apenas um deputado estadual e não reelegerá Bosco Costa. Apesar de todas as dificuldades, Albano Franco diz que quer resolver tudo isso até o dia 10 próximo.

 

 

GAROTINHO-1

O governador João Alves Filho (PFL) viajou terça-feira, no final da tarde, a Brasília. Mas antes passou pelo Rio de Janeiro para uma visita a Antony Garotinho (PSDB).

João Alves foi prestar-lhe solidariedade e conversam por aproximadamente 60 minutos. Garotinho faz greve de fome. Quer espaço na “Veja” e TV-Globo para defender-se.

 

GAROTINHO-2

João Alves Filho foi a primeira visita do dia recebida por Antony Garotinho (PMDB). João evitou comentar a greve de fome.

O governador disse apenas que se tratava de uma decisão pessoal. Após a saía de João Alves, Garotinho voltou a apagar a luz e deitar no sofá.

 

JERÔNIMO

O ex-prefeito Jerônimo Reis (PFL) disse ontem que a reunião que João Alves fez com sua equipe foi positiva porque agora todos vão começar a trabalhar.

Acha que se colocarem em prática o que foi passado e todos os secretários darem as mãos, com certeza a situação será outra.

 

AGENDA

João Alves Filho tem uma agenda corrida hoje e amanhã. Só para ter uma idéia, nesses dois dias ele almoça e janta com dois mil estudantes, fora compromissos em várias cidades.

Um dos seus aliados acha que essa movimentação política é boa, mas admite que está faltando uma pessoa para operacionalizar a campanha, como aconteceu em 2002.

 

VÁLIDA

Mais um fato que pode chacoalhar o PMDB a nível nacional: o Superior Tribunal de Justiça (STJ) validou a convenção de dezembro, que obriga o partido a ter candidato a presidente.

Para derrubar isso há outro impecílio: está decidido que para anular essa decisão precisa do voto de dois terços dos delegados.

 

JURÍDICO

O presidente regional do PMDB, Benedito Figueiredo, está assessorando juridicamente o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB), nesse caso específico.

Segundo Benedito, na época não constava no edital de convocação a exigência dos dois terços. Foi colocado em ata depois da votação.

 

VICE

Benedito Figueiredo acha que a oferta para indicação do vice na chapa do presidente Lula, não vai passar entre as lideranças mais importantes do PMDB.

Considerou que é a mesma coisa de ter candidato próprio. Segundo Benedito, o pessoal está querendo ficar livre para fechar as melhores alianças nos estados.

 

SOZINHO

Na avaliação de um membro do PSDB, uma “aliança branca”, pretendida pelo partido com o PT, deixa a legenda absolutamente só nas eleições estaduais.

Acrescentou que o partido manterá apenas Ulices Andrade como deputado estadual. Não terá condições de eleger mais ninguém.

 

SOLUÇÃO

A única solução para o PSDB seria fazer uma composição com um ou outro pequeno partido, desde que eles estejam consciente que servirão apenas para fortalecer os tucanos.

Mesmo assim, segundo a mesma avaliação, certamente o partido não terá condições de reeleger o deputado federal Bosco Costa.

 

CAFÉ

Com um café da manhã bem sergipano, o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) recebeu ontem em seu apartamento o ex-governador Albano Franco (PSDB).

Conversaram sobre a aliança branca para apoiar a candidatura de Marcelo Déda. Valadares é o estrategista dessa composição e tem procurado saídas para a questão proporcional.

 

VALADARES

Outra coisa que o senador Valadares está trabalhando com intensidade, dentro do bloco de oposição em Sergipe, é um nome do PSB para vice de Marcelo Déda (PT).

Mas está encontrando um obstáculo: o deputado federal Jorge Alberto (PMDB) trabalha pessoalmente o seu nome como vice de Déda.

 

CONVERSA

O deputado estadual Fabiano Oliveira (PSDB) almoçou ontem com José Eduardo Dutra (PT) e tratou sobre a aliança branca. Dutra quer disputar o Senado.

Zezinho Guimarães, candidato do PSC a deputado federal, também sentou à mesa. Fabiano aproveitou para propor uma aliança proporcional entre PSC e PSDB. Não foi descartada.

 

MINISTRO

O ministro Carlos Ayres Britto foi eleito, pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), membro efetivo e titular do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ayres Britto vai ocupar vaga no TSE decorrente da posse do ministro Gilmar Mendes na vice-presidência do STF. O ministro recebeu nove votos do plenário.

 

Notas

 

INTERVENÇÃO-1

A direção do PSDB decidiu intervir nos diretórios estaduais que resistem à orientação de coligar-se com o PFL para governos e ao Senado onde o apoio de tais candidatos seja vital para Geraldo Alckmin, aspirante à sucessão de Lula. O PSDB publicou ontem uma resolução para controlar alianças.

Foi criada uma Coordenação Nacional de Campanha Estadual (CNCE) que vai cuidar dos estados que tenha dificuldade para formação de coligação de acordo com a diretriz e a composição decidida a nível nacional.

 

INTERVENÇÃO-2

A resolução do PSDB foi assinada, quarta-feira pelo senador Tasso Jereissati (CE), presidente do partido, e o deputado Eduardo Paes (RJ), secretário-geral, com o objetivo de implodir, nos diretórios estaduais do partido, qualquer recusa a se compor com o PFL para disputar as eleições de outubro.

A Coordenação de Campanha Estadual vai se reunir com a direção partidária dos estados que têm problemas, para tentar uma solução ou levar para a Direção Nacional quando não for possível um acordo.

 

DOMÉSTICAS

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou, ontem, projeto de lei que estende aos empregados domésticos não inscritos no FGTS o direito de receber o seguro-desemprego. O texto agora só precisa ser aprovado em plenário antes de ser encaminhado para a sanção do presidente Lula.

A proposta, já aprovada na Câmara, garante o benefício ao empregado que comprovar que trabalhou nessa função em pelo menos 15 dos últimos 24 meses, contados a partir da data da dispensa sem justa causa.

 

 

É fogo

 

A decisão do governador João Alves Filho (PFL) em começar a viajar pelo interior animou aos seus correligionários.

 

João Alves estava parado porque ainda estava muito envolvido na administração estadual. Agora terá mais tempo para também fazer política.

 

Alguns dos seus aliados aconselham o governador João Alves Filho a manter o grupo que articulou sua campanha em 2002.

 

Outro fato que preocupa os candidatos é que os secretários realmente atuem da forma como o governador determinou, para que todos recuperem o ânimo.

 

O deputado Jorge Araújo (PSDB) sugere que seja solicitada a presença do Exército na distribuição de água de algumas cidades do interior.

 

Segundo Jorge Araújo, a população está sem água por falta de cisternas e os barreiros não acumulam água própria para o consumo humano.

 

A deputada Celinha Franco destaca o trabalho desenvolvido em Nossa Senhora do Socorro, na área bucal, que teve o reconhecimento nacional.

 

O deputado Antônio Santos (PSC) quer que a Assembléia Legislativa passe a discutir a indústria de multas que se instalou em Aracaju.

 

Uma pesquisa feita para consumo interno entre os evangélicos mostra que Heleno Silva, Claudia Andrade e Antônio Santos são os mais votados no segmento.

 

Já começou em todo o estado a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa. O lançamento aconteceu quarta-feira no Deagro.

 

A Receita Federal está divulgando nota que alerta sobre o envio de e-mail utilizando o seu nome. Pode conter virus ou permitir o roubo de informações.

 

Outros e-mails idênticos são enviados em nome do Serasa, Supremo Tribunal Federal e até da Caixa Econômica Federal.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários