ALMEIDA E OPOSIÇÃO

0

O senador José Almeida Lima (PMDB) está trabalhando sem fazer alvoroço. Tem freqüentado festas populares em vários municípios do interior sergipano, além de conversar com lideranças políticas do estado. Não aceita a palavra isolamento, embora isso esteja aparente pelos membros da cúpula do partido, que ignoraram sua pré-candidatura ao governo do estado. Almeida entrou no PMDB com disposição para disputar a sucessão estadual, mas encontrou uma certa má vontade por parte de um grupo expressivo que jamais deixou o PMDB. Alguns deles tinham receios eleitorais e outros achavam que o partido deveria manter o seu projeto de alianças, desde que não tivesse prejuízo de representação na Câmara Federal e na Assembléia Legislativa, o que é politicamente correto. O que Almeida ainda pensa é que o PMDB deveria retomar o seu caminho de luta e ir em busca de candidatura própria, independentemente da vinculação a qualquer outra força política.

Ontem ele disse que não iria se isolar: “estou no meio do povo. O que não vou ter é atrelamento a qualquer força política do estado”. Entretanto, o senador admitiu que “prefere ficar sozinho a ter que se manter na companhia daqueles que querem me afastar do povo”. Insiste que não fará composição com grupos que não tenham um perfil progressista, “mas se for construída uma terceira via pela legenda, estarei nos palanques”. Almeida não vai recuar em seu propósito de fazer com que o PMDB retome a postura que o diferenciou do partido que dava sustentação à ditadura militar. Lembra que, por se deixar levar pela sedução da direita, o partido que se transformou em uma frente na luta pela redemocratização do país jamais chegou ao poder central, abrindo espaço para integrantes de legendas que fortaleciam o regime de exceção. Dentro de uma análise fria, o PMDB tem que se reencontrar com sua história, porque se transformou em um partido absolutamente servil, apesar as figuras de caráter forte que ainda mantém vivo o PMDB que doutor Ulisses Guimarães sonhou.

Almeida não quer cometer os mesmos erros que a oposição em Sergipe vem repetindo ao longo dos anos, desde a luta contra a ditadura militar. Fez um histórico dos equívocos cometidos pelo PMDB, inclusive em 1970, com o respeitável Oviedo Teixeira, que perdeu o Senado. O partido também se dividiu em 1986, quando José Carlos Teixeira tinha condições de chegar ao governo. Uma ala do PMDB (onde também estava Almeida) se rebelou e deixou de apoiar Teixeira, preferindo ficar ao lado do então candidato Antônio Carlos Valadares. Em 1998 – lembra Almeida – Jackson Barreto põe na rés do chão 20 anos de história da oposição, ao se unir com o seu eterno adversário, ex-governador Albano Franco: “é essa sucessão de erros que faz com que o PMDB não consiga passar de uma legenda de apoio a outros partidos. É uma sigla que não está sabendo ousar e que precisa encontrar o caminho que leve ao povo”.

Almeida Lima não poupou o prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), candidato a governador do estado, que hoje comanda a oposição em Sergipe: “Déda estuprou o Partido dos Trabalhadores ao oferecer a Albano Franco uma vaga a seu lado, na chapa majoritária que pretende formar”. Não é esse o PT de tantos outros membros sérios que ainda mantém no coração a ideologia do PT de antigamente e que não aceitam uma composição desse tipo. O senador peemedebista vai manter essa postura, porque quer avançar na sua forma de conduzir a política que imagina e lembrou que ainda tem cinco anos de Senado pela frente e que na disputa para a sucessão estadual, dentro desse quadro de polarização entre João e Deda, um dos dois fica sem mandato.

Almeida pode até avançar nessa visão que relata, mas precisa ter maior sensibilidade política para conquistar adeptos e convencer o eleitor de que está certo.

 

 

REUNIÃO

O governador João Alves Filho (PFL) reuniu ontem os secretários e presidente de órgãos, por 3 horas, para pedir empenho especial no atendimento a aliados.

João Alves mostrou-se animado com a disputa eleitoral de outubro e contagiou a equipe: “lembrem-se, eleição não é matemática e precisamos trabalhar”, ensinou.

 

VENÂNCIO

O líder do governo na Assembléia, deputado Venâncio Fonseca (PP), concordou que há necessidade de trabalhar e pediu empenho e rapidez aos secretários da Saúde e Educação.

O governador concordou de imediato e disse que realmente havia muita queixa quanto à morosidade dos dois no atendimento das reivindicações.

 

ANUNCIO

João Alves Filho anunciou os nomes de Sérgio Fontes e Flávio Conceição como coordenadores políticos e de Silvani Pereira na parte administrativa.

Lembrou que se trata de um ano eleitoral e não quer quem nenhum deles deixe de fazer a parte técnica de suas pastas, mas aliem isso a uma atenção maior à área política.

 

QUEIXAS

Os secretários políticos queixaram-se da forma com o presidente do Detran – que estava presente – atende à classe política.

João Alves pediu que o presidente do Detran moderasse e lembrou que é governador através dos amigos e do povo “que confiam em mim”.

 

ALMEIDA

O senador Almeida Lima (PMDB) foi o único parlamentar federal que recebeu Antony Garotinho, sábado, em Aracaju: “como senador do partido, tinha que prestigiá-lo”, disse.

Para Almeida, Garotinho faz um papel que lhe agrada. “Ele rompeu a barreira que obstaculava uma candidatura própria do partido”, disse.

 

RIGOTTO

Declarou que pessoalmente tem preferência pela candidatura de Germano Rigotto. Disse isso ao próprio Antony Garotinho quando esteve com ele no hotel.

Entretanto, Almeida deixa bem claro: “qualquer que seja o resultado estarei no palanque daquele que for vitorioso”.

 

DISPUTA

Sergipe também disputa a vaga deixada pelo ministro José Arnaldo no STJ, com três candidatos: Clovis Barbosa, Eduardo Ribeiro e Antônio Luiz Teixeira.

Os três estão trabalhando essa candidatura e empreendem viagens para conversar com colegas de outros estados. Sergipe tem chance de manter um ministro no STJ.

 

FÔLEGO

O prefeito Marcelo Déda (PT) disse ontem que deixa a Prefeitura dia 31 de março e vai com toda disposição para a luta, na disputa pelo governo do estado.

Disse que trabalha para ampliar sua composição, mas se não conseguir, não recuará um milímetro da decisão de candidatar-se a governador.

 

ALBANO

Marcelo Déda disse que só pode dizer que Albano Franco (PSDB) estará na sua chapa majoritária, ”quando ele disser que quer ser candidato ao Senado”.

Enquanto isso não acontecer – segundo Déda – não dá para se tentar montar uma chapa majoritária incluindo o seu nome. Deixou claro que estava aberto para isso…

 

DISPUTA

O prefeito Marcelo Déda também disse que “em momento algum, até na hora de dormir, não deixo de reconhecer que vou enfrentar um candidato muito forte”.

Acha que será uma disputa difícil, tendo em vista que o governador João Alves Filho (PFL) “é um homem experiente e que sabe fazer política”.

 

VALADARES

Na semana passada o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) tomou café da manhã no apartamento do prefeito Marcelo Déda. Nenhuma sílaba fora da política.

Valadares declarou-se impressionado: “você está com um ânimo tão grande que também deixa a gente muito animado”.

 

AGUARDA

O prefeito de Estância, Ivan Leite (PSDB), torce para que a decisão do diretório estadual do seu partido siga a tendência da Direção Nacional.

Ivan disse que torce para que o PSDB e PFL em Sergipe façam uma aliança para as próximas eleições, “porque essa é a solução natural”.

 

ANÁLISE

Caso não haja possibilidade de aliança entre PFL e PSDB, o prefeito Ivan Leite diz que precisa fazer uma análise da situação política dentro de outra estrutura.

Diz que vai averiguar candidatura majoritária, como o partido ficará e tomar uma decisão que seja boa principalmente para Estância.

 

Notas

 

ELEIÇÕES-1

A CCJ do Senado Federal aprovou dois projetos de lei que implementam significativas alterações na legislação eleitoral. O primeiro diz respeito à inelegibilidade de candidatos condenados na Justiça Eleitoral. O segundo adota regras mais rigorosas para a prestação de contas das campanhas eleitorais.
O Projeto de Lei 390/05 declara inelegíveis, para qualquer cargo, os candidatos que tiverem contra si representação julgada pela Justiça Eleitoral, depois de superadas todas as instâncias, sem caber recurso.

 

ELEIÇÕES-2
Entre os crimes que poderão resultar em inelegibilidade, a Comissão aprovou, em nova redação, a inclusão da lavagem de dinheiro, o ato doloso de improbidade administrativa, os crimes contra a ordem tributária ou qualquer outro crime a que a lei atribua pena máxima não inferior a dez anos.
O senador Sibá Machado (PT-AC), que teve seu voto em separado com cinco emendas rejeitado, afirmou que a nova legislação é rigorosa demais, porque acaba com a possibilidade de recurso para as instâncias máximas.
 
CONTAS
A CCJ também aprovou o PL 391/05, em caráter terminativo, que torna mais rigorosa a prestação de contas dos candidatos, estabelecendo que tanto o julgamento das contas dos eleitos, como a divulgação de seu resultado, devem ocorrer antes da posse. Antes a prestação era feito depois.
Além disso, o processo de prestação de contas poderá ser reaberto a qualquer tempo se surgirem novas informações, desde que a pedido do Ministério Público, de partido político ou do próprio candidato.

 

É fogo

 

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) esteve em São Paulo para exames de rotina. Chega a Aracaju hoje, onde passa o carnaval.

 

O ex-deputado Nelson Araújo (PMDB) fez uma cirurgia no hospital Santo André, em Salvado. Passa bem e já está em sua casa em Areia Branca.

 

O presidente do PV de Aracaju e secretário nacional de finanças da legenda, Reynaldo Nunes, participou de reunião da Executiva Nacional.

 

Se você receber qualquer tipo de intimação do STF por e-mail não se assuste e nem abra. Trata-se de um virus que apaga todos os programas do seu computador.

 

Se você um e-mail dizendo que está prestes a ganhar passagens para a Copa do Mundo, não se anime. Também é um virus que destroi seu computador.

 

Não ande falando ao celular na rua, de forma distraída. Você poderá ser atacado por um marginal para levar o aparelho.

 

Pirambu começou o carnaval bem mais cedo. Ontem foi a abertura do período momesco. Agora os trios só param na quarta-feira.

 

Em Neópolis o carnaval começa hoje e a abertura é com o bloco do Zé Pereira. O carnaval é puxado à base do frevo pernambucano.

 

O deputado Jorge Araújo (PSDB) não se cansa de cobrar o funcionamento da balsa em Terra Caída (Indiaroba) para aumentar o fluxo turístico.

 

A vereadora Tânia Soares (PCdoB) tem projeto para reduzir o prazo do recesso parlamentar na Câmara Municipal.

 

O vereador Fábio Henrique (PDT) tem trabalhado muito em sua campanha a deputado estadual. Pode ser um dos mais votados.

 

Os bancos subiram em 0,3 ponto percentual a taxa média de juros cobrada sobre cheque especial para pessoa física em janeiro.

 

brayner@infonet.com.br  

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais