Bem vindos, cubanos

0

Os médicos cubanos que chegaram ontem em Sergipe foram recebidos calorosamente por representantes sindicais e populares, que foram ao aeroporto de Aracaju agradecê-los por terem escolhido o estado para atuar. Esta simpática reação tem sido vista em todo o país, numa demonstração que a maioria dos brasileiros apóia o Programa Mais Médico do governo federal. É claro que os profissionais de saúde são contra a vinda dos colegas estrangeiros, mas esta posição está mais ligada à reserva de mercado do que a preocupação com a saúde da população. Ao povo, resta continuar cobrando melhorias na saúde pública, pois o Programa Mais Médicos sozinho não vai resolver a grave crise do setor. Se todos se acomodarem com essa medida apenas, o governo deixará tudo como está para ver como é que fica.

Despedida

Em Aracaju para uma pausa do tratamento contra o câncer que faz em São Paulo, o governador licenciado Marcelo Déda (PT) lamentou pelo twitter a morte do ex-ministro e petista Luiz Gushiken, ocorrida semana passada. “Foi Constituinte, deputado federal, presidente do PT e ministro. Inteligência privilegiada que combinava com humanismo e espiritualidade. Adeus, velho "China", que Deus te acolha!”.

Explicando

O prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), nega que trabalha pela privatização do Banese. Segundo ele, a decisão de fazer licitação visando escolher um banco para operacionalizar a folha do pessoal da Prefeitura é meramente econômica. Reunido sábado passado com os vereadores, o demista disse que o Banese detém hoje 60% da folha do município, pois com a portabilidade muitos servidores preferiram trabalhar com outros bancos.

Reunião

Preocupada com a possibilidade de perder 12 mil clientes, a presidente do Banese, Vera Lúcia, se reúne hoje com o prefeito João Alves Filho. Vai tentar convencê-lo a desistir da idéia de ‘vender’ a operacionalização da folha de pessoal da Prefeitura para outro banco. Pelo que já declarou o prefeito, dificilmente Vera conseguirá fazê-lo voltar atrás.

Com as bases

A secretária da saúde de Aracaju, deputada estadual Goretti Reis (DEM), tem aproveitado os finais de semana para se relacionar com o eleitorado. Sábado e ontem ela cumpriu extensa programação em Paripiranga (BA), Lagarto e Salgado. A demista sabe que se esquecer as bases eleitorais e ficar preocupada apenas com os graves problemas da saúde aracajuana terá sérios problemas para se reeleger.

Atrás de grana

O governador Jackson Barreto (PMDB) segue hoje à Brasília onde tentará liberar recursos para Sergipe. Na agenda do peemedebistas constam audiências nos Ministérios do Desenvolvimento Agrário; Integração; Justiça; Educação e Vice-Presidência da República. No Ministério da Educação, Jackson tratará sobre a viabilização da implantação de um campus da Universidade Federal de Sergipe no semiárido.

Triste futebol

Começou ontem com apenas quatro times o Campeonato Sergipano da 2ª divisão de futebol. Curitiba e Amadense empataram sem abertura de placar, enquanto o Canindé derrotou o Maruinense por 3 a 1. Com cara de torneio, a competição vai classificar dois dos quatro participantes para a 1ª divisão.

Bipolar

O transtorno bipolar, uma doença sem cura, mas com tratamento e controle, atinge 4% da população. O censo feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar, em 60% dos casos a doença se manifesta antes dos 20 anos de idade. Na infância, os sintomas mais comuns são a distorção do humor e o avanço precoce da sexualidade.

Acessibilidade

Acontece hoje em Aracaju o Seminário sobre Acessibilidade promovido pelo vereador Lucas Aribé (PSB). Entre os palestrantes, o jornalista paulista Marcos de Sousa e o superintendente da SMTT, Nelson Felipe. O evento, marcado para daqui a pouco na Sociedade Semear, vai tratar sobre as barreiras arquitetônicas e sociais de Aracaju. Prestigie!

Do baú político

Em plena ditadura militar, a Assembleia Legislativa tinha um contrato com a rádio Liberdade/AM para transmitir ao vivo as sessões plenárias. A audiência era grande, principalmente no interior, porém, a depender do discurso, a transmissão era interrompida sem qualquer aviso. Uma dessas interrupções ocorreu no dia 15 de agosto de 1973, porque o deputado estadual Antônio Carlos Valadares (Arena) fazia um duro pronunciamento contra o governo de Paulo Barreto de Menezes (Arena). Um repórter da Gazeta de Sergipe procurou o deputado estadual Heráclito Rollemberg (Arena), que presidia a sessão, para saber o motivo de a rádio ter interrompido a transmissão, e recebeu uma lacônica resposta: “Não vou pagar horas extras à emissora para um deputado de Simão Dias ficar na tribuna atacando o governo”. Durante a ditadura, quem podia mandava e quem tinha juízo obedecia.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários