Bloco da Prevenção 2013

0

Ficamos felizes quando observamos, no Bloco da Prevenção, pessoas que dificilmente teriam acesso aos blocos oficiais do Pré-Caju: pessoas cadeirantes se divertindo, pessoas que vivem com HIV/AIDS de baixo poder aquisitivo e vários colegas funcionários públicos do estado e dos municípios. Um fato nos chama atenção: estão participando do bloco – o pai, a mãe, o filho, crianças, o neto, o genro, a nora, o avô e avó. Todos estão se divertindo na avenida e ouvindo mensagens de prevenção. Este ano, o kit do bloco trouxe mensagens sobre violência sexual, DST/AIDS e um grande problema de saúde pública que é o crack.
A ideia do bloco surgiu,  de uma brincadeira: ganhamos 50 camisas da TV Sergipe, reunimos alguns colegas da Secretaria de Saúde que trabalhavam com DST/AIDS e voluntários, compramos uma cordinha no mercado e seguimos atrás do Bloco NANA BANANA. Inicialmente fomos barrados na avenida, mas, depois do contato com a ASBT, fomos liberados a seguir. No segundo ano, o amigo Fabiano Oliveira nos cedeu um mini trio puxado manualmente e acompanhado por 150 pessoas. Naquele momento, somente existiam os blocos oficiais. A partir dai foram criados os blocos alternativos. O bloco da Prevenção já desfilou com 5.000 pessoas, chegando a ser maior do que os blocos oficiais. Em 2.013 desfilamos com 4.000 foliões.
OS OBJETIVOS DO BLOCO
Além do aspecto da alegria e diversão, o bloco abre o pré-caju com mensagens de prevenção e cidadania. O camisildo, único veículo do mundo, em forma de preservativo é a grande marca do bloco.  O bloco mostra que estamos vencendo o preconceito com relação à AIDS e também com relação às pessoas com necessidades especiais. Arrecadar alimentos para as pessoas vivendo com HIV/AIDS que vivem em situação de pobreza é outro objetivo do bloco. As casas de apoio que assistem pessoas recebem ajuda. Foram obtidos três toneladas de alimentos (arroz, feijão e leite em pó). A participação dos cadeirantes é outra marca do bloco. No trenzinho, vão idosas, crianças e pessoas que estão com dificuldade de locomoção.
A IDEIA DO BLOCO SE ESPALHOU NACIONALMENTE
Apresentamos a ideia do bloco em um Congresso de Prevenção no Rio de Janeiro. Inicialmente, o camisildo foi premiado nacionalmente num Congresso Sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Ganhamos o Prêmio “Criatividade na Prevenção", o que nos deu o direito de participarmos de um Congresso Sobre AIDS no México. A ideia do bloco se espelhou pelo Brasil. Com nomes como “Bloco do Prazer”, “Bloco da Camisinha” e o próprio nome “Bloco da Prevenção”, vários programas de DST/AIDS de capitais e municípios utilizam a ideia de Sergipe para divulgar a prevenção durante o carnaval.
QUEM AJUDA E QUEM ATRAPALHA
Durante os 21 anos do Bloco da Prevenção, tivemos grandes ajudas e também vários obstáculos. Destacamos em 2.013 o grande apoio da Secretária de Estado da Saúde, a Dra. Joélia Silva Santos, e das equipes da ASCOM da SES e da SECOM do Governo do Estado, funcionários da FUNESA e da equipe da Gerência de DST/AIDS. Tivemos parceiros importantes: FUNESA, Ministério da Saúde, Banese Card, Petrobrás, SESC e ASBT. Outras secretarias e setores governamentais enviaram representantes para o bloco, como a de Direitos Humanos e de Políticas Públicas para Mulheres e as fundações. A Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju apoiou na instalação do Ponto da Prevenção na Avenida e na realização dos testes rápidos para o diagnóstico do HIV e Sífilis, dois dias antes da saída do bloco. Desde o início da criação do bloco tivemos momentos de dificuldades. As negativas de ajuda de algumas grandes empresas privadas e as tentativas de mudança nos objetivos do bloco por alguns gestores, sempre foram grandes desafios. O Bloco da Prevenção não pode perder a sua característica: alegria, inclusão social, prevenção e solidariedade.
MUITO OBRIGADO A TODOS E ATÉ O PRÉ-CAJU 2.014!

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários