Boca torta

0

Ao afirmar que só aparece em desvantagem nas pesquisas pagas pelos adversários, o candidato a governador João Alves Filho (DEM) chama de vendidos os Institutos Ibope e Dataform. Trata-se de uma acusação muito séria e que merece ser apurada pela Justiça Eleitoral, pois não se pode permitir manipulação de informações para beneficiar esse ou aquele candidato. A pergunta que se faz é: por que o Ibope iria se vender justo em Sergipe, se não o fez em estados maiores como São Paulo e Minas Gerais? Seria uma burrice medonha para um instituto que pesquisa a sucessão presidencial se vender num reduto eleitoral tão pequeno quanto o nosso. Mas em se tratando do demista, não surpreende a despropositada acusação, pois esta é uma entre tantas outras feitas por ele quando lhe faltam argumentos lógicos. Foi assim no episódio em que chamou de malandros servidores públicos federais, ou quando disse que o presidente Lula (PT) mandou envolvê-lo no escabroso processo da Operação Navalha. Como diz o adágio popular, o uso do cachimbo põe a boca torta.

 

Soma errada

 

O deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) perdeu ontem uma grande oportunidade para ficar calado. Na tentativa de desmoralizar as pesquisas, o pepista denunciou que a soma dos percentuais chegavam a 101%. Com seu jeito irônico, Fonseca pediu ao deputado Wanderlê (PMDB) que justificasse o que achava uma disparidade. Atendido ao apelo, o peemedebista explicou que, na verdade, a soma dava 100,1%, portanto diferente dos 101% enxergados por Venâncio, e que não altera a vantagem de 16% que Déda tem para João Alves.

 

Com internautas

 

O candidato a vice-governador Jackson Barreto (PMDB) se reúne hoje com internautas para discutir ações visando mobilizar ainda mais a campanha do governador Marcelo Déda (PT). Será às 14h30, na sede do PMDB. A idéia de Jackson é ampliar a utilização da internet pelos simpatizantes da campanha petista. O próprio candidato a vice é um usuário do twitter. Ontem mesmo, ele travou uma baita discussão com o jornalista Diógenes Brayner.

 

Vem a Sergipe

 

Mesmo tendo decidido reduzir o número de viagens ao Norte e Nordeste, a presidenciável Dilma Rousseff (PT) confirmou que vem a Sergipe antes das eleições. Segundo a Agência Estado, “a presidenciável visitará o Estado, que é o berço político do presidente do PT, Zé Eduardo Dutra. O dirigente petista quer prestigiar o governador Marcelo Déda, que tenta de reeleger ao governo ainda no primeiro turno”.

 

Debate na Aperipê

 

O papel dos meios de comunicação na política é o tema do Aperipê Debate, que vai ao ar às 19h30 de hoje na Aperipê TV. Os convidados da vez são Anderson Ribeiro, editor da TV Brasil de Brasília; Fernando Lins, antropólogo e sociólogo; Cláudio Nunes, jornalista do Portal Infonet; e Carolina Westrup, publicitária e coordenadora da Agência Intervozes. A mediação fica por conta do apresentador Euler Ferreira. O objetivo do debate é ajudar o eleitor a escolher melhor os seus candidatos e a refletir sobre o processo eleitoral como um todo.

 

Déda na Ademi

 

Empresários sócios da Associação dos Dirigentes de Empresas da Indústria Imobiliária de Sergipe (Ademi/SE) almoçam hoje com o governador Marcelo Déda (PT). Durante o encontro, que acontecerá no Celi Praia Hotel, o petista vai explicar porque pretende ser reeleito e apresentar seus compromissos para o setor imobiliário sergipano. Segundo o presidente da Ademi/SE, Júlio César Silveira, durante a reunião-almoço os empresários também terão oportunidade de apresentar sugestões ao candidato.

 

Comitê de Plínio

 

O Comitê Sergipe com Plínio será lançado amanhã à noite no auditório do Sindicato dos Bancários. Segundo seus organizadores, trata-se de um fórum suprapartidário com o objetivo de articular no Estado a candidatura presidencial de Plínio de Arruda Sampaio (PSOL). A mesa de abertura contará com a presença do ex-vereador de Aracaju Antônio Góis, o ‘Goizinho’, da professora Sonia Meire, do professor Romero Venâncio e do advogado Maurício Gentil.

 

Jogo pesado

 

É voz corrente no Estado que a disputa para o Senado vai esquentar pra valer na reta final da campanha. Com três candidatos praticamente embolados, segundo as pesquisas, todo apoio será fundamental. Valadares (PSB), Albano Franco (PSDB) e Eduardo Amorim (PSC) sabem que qualquer vacilo pode significar a derrota e, como políticos experientes, tentarão minar os redutos adversários para se garantir entre as duas vagas em disputa. Um pouco atrás, o demista José Carlos Machado aposta todas as fichas no candidato a governador João Alves Filho. Não duvidem, essa é uma briga de cachorro grande.

 

Tropas federais

 

Poço Redondo e Canindé do São Francisco poderão ter tropas federais no dia da eleição. Pedido nesse sentido foi formulado pelos representantes do Judiciário ao Tribunal Regional Eleitoral. O argumento é que existe um forte histórico de violência nos dois municípios e que as tropas federais podem garantir a tranqüilidade do eleitor no dia do pleito. O pedido ainda vai ser analisado pelo pleno do TRE.

 

Do Baú político

 

Por muito pouco, o deputado federal Euvaldo Diniz (PSD) não foi o primeiro sergipano a ser preso quando estourou o golpe militar de 1964. Na madrugada do dia 1º de abril, ao saber que o Exército estava de prontidão e que muitos políticos já tinham sido presos em vários estados, o pessedista dirige-se à rádio Difusora e começa a insuflar a população contra o golpe. Por volta das 6h, o comandante do 28º Batalhão de Caçadores, major Francisco Rodrigues da Silveira, telefona para o ainda vice-governador Celso de Carvalho e pede que controle o parlamentar. Ao mesmo tempo, manda um capitão à rádio intimidar o deputado, enquanto desloca-se para o Palácio, onde já estavam os deputados estaduais Djenal Queiroz, Pedro Barreto e todo o secretariado. Nisso, chega Euvaldo cuspindo brasa. “Como é que pode um capitãozinho colocar uma metralhadora na barriga de um deputado federal? Isso é um absurdo, vou denunciar”. Com seu jeito conciliador, Celso de Carvalho pega no braço do parlamentar e, baixinho, pede que se acalme. Ao perceber a gravidade da situação, o experiente Euvaldo se recompõe, começa a dizer que sempre admirou o Exército e convida o comandante para ouvir o discurso que fez, em seguida, na porta do Palácio, enaltecendo Duque de Caxias. Falou para uma platéia diminuta, mas escapou da prisão.

 

Resumo dos jornais

 

Clique aqui para ler os destaques de capa dos principais jornais do Brasil

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários