Cabelo e barba

0

Cabelo e barba

Com a eleição de Dilma Rousseff (PT), o grupo liderado em Sergipe pelo governador Marcelo Déda (PT) fez cabelo e barba nestas eleições. No primeiro turno, o petista derrotou o ex-governador João Alves Filho (DEM), tendo este assumido a coordenação da campanha de José Serra (PSDB) para perder novamente. O demista apostou todas as fichas na vitória do tucano, sonhando em contar com a estrutura de órgãos federais e, conseqüentemente, instalar um governo paralelo em Sergipe. Com a derrota de Serra, João Alves sai destas eleições derrotado duplamente. Vai, portanto, precisar de muito fôlego para sobreviver politicamente, até porque o seu partido definhou em todo o país e caminha a passos largos para a extinção, pois a maioria dos políticos do DEM deverá abandonar o barco antes que ele afunde de vez.

Burros n’água

Outra liderança política que também saiu da refrega eleitoral bastante machucado foi o prefeito de Itabaiana, Luciano Bispo (PMDB). No primeiro turno, ele não conseguiu dar a João Alves Filho a grande margem de votos que prometeu no município, além de quase não reeleger o irmão Arnaldo Bispo (DEM) para a Assembléia. Para piorar as coisas, sua adversária Maria Mendonça (PSB) elegeu-se deputada estadual com folga. A última esperança de Bispo era a vitória de José Serra. A derrota do tucano diminui as chances de reeleição do peemedebista que, por escolha própria, será tratado a pão e água pelo governo do Estado.

Dutra senador

Comentaristas da Globo News disseram ontem à noite o que já se comenta há dias em Sergipe: o presidente do PT, Zé Eduardo Dutra, poderá assumir uma cadeira no Senado para ser o líder do governo. É que, na condição de dirigente nacional do Partido, Dutra não pode assumir um ministério no governo de Dilma Rousseff. A saída, então, será convidar o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) para um ministério visando abrir a vaga no Senado para Zé Eduardo. Aguardemos, portanto!

Azar do Negão

Alguns gaiatos diziam ontem que o ex-governador João Alves Filho azara seus aliados. Segundo eles, no primeiro turno das eleições o deputado federal José Carlos Machado (DEM) cunhou a frase ‘o senador do Negão’ e perdeu feio. Depois, o ex-governador espalhou cartazes pelo estado dizendo que Serra era o ‘presidente do negão’ e o tucano foi derrotado por Dilma. Diante disso, os rapazes gozadores concluíram que ser ‘do Negão” é um mau presságio dos Diabos.

Divisão do bolo

Encerradas as eleições, o governador Marcelo Déda e seus aliados vão poder sentar para dividir o bolo de cargos estaduais e federais no Estado. Mesmo que muitos não concordem, participarão da divisão todos aqueles que contribuíram para a vitória do projeto petista tanto em nível estadual quanto nacionalmente. Os nomes dos escolhidos, contudo, só deverão ser anunciados no finalzinho de dezembro e começo de janeiro. Até lá, a galera vai ter que se contentar com doses de Lexotan para acalmar os nervos.

Pleito silencioso

Diferente do 1º turno, quando a campanha foi barulhenta e no dia do pleito as ruas ficaram cobertas de material de campanha, os sergipanos participaram ontem de uma eleição silenciosa. As pessoas se dirigiram aos locais de votação sem serem importunadas por cabos eleitorais e ninguém fez questão de tornar público o nome do seu candidato. A ausência de 2º turno para o governo estadual, deixou a eleição silenciosa 

Agora é só festa

Terminadas as eleições, o Brasil vai entrar na fase das festas. Agora, todo mundo começa a se preparar para as comemorações do Natal e do Ano Novo, para alegria do setor varejista que espera vender como nunca este ano. De política ninguém quer mais falar, pelo menos até janeiro, quando começarão os entendimentos para as eleições das novas Mesas da Assembléia Legislativa, da Câmara Federal e do Senado.

Custo eleitoral

As eleições deste ano custaram R$ 490 milhões, o que dá uma média de gasto de R$ 3,60 por eleitor. “É um custo relativamente barato para ter democracia funcionando neste grau de eficiência”, avaliou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski. O gasto foi mais de 10% menor que o previsto no orçamento aprovado para o pleito, de R$ 549 milhões.

Comes e bebe

Após sair do hotel onde a presidente eleita fez seu primeiro pronunciamento, o governador Marcelo Déda se dirigiu ao Palácio da Alvorada para comemorar a vitória com o presidente Lula. Por volta da meia noite, Dilma chegou acompanhada de Zé Eduardo Dutra e Antônio Palocci para se encontrar com o presidente, governadores eleitos e dezenas de outros aliados políticos convidados por Lula para o comes e bebe.

Posse no TCE

Será na próxima quinta-feira, a posse de Ulices Andrade como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Para assumir o cargo, ele renuncia o mandato de deputado estadual e entregará a presidência da Assembléia Legislativa à deputada estadual Angélica Guimarães. A solenidade de posse promete ser muito concorrida, como é praxe nos eventos promovidos pelo TCE.

Resumo dos jornais 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais