Calmaria natural

0

Calmaria natural
Ouve-se aqui e ali que a campanha eleitoral está parada, como se isso fosse uma coisa muito séria. Ao contrário do que pensam os neófitos em política, essa aparente calmaria é natural, pois as coligações estão se ajustando, os candidatos preferem o boca a boca com as lideranças, as coordenações estão envolvidas com a confecção do material de propaganda e os advogados debruçados sobre os processos de impugnações que tramitam na Justiça Eleitoral. Ademais, todos sabem que quem coloca a campanha nas ruas tão antecipadamente corre o risco de morrer na praia por falta de munição para o embate final. Portanto, os apressados devem is se acostumando, pois essa marcha lenta dos partidos é normal e deve perdurar até o próximo mês.

Trocando idéias
O presidente da seccional sergipana da OAB, Carlos Augusto Monteiro Nascimento, foi recebido ontem pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Roberto Porto e pela corregedora Geral de Justiça, desembargadora Aparecida Gama. Discutiram, entre outros pontos, sobre as prerrogativas dos advogados e o Projeto de Direcionamento Eletrônico dos Autos Cíveis.

Nó desfeito
O deputado estadual Ulices Andrade (PDT) já pode marcar a data da posse como conselheiro do Tribunal de Contas de Sergipe. Basta apenas o governador Marcelo Déda (PT) cumprir a formalidade de nomeá-lo. Ontem, o desembargador Cezário Siqueira Neto suspendeu a liminar que impedia a nomeação e posse do pedetista no TCE. Andrade vai substituir o conselheiro Antônio Manoel de Carvalho Dantas, que se aposentou compulsoriamente.

Rei do cangaço
H
oje é aniversário da morte de Virgulino Ferreira da Silva, o “Lampião”. Ele foi assassinado, juntamente com Maria Bonita e vários outros cangaceiros, no dia 28 de julho de 1938 na Gruta do Angico, em Poço Redondo, em Sergipe. Desenvolveu-se, depois da sua morte, a falsa noção de que ele era uma espécie de revolucionário marxista, que combatia as injustiças sociais, e que tirava dos ricos para dar aos pobres. Na verdade “Lampião” parece ter sido apenas um bandido comum, capaz das piores atrocidades contra as populações rurais, e que sempre viveu em conluio com latifundiários.

Sem preço
“Seu voto – não venda, não troque, não negocie”. Essa é a mensagem da campanha eleitoral pelo voto consciente que o Ministério Público Federal lança nesta semana. O objetivo é esclarecer à população que comprar e vender voto é crime. Por meio de vídeos, spots, folderes, cartazes e cartilhas, a campanha ensina que, quando o eleitor troca o voto por um favor pessoal, elege um candidato corrupto e prejudica milhões de brasileiros, inclusive sua família. O material audiovisual terá mídia gratuita e será exibido por emissoras de rádio e TV parceiras.

Sem disputa
O prefeito de Socorro, Fábio Henrique (PDT), é candidato único na eleição que escolhe hoje o presidente da Federação das Associações dos Prefeitos de Sergipe. A entidade será criada pouco antes da eleição pelas Associações dos Municípios da Região Centro Sul, e do Vale do Japaratuba. A reunião dos prefeitos vai acontecer às 9hs no Centro Cultural de Socorro. Nem precisa dizer que o assunto principal entre os administradores municipais será a campanha eleitoral.

Grana em jogo
Atenção senhores candidatos, tem uma bolada sendo disputada nesta quarta-feira. Quem ganhar vai poder fazer uma campanha supimpa. A Mega-Sena e a Timemania vão sortear hoje a bagatela de quase R$ 30 milhões. Só a Mega pagará 22 milhões a quem acertar as seis dezenas da faixa principal. Com este prêmio acumulado é possível comprar 900 carros populares ou um prédio inteiro de 22 andares, com 5 apartamentos por pavimento, considerando cada unidade com valor médio de R$ 200 mil.

Prestando contas
Em ano de eleição, os partidos políticos devem apresentar a Justiça Eleitoral balancetes mensais relativos aos quatro meses anteriores e dois posteriores ao pleito. Este ano, 11 partidos ainda não enviaram o primeiro balancete referente ao mês de junho, sendo que o prazo previsto em lei se encerrou no último dia 15. Por isso, a Justiça Eleitoral  encaminhou ofícios a todas as agremiações partidárias exigindo que se manifestem sobre a ausência do balancete mensal. O documento a ser entregue trata-se da relação das contas escrituradas pelos partidos.

Quer votar?
Objetivando incentivar a participação dos eleitores nas próximas eleições, a Justiça Eleitoral disponibilizou em seu portal na internet um simulador de votação. No endereço www.tse.jus.br/internet/eleicoes/simulacao2010.html, o eleitor tem acesso às instruções sobre como votar na urna eletrônica, tanto no candidato, quanto no partido. A página ainda informa sobre a opção do voto em branco. Justamente por ser um simulador, o sistema oferece ao usuário a opção de votar em candidatos de cinco legendas fictícias.

Fogo amigo
Impedido de usar o microfone da FM Ilha, o candidato a deputado estadual Gilmar Carvalho tem usado o site nenoticias para fustigar aliados. A bola da vez é o senador Antônio Carlos Valadares (PSB). Ontem, o site do filho de Gilmar insinuou que a grande maioria dos candidatos a deputado da coligação governista está por aqui com o senador, tudo porque este resolveu apoiar Tânia Soares (PC do B) para a Assembléia. O site publica, inclusive, que dois candidatos a deputado disseram que, nem pedindo de joelhos, Valadares terá os votos deles. Será que um dos contrariados é o próprio Gilmar?

Andar de cima
Sergipe perdeu ontem um grande filho. Aos 81 anos, morreu Hugo Costa, que dedicou grande parte de sua vida à advocacia, ao jornalismo e à boemia. Pena afiada, ele contribuiu muito para a qualidade do nosso jornalismo. Com um estilo próprio, escrevia desde textos contundentes sobre política, a ensaios sobre a música popular brasileira, que adorava e conhecia como poucos. Boêmio, era um bom copo e um excelente papo. Hugo deixa muitas saudades. Que a terra lhe seja leve.

Do baú político
O amigo Said Schoucair lembra um episódio ocorrido nas eleições de 1988. Disputavam a Prefeitura de Aracaju o médico Lauro Maia, o deputado estadual Marcelo Déda e o advogado Wellington Paixão. O primeiro era apoiado pelo governador Antonio Carlos Valadares, pelo ministro do Interior João Alves Filho, pelos Franco e Teixeira. Déda sonhava repetir 86, quando teve uma estrondosa votação para a Assembléia, enquanto Paixão contava com a garra e o prestígio político de Jackson Barreto. Na reta final da campanha, a máquina pública inundou o Batistão de colchões e começou a distribuí-los. Jackson soube e correu para pra lá. Enquanto os eleitores ardiam no sol à espera do “agrado” do bom Lauro, Jackson percorria a enorme fila distribuindo os ‘santinhos’ do seu candidato e dizendo: “Pegue o Colchão e vote em Paixão”. Não deu outra: Paixão foi eleito com 46,51% dos votos, contra 27,07 de Lauro Maia e 6,25% de Déda.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais