Chega de violência

0

A violência segue assustando os sergipanos. A criminalidade faz vítimas em todo o estado, mas sua ação é mais sangrenta na Grande Aracaju, onde matar virou uma rotina para a maioria dos bandidos. As páginas policiais dos jornais e os programas radiofônicos atestam que o crescimento de todas as formas de violência urbana e rural tem sido avassalador. Enquanto o governo dá mostras de inércia no combate à criminalidade, Sergipe se destaca negativamente quanto aos impressionantes índices de violência. Até quando seremos obrigados a conviver com essa situação de horror e medo? O Poder Público precisa agir rapidamente para pôr um fim a este sinistro quadro que assola a população e envergonha a todos nós. Até porque essa incapacidade expõe a fragilidade da nossa política de segurança pública.

Bota fé

A depender de Usiel Rios, presidente do PT aracajuano, o deputado federal Rogério Carvalho será o candidato do grupo governista a prefeito da capital. Segundo o dirigente partidário, o pré-candidato petista é o melhor nome para disputar a vencer as próximas eleições. Além de achá-lo muito competitivo, Usiel entende que Rogério é muito arrojado e tem propostas concretas para administrar a capital.

Aquário vazio

O aquário sergipano ficou vazio com a morte do filho ilustre Zé Peixe, que conhecia como ninguém a nossa perigosa boca da barra. Seu corpo está sendo velado na Capitania dos Portos de Sergipe, onde ele atuou como prático durante 60 anos, devendo o sepultamento acontecer à tarde no cemitério Santa Izabel. O governador Marcelo Déda (PT) e o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PC do B), decretaram luto de três dias pela morte do insubstituível homem do mar.

Está pronto

Entrevistado ontem no “Cabaré de Quinta”, evento organizado por jornalistas, o pré-candidato a prefeito de Aracaju, deputado federal Valadares Filho (PSB), se disse preparado para disputar as eleições e administrar a capital. Seguro nas respostas, o moço disse que sempre teve lado, “mas quero somar com todos que querem o melhor para a nossa cidade”. Valadares se acha capaz de aglutinar todos os partidos governistas em torno de sua candidatura.

Seca na pauta

Enquanto milhares de flagelados nordestinos rezam para que os céus mandem chuva, governadores do Nordeste se reúnem hoje no Recife para discutir medidas visando abrandar o sofrimento dos sertanejos. Na pauta da reunião da Sudene, destacam-se a criação dos Comitês Integrado de Combate à Seca, e de gestão do programa Água para Todos. É tudo conversa mole, pois se comitês como os que serão criados agora servissem para alguma coisa a região não estava vivendo tamanho flagelo.

PSOL reunido

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) abre hoje à noite o congresso no município de Aracaju visando discutir a política de ação para as eleições deste ano e eleger a sua nova direção. O evento de abertura está marcado para as 19h, no auditório do Sindprev, localizado na Rua Vila Cristina, nº 222, bairro São José. O pré-candidato do PSOL a prefeito de Fortaleza, Renato Roseno, confirmou presença no evento.

Escolha certa

A classe empresarial sergipana ficou satisfeita com a indicação do atual presidente do Banese, Saumíneo Nascimento, para a Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico. Segundo o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe, Alexandre Porto, o governador Marcelo Déda (PT) acertou ao escolher um técnico de um currículo invejável e com uma relação das melhores com os empresários sergipanos.

Prudente

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Antônio Carlos Valadares (PSB/SE), marcou para quinta-feira próxima a apresentação pelo relator Humberto Costa (PT/PE) da decisão sobre a abertura de processo de cassação do senador Demóstenes Torres. Valadares também considerou "prudente" esperar até o dia 8 de maio para que o Conselho possa agir, caso Demóstenes apresente mais documentos ou decida se defender pessoalmente.

Reserva de vagas

Com a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (STF) de validar as cotas raciais nas universidades, o movimento negro quer se preparar para cobrar a implantação das reservas de vagas. A idéia é procurar fundamentação jurídica para pressionar as universidades. O movimento entende ser impossível fazer política pública sem considerar a especificidade do povo negro. Está certo!

Do baú político

Acostumado a andar trajando apenas uma bermuda, José Martins Ribeiro Nunes, ou simplesmente Zé Peixe, por pouco não deixou de comparecer à inauguração do Parque Aquático do Batistão, que foi batizado com seu apelido pelo então governador João Alves Filho (DEM). Motivo: não aceitava vestir terno e sapatos. Segundo a irmã dele, Rita Peixe, quem o convenceu a botar o “pisante” foi o jornalista carioca Fernando Gabeira, de quem o prático sergipano era muito amigo. “Mas logo que saiu da festa, Zé tirou os sapatos e voltou pra casa descalço”, conta Rita. Outro episódio deste verdadeiro homem do mar aconteceu quando ele guiou até fora da perigosa boca da barra de Sergipe um navio de bandeira russa. Concluído seu trabalho, começou a subir no parapeito da embarcação, numa altura superior a 20 metros, para pular n’água, e retornar nadando a Aracaju. Pensando que o homem queria suicidar, o comandante deu-lhe voz de prisão: “Do meu navio ninguém salta para a morte”, esbravejou. Rindo muito, os marinheiros explicaram que aquele era o costume de Zé Peixe. O russo se convenceu e, após assistir ao fantástico salto, virou um grande admirador do prático da Capitania dos Portos.

Resumo dos jonais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários