Cocó para militares

0

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) armou uma cocó dos diabos para as Forças Armadas. Ao determinar que os quartéis comemorem o tenebroso golpe de 1964, o capitão de pijama colocou os militares numa esparrela: se seguirem a tresloucada ordem, os generais comandantes afrontam a Constituição e serão processados por ato de improbidade administrativa. Profissionais treinados para servir à Pátria e desprovidos do ranço revanchista, certamente os comandantes das três forças vão preferir respeitar a Constituição, ignorando a orientação do soldadinho de chumbo. Mais do que ninguém, eles sabem que ordem absurda não se cumpre. Só Jesus na causa!

Longe do poder

O Tribunal Superior Eleitoral manteve a cassação do prefeito e do vice de Neópolis, respectivamente, doutor Luizinho e José Miguel Lobo, ambos do PR. Os dois foram cassados em setembro passado, sob a acusação de compra de votos. Doutor Luizinho foi acusado de medicar as pessoas gratuitamente em troca de apoio político. O prefeito cassado foi substituído pelo vereador Célio Lemos (PR).

Desgoverno

O governo Bolsonaro ainda não disse pra que veio. Entre os que pensam assim está o senador Rogério Carvalho (PT). Ele lembra que são quase três meses de gestão do capitão de pijama e ninguém viu qualquer proposta concreta para aquecer a economia. “O que vimos foram cortes e mais cortes de quem mais precisa”, reclama. O petista afirma que, diante de tamanho marasmo, não se pode admitir uma reforma da Previdência tão cruel quanto a proposta pelo governo. Vixe!

De olho em Noventa

Acusado de comprar votos e lavar dinheiro, o deputado federal Valdevan Noventa (PSC) pode voltar a usar tornozeleira eletrônica. Em recurso à Justiça, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pede que, além de usar o adereço na canela, Noventa informe mensalmente suas atividades ao Juízo e não fale com as testemunhas do processo. Cruzes!

Mãos ao alto

A delegada Danielle Garcia vai trabalhar no Ministério da Justiça e Cidadania. A policial sergipana atuará no Departamento de Recuperação de Ativos, chefiado pela delegada Erika Marena, ex-superintendente da Polícia Federal em Sergipe. Atual delegada da Barra dos Coqueiros, Danielle possui larga experiência em investigar lavagem de dinheiro. Crendeuspai!

Fogo a sangue

Não chamem para o mesmo rega bofe os vereadores aracajuanos Nitinho (PSD) e cabo Amintas (PTB). Com os dois no mesmo recinto pode sair safanões pra todos os lados. O militar acusa Nitinho de apunhalá-lo pelas costas. Em discurso na Câmara, Amintas lembrou ao adversário já ter mostrado que não recua, “a não ser para pegar impulso”. Misericórdia!

De rosca

Não foi dessa vez que a bancada federal de Sergipe decidiu sobre indicações de apadrinhados para cargos federais no estado. Na reunião de ontem, no gabinete da senadora Maria do Carmo (DEM), os parlamentares preferiram dar tempo ao tempo. A maioria não quer fazer indicações, pois se o fizer terá que votar cegamente nos projetos do governo Bolsonaro. E parte da bancada sergipana pretende votar contra a famigerada reforma da Previdência. Marminino!

Incompetência oficial

Por pura incompetência, o governo de Sergipe vai perder um bom dinheiro. Liminarmente, a Justiça suspendeu os reajustes do ICMS e do Imposto de Transmissão de Causas Mortis e Doação. A suspensão ocorreu porque o governo não publicou a majoração em tempo hábil. Para cobrar os reajustes agora em 2019, eles deveriam ter sido publicados até o final de 2018, porém o Diário Oficial só os publicou no dia 7 de janeiro deste ano. E durma com um barulho desses!

Socooooorro!

Sergipe registra dois novos casos de tuberculose todos os dias. Segundo o médico sanitarista Antônio Samarone, a doença mata por ano 40 pessoas no estado, sendo que Aracaju lidera o número de óbitos. A tuberculose tem relação direta com a pobreza e a exclusão social. Entre os novos casos, 10,4% são presidiários, 8,7% pessoas com HIV, 2,5% população de rua e 1% indígenas. Ó Céus!

Passos de cágado

Em discurso na Câmara, o deputado federal Fábio Henrique (PDT) condenou a demora para se concluir a duplicação da BR-101 em Sergipe. O pedetista lembrou que a obra começou em 1995 e não se sabe quando será concluída. O deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) é outro preocupado com a lentidão dessa obra. Ele revela que este atraso impacta Sergipe negativamente, complica o desenvolvimento, compromete o turismo e causa insegurança aos sergipanos. Cruz, credo!

Recorte de jornal

Publicado no laranjeirense O Horizonte, em 5 de fevereiro de 1886

Resumo dos jornais

 

Comentários