Corda no pescoço

0

É bom o sergipano que precisa do serviço público ir se preparando, pois devem estourar várias greves de servidores estaduais nos próximos dias. Hoje, os professores se reúnem para decidir se cruzam os braços contra a insistência do governo em não pagar o piso salarial da categoria. Com os salários achatados e sem uma promessa de reajuste, os trabalhadores da administração direta também articulam uma paralisação por tempo indeterminado. Enquanto isso, o governo repete a cantilena que não tem recursos para conceder aumento salarial, como se o servidor fosse culpado pelo mau gerenciamento da máquina e a incompetência de aumentar a arrecadação. Com a corda no pescoço há anos e sem esperança de ter suas reivindicações atendidas, não resta mesmo outra alternativa aos funcionários públicos, mesmo estes sabendo que a greve pune bem mais a sociedade do que o gestor que os espezinha.

Obras proibidas

O pretendido aterro do rio Sergipe só poderá ser executado após a realização dos estudos ambientais solicitados pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema). Assim mesmo se não ficar caracterizado que haverá danos ao meio ambiente. Foi o que determinou ontem o juiz de Direito (substituto) Eduardo Portela. Em resposta a recurso da Prefeitura de Aracaju, o magistrado decidiu que no local só podem ser feitas obras emergenciais para proteger a balaustrada, mas nada que afete o leito do rio.

Estranho

Diferente do que determinou a juíza de Direito Simone Fraga, a Prefeitura de Aracaju não interditou a avenida Beira Mar a partir do semáforo da avenida Anízio Azevedo, na praia Treze de Julho. Preferiu bloquear a via quase 100 metros além do ponto determinado pela magistrada. Será que para os técnicos da Prefeitura aquele pedaço da avenida não corre risco de desabamento? E a Justiça está sabendo disso?

Cobrança

Os secretários estaduais precisam vender melhor o peixe, divulgar o que está sendo feito. É o que sugere o secretário chefe da Casa Civil, Sílvio Santos. Segundo ele, o governo não está parado como dizem, o problema é que as ações precisam ser mais bem divulgadas. No entendimento de Sílvio, as assessorias de imprensa fazem sua parte, mas a tarefa de divulgar e defender o governo é do secretário. Então tá!

Final feliz

Finalmente hoje os deputados estaduais devem votar o pedido do governo de Sergipe para contrair empréstimo de R$ 567 milhões junto à União. A expectativa é que a matéria seja aprovada por unanimidade, pois todas as modificações propostas pela oposição foram atendidas pelo governo. Portanto, o último capítulo do Proinveste deve ter um final feliz como acontece em toda novela pastelão.

Contra reajuste

Estudantes aracajuanos promovem hoje à tarde mais uma manifestação contra o projeto do prefeito João Alves Filho (DEM) aumentando a tarifa de ônibus dos atuais R$ 2,25 para R$ 2,43. Com a participação do Movimento ‘Não Pago’, o ato de protesto começa na praça do Colégio Atheneu e segue até a Câmara Municipal, onde tramita o projeto de reajuste. O blog aposta uma mariola como os vereadores não vão contrariar o prefeito e os empresários do setor.

Dívida

Juntas, as empresas de ônibus que atuam em Sergipe devem cerca de R$ 600 milhões em impostos não pagos à União. A denúncia é do jornalista Delano Mendes, publicada no site 247. A matéria mostra que os devedores se aproveitam da lei que permite o parcelamento de dívidas, renegociam os débitos, conseguem certidões negativas, mas logo deixam de honrar o acordo. Pior é que usam as dívidas fiscais para influenciar o preço da tarifa de ônibus na capital.

Pisou na bola

A Câmara Municipal de Simão Dias pisou na bola ao aprovar uma moção de repúdio contra a Polícia Militar, que tem apreendido motos e carros irregulares. O autor da bobagem, vereador Jogeval Silva Santana, alega que os donos dos veículos apreendidos não têm dinheiro para regularizá-los e muitos não conseguem tirar a habilitação. Então vamos acabar logo com o Código Nacional de Trânsito. Simples assim, né, seu Jogeval?

Tragédia

E quem anda preocupado com o consumo de crack pela juventude é o deputado estadual Antônio Santos (PSC). Segundo ele, a droga está provocando uma tragédia no interior sergipano. “Em Tobias Barreto, na divisa com a Bahia, as famílias não sabem o que fazer para proteger os filhos desse flagelo, pois não existem centros de acolhimento para receber e tratar os dependentes químicos”. Uma lástima!

Homenagem

A Assembleia Legislativa concedeu a Medalha da Ordem do Mérito Parlamentar ao ex-vereador de Aracaju Marcélio Bonfim. Foi durante sessão realizada ontem e prestigiada por políticos, amigos e familiares do homenageado. Marcélio aproveitou para pedir ao vice-governador Jackson Barreto (PMDB) que o estado crie a Comissão da Verdade em Sergipe: “O que aconteceu durante o golpe militar de 64 não pode ser esquecido. Não podemos anistiar torturadores”, discursou. Está certíssimo, camarada!

Do baú político

O rompimento político ocorrido em 1985 entre a família Franco e o então governador João Alves Filho (PFL) sobrou de imediato para a diretora da Legião Brasileira de Assistência (LBA) em Sergipe, Leonor Franco, esposa do senador à época Albano Franco (PDS). Unido a Jackson Barreto (PMDB), o pefelista moveu paus e pedras para exonerar Leonor. No livro ‘História Política de Sergipe’, o professor Ariosvaldo Figueiredo conta que, em telegrama ao presidente da República, José Sarney, o peemedebista e candidato a prefeito de Aracaju reclamou que “a Nova República estivesse mantendo em cargos chaves pessoas que serviram ao governo repressor”. Numa viagem de Sarney ao exterior, o presidente em exercício Ulisses Guimarães (PMDB) exonerou Leonor. O Jornal O Globo diz que foi vingança contra o ex-governador Augusto Franco (PDS), que teria pedido ao ex-presidente João Figueiredo a exoneração do diretor da Caixa Econômica, Jorge Murad, genro de Sarney. A família Franco ficou ainda mais irritada porque a substituta de Leonor na LBA foi justamente a primeira dama de Sergipe, Maria do Carmo Alves.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais