CPI da Pistolagem

0

Já por mais de duas vezes esta coluna tem ousado em denunciar que o crime organizado – de qualquer espécie – sempre tem por trás figurões da elite dominante dos municípios, dos Estados e do país. O tráfico de droga, o contrabando, a pistolagem, os seqüestros, os assaltos a caminhões de cargas, a corrupção e os grupos de extermínio, têm sempre por trás personalidades importantes do mundo vip, que engorda as crônicas sociais, que decide as leis, que as faz cumprir e políticos, empresários, industriais, comerciantes. Enfim, personagens que influenciam na vida do cidadão comum. Ninguém imagine que o tráfico de droga está nos morros ou nas favelas, que os pistoleiros, exterminadores ou ladrões de cargas, não têm por trás quem assegure o capital permanente, para pagar os seus trabalhos sujos ou comprar os produtos dos seus furtos. O Congresso Nacional começou a investigar os grupos de extermínio no Nordeste, que é uma das bandas do crime organizado. Certamente vai mexer num vespeiro, pois geralmente esses grupos são integrados por policiais civis ou militares, agentes penitenciários, que agem a mando de empresários, fazendeiros e políticos envolvidos com a lavagem de dinheiro e conflitos agrários. Há ainda a conivência e a participação de membros do Ministério Público e dos poderes judiciais estaduais, como bem disseram as jornalistas Andreza Matais e Raquel Ribeiro, da Agência Nordeste, na abertura de uma entrevista com o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito, deputado Federal Luiz Couto (PT-PB). Os documentos, que já estão em poder da CPI, demonstram que há ligação dos grupos de extermínio e a lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas. Os grupos contam com o apoio, a conivência e a cumplicidade de delegados, políticos, membros do primeiro escalão da administração pública, promotores e juizes, compondo uma vasta rede criminosa. Nas áreas rurais agem as milícias privadas, ligadas aos grandes proprietários de terra. As conseqüências da pouca ação do poder público para conter o avanço dos grupos de extermínio é que, em muitas cidades do interior do Nordeste, as pessoas estão vivendo numa situação de medo e total insegurança, chegando muitas vezes ao pânico generalizado. A Câmara dos Deputados, que está com uma CPI sobre este assunto, não pode imaginar que está virgem em relação a parlamentares que integram todo esse outro lado de um poder marginal que se instalou no país. Devem também existir advogados, jornalistas, profissionais vinculados aos setores mais próximo das necessidades sociais, que integram essa bem montada, e melhor estruturada, indústria do crime que se expandiu por todos os recantos de um Brasil, que geralmente ampara quem tem título, diploma e poder. É preciso que se ponha a limpo toda essa organização criminosa, que se utiliza bons quadros para funcionar sem temer os arrobos de um poder sem pudor. O deputado Luiz Couto sugere a criação de uma força-tarefa, com a atuação da Polícia Federal nas áreas de fronteira: “os crimes praticados por homens públicos devem ser federalizados e investigados pelo Ministério Público”, diz ele. O deputado também acha que a Agência de Inteligência Brasileira e a Receita Federal devem ser acionadas porque “uma das formas de atingir esses grupos é impedir a lavagem de dinheiro”. Também há necessidade de evitar que os sobrenomes, as funções e profissões de alguns meliantes sejam motivos para que se passe a mão sobre os crimes que praticam. DOMINGO O governador João Alves Filho reuniu o secretariado, domingo, para discutir as coisas do Estado, “numa agradável manhã de domingo”, com brincou João. Serviu para reforçar o pedido para se apertar o cinto em razão do contingenciamento de recursos decretados pelo Governo Federal. FUNDAÇÃO Os secretários também ouviram os técnicos da Fundação João Cabral, que estão fazendo um diagnóstico da Administração. Não houve apresentação de relatórios, mas uma orientação das prioridades para o Estado, da forma de conduzir cada Pasta, para que no final se tenha uma administração de resultados. VIAGEM O governador João Alves Filho (PFL) cancelou a viagem que faria amanhã a Portugal, para contatos com empresários e propostas para investimentos em Sergipe. Razão: João vai para Brasília continuar trabalhando, junto aos senadores, para mudanças na reforma Tributária do Governo, já aprovada pela Câmara Federal. SEMANA João Alves Filho passará, praticamente, toda esta semana em Brasília porque considera que o Nordeste sai perdendo com a reforma Tributária da forma que foi aprovada na Câmara. João vai mostrar que o Fundo Nacional de Desenvolvimento não pode ser administrado pelo Ministério da Fazenda, mas pelos Estados, assim como o FPE. TURISMO O secretário de Turismo, Pedrinho Valadares, e o presidente da Emsetur, Ary Leite, viajaram a Portugal, levando documentário sobre recantos turísticos de Sergipe. O objetivo também é atrair investidores para o Estado. Pedrinho faria esse trabalho assessorando o governador João Alves Filho, que cancelou a viagem. TUCANATO O deputado federal Bosco Costa, que se mantém acomodado no ninho tucano, declarou que não ingressou no Partido Liberal atendendo a pedido do seu partido. O PSDB considerou que tinha perdido muitos parlamentares, a maioria mudando para o lado do Governo. O ex-governador Albano Franco teve influência na decisão de Bosco. ALMOÇO O ex-governador Albano Franco esteve no Maranhão, semana passada, para participar de inauguração, em São Luiz, da loja de atacados sergipana Pop Show. Trata-se de empresa sergipana… Albano Franco teve um almoço com a ex-governadora do Maranhão, Roseane Sarney, com quem se dá muito bem. ESTÂNCIA O juiz Walter Rabelo Silva nomeou o secretário das Finanças de Estância, José Emílio dos Santos, como presidente da Comissão Administrativa do Município. Levantou as despesas, priorizou os pagamentos, como salários e Fundef. Toda semana qualquer coisa a ser paga, só com a determinação do juiz. ADMINISTRAÇÃO O juiz Walter Rabelo está administrando a cidade, mudando pontos de feira e outras atribuições administrativas, que não é de sua competência. O juiz não tem a legitimidade do povo para administrar nada e isso é um precedente perigoso que a própria Justiça tem que reavaliar. Trata-se de um golpe. FAZENDA O secretário da Fazenda, Max Andrade, foi prestar contas, ontem, aos deputados, do quadrimestre que passou e relatar a questão do Fundo de Participação Estadual (FPE). Max mostrou que o FPE apresentou uma queda de 17% e que, mesmo assim, pagou os salários em dia e cumpriu as metas de gastos administrativos. PREFEITURA O secretário de Turismo, Pedrinho Valadares (PFL) será o candidato à Prefeitura de Aracaju no próximo ano. Isso só não acontecerá se o senador José Almeida Lima (PDT) disser ao governador João Alves Filho que quer disputar o mandato. SITUAÇÃO Segundo uma fonte bem informa, o governador João Alves Filho não vai apoiar nenhum outro nome indicado pelo PDT, que não seja o de Almeida Lima. Como já está praticamente decidido que o senador Almeida Lima não disputará a Prefeitura, é certo que Pedrinho está definido como candidato. EXPLICAÇÃO O governador João Alves Filho só confirmou a entrevista de ontem, à imprensa, por volta das 11 horas. Relatou o que vem fazendo para defender o Estado na questão da reforma Tributária. João Alves Filho garantiu que não haverá problemas de pagamento do 13º Salário. Hoje à tarde o governador retorna à luta em Brasília. Notas MATEMÁTICA Para se eleger vereador em Aracaju, o sujeito, caso queira ficar tranqüilo, terá que obter, no mínimo, 14.635 votos. Se quiser tomar tranqüilizante deve torcer para o partido ou coligação atingir esse número de votos. Nas eleições de 2002 o mínimo de votos foi de 11.551 para o partido ou coligação eleger o primeiro vereador. Mos cálculos de políticos experientes, a coligação liderada por Marcelo Deda, mesmo com ele candidato à reeleição e Lula na Presidência, só conseguirá eleger quatro vereadores para a Câmara Municipal de Aracaju. TRANSPOSIÇÃO O vice-presidente da República, José Alencar, já anunciou que o programa que prevê a transposição do rio São Francisco, custar 6,5 milhões de dólares para o Governo Federal. Alencar afirmou que recebeu resistência ao projeto em vários estados onde fez apresentações, principalmente nos que integram a bacia do rio. José Alencar ontem esteve no Rio Grande do Norte e disse que iria viabilizar o projeto até 2025 ou 2030, tempo suficiente para que outros presidentes assumam e não permitam que esse projeto não saia do papel. MUDANÇAS Os vereadores Jidenal Francisco e Sérgio Góes se transferiram para o Partido Liberal, na esperança de conseguir companheiros que garantam o coeficiente de votos para se reelegerem nas próximas eleições. Dentro do PSDB dificilmente Jidenal e Góes seriam reeleitos se se mantivessem no mesmo partido. Já o professor Kennedy Fonseca, depois de uma conversa séria com o professor e deputado estadual Augusto Bezerra, líder do PMDB na Assembléia Legislativa, decidiu ficar no partido, para disputar a reeleição. É fogo A deputada estadual Susana Azevedo (PPS) disputará a sucessão de Marcelo Deda. Seu vice deverá ser o pastor Virgílio. Susana Azevedo está empolgada e até acha que chega ao segundo turno e ganha do prefeito. Daniel Imbassahy, se a eleição fosse hoje, seria o mais votado do PMDB ou da coligação, que deverá apoiar o candidato a prefeito em Barra dos Coqueiros. Alcivan Menezes, que também disputa a Prefeitura da Barra, está de posse de pesquisa que dá Daniel Imbassahy como um dos mais votados. A coligação PTB, PCdoB, PL e PSB poderá eleger até cinco parlamentares em Aracaju. Está difícil, mas as lideranças apostam que chegam lá. Não deve ser prorrogado o acordo com as montadoras da redução do IPI para veículos automotivos. Depois de novembro tudo volta ao normal. Na maioria dos municípios as eleições municipais praticamente já começaram. Os candidatos já estão se movimentando. O deputado federal Heleno Silva (PL) está animado com o número de filiações que realizou em todo o Estado. O presidente do Diretório estadual do PT do B, Clóvis Silveira, faz suas contas e acha que dá para eleger até três parlamentares em Aracaju. O ex-governador Albano Franco tem procurado segurar, o máximo que pode, seu pessoal no PSDB. O problema é que o pessoal está migrando para outros partidos. O governador João Alves Filho também tem encontrado algum tempo para conversar com lideranças do interior e falar sobre o PFL. Há reclamações em razão da ausência política de João Alves Filho neste momento, mas o pessoal sabe que ele está muito ocupado com as reformas em Brasília. Até o dia 13 próximo os partidos ainda estão fazendo filiação com data retroativa. É só no dia 14 que as atas dos partidos serão entregue no TRE. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários