Crime e baixaria

0

A apreensão de três adolescentes, que distribuíam panfletos apócrifos contra o prefeito de Socorro, Fábio Henrique (PDT), mostra que se a Justiça Eleitoral não agir com rigor a próxima campanha pode descambar para a baixaria. No caso em tela, o mais grave é o fato de o político ter usado menores de idade para a prática do crime eleitoral. Uma atitude torpe que merece a reprovação do eleitorado de Socorro, além de severa punição ao dito cujo. Ao se esconder no anonimato para espalhar calúnias contra seu adversário, o responsável pelos panfletos mostra que está mais para ser votado por um júri popular do que pela população socorrense. Tomara que este crime não fique impune.

Invocada

Não convidem para o mesmo forró os deputados estaduais Francisco Gualberto (PT) e Maria Mendonça (PSB). A parlamentar rodou a baiana depois que o petista fez insinuações com os itabaianenses. “Itabaiana tem gente ordeira, que acorda quatro da manhã para trabalhar duro”, reagiu Maria. Gualberto revidou: “Não esqueça que já fui a sua cidade defendê-la quando os professores queimaram um boneco com o retrato da senhora”. Ulalá!

Esquecido

E o deputado estadual Adelson Barreto (PSB) não esconde a mágoa do partido por não ter sido convidado para o lançamento da pré-candidatura de Valadares Filho (PSB) a prefeito de Aracaju. “Posso ter todos os defeitos, mas nunca vão me acusar de ser ‘penetra’ de festas alheias”, disse um contrariado Barreto. O deputado foi colocado no escanteio desde que não quis participar da prévia do PSB para definir o prefeiturável.

Calendário

Termina sábado próximo o prazo para os partidos políticos realizarem suas convenções para definir coligações e escolher seus candidatos a prefeito, vice e vereador nas Eleições 2012. Feitas as escolhas, os partidos têm até as 19h do dia 5 de julho para apresentar no cartório eleitoral competente o pedido de registro de candidatos. A partir do dia 6 de julho, os candidatos podem começar a fazer propaganda eleitoral.

Sem comercial

Os usuários de telefonia celular poderão cancelar o recebimento de mensagens publicitárias. As empresas deverão enviar a seus clientes até o dia 20 de setembro, uma mensagem de texto informando o que deve ser feito para que as propagandas não sejam mais enviadas. Se o cliente não quiser mais receber a publicidade, deve responder para o número indicado e receberá uma nova mensagem confirmando o cancelamento das propagandas.

Vai às urnas

O sargento Jorge Vieira se afastou ontem da presidência da Associação dos Militares do Estado de Sergipe para disputar uma cadeira de vereador em Aracaju. Foi substituído no comando da entidade pelo sargento Edgard Menezes. Vieira tentará repetir o sucesso eleitoral do capitão Samuel (PSL), eleito deputado estadual nas eleições de 2010 graças à maciça votação dos companheiros de farda.

Não querem

Os professores decidiram abrir mão do reajuste salarial de 6,5% e continuar lutando pelos 22,22% referentes ao reajuste do piso da categoria. Para tentar forçar uma negociação com o governo, o deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) pediu vistas ao projeto. O reajuste de 5,02% para os demais servidores estaduais será votado hoje pelos deputados, mas só começa a ser pago a partir de setembro, e assim mesmo em quatro parcelas, sem juros nem correção. Maldade!

Haja birita

O uso de drogas está acontecendo cada vez mais cedo na vida dos brasileiros. Pesquisa feita pela Associação Brasileira de Alcoolismo e Outras Drogas revela que o uso do álcool e do tabaco começa em torno de 12 anos de idade, em média. Cerca de 12,5% da população são dependentes de álcool. E o consumo entre as mulheres aumentou 55% nos últimos 10 anos.

Farra de CC’s

O Tribunal de Contas do Estado vem fazendo uma farra de cargos comissionados. Pelo menos é isso que pensa a seccional sergipana da OAB. Segundo a entidade, o número de CC’s e servidores requisitados extrapola os limites da razoabilidade e da proporcionalidade em relação aos efetivos. Dos 917 funcionários do TCE, 693 são requisitados, comissionados ou terceirizados (75,3%), e apenas 224 são efetivos (24,7%). Taí mais um péssimo exemplo de um órgão que se diz fiscalizador.

Do baú político

Quando era juiz eleitoral de Boquim, o magistrado Diógenes Barreto proibiu boca de urna e o uso de camisas e bonés com propaganda de candidatos, práticas comuns naquela época. Todas as lideranças políticas foram informadas da decisão e a Polícia orientada para prender quem tentasse desrespeitá-la. Mal começou a votação, o juiz foi informado pelo delegado sobre a prisão de uma liderança sindical. O moço não apenas vestiu uma camisa com propaganda de um candidato, como foi para a porta de uma sessão pedir votos escancaradamente. No meio da tarde, Diógenes pediu que levassem o infrator à sua sala para ouvi-lo e, se fosse o caso, liberá-lo para votar. Ficou surpreso com a explicação do líder sindical, que até agradeceu por ter sido mantido na delegacia até aquela hora: “Doutor, fiz boca de urna porque sabia que seria preso. É que acertei apoiar três candidatos de partidos diferentes. Preso, não tive como ‘trabalhar’, o que significa que nenhum deles vai poder cobrar os votos que prometi e não dei”.

Resumo dos jornais

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais