Cuidando da saúde após o carnaval

0

O carnaval, maior festa popular do Brasil, está acabando. Algumas informações sobre os cuidados com a saúde, são importantes, principalmente para quem se excedeu durante os cinco dias da folia.

O que é a ressaca?
A famosa ressaca é um conjunto de sintomas causado pela intoxicação do álcool no nosso organismo. Cerca de 90% do álcool é absorvido pelo organismo na primeira hora. Já a eliminação leva até oito horas. O álcool é transformado pelo organismo em um produto chamado acetaldeído, um dos grandes agentes responsáveis pela ressaca.

Os sinais são clássicos: a cabeça parece que vai explodir o enjoo, a tontura, a fraqueza e uma sede de matar fazem você desejar nunca ter esvaziado um copo antes. Não é à toa que seu corpo está debilitado. Funciona assim: o organismo gasta glicose para metabolizar o álcool. Glicose é açúcar, açúcar é energia. Resultado: ficamos enfraquecidos. Quem mais trabalha é o fígado, que precisa produzir enzimas para metabolizar o álcool. Quando o trabalho acaba, o fígado entra numa espécie de “depressão”, desorganizando todo o metabolismo.
O excesso de álcool também ataca o sistema nervoso central e provoca sono e irritação; ocasionando dor de cabeça; irrita as mucosas do aparelho digestivo, causando náuseas, vômito e diarreia; e inibe a ação do hormônio antidiurético, levando a sede e boca seca.

As pessoas que misturaram bebidas alcoólicas, a toxidade é proporcional ao número de substâncias que a pessoa ingere. Por isso, quem misturou bebidas deve passar mais mal e se recuperar mais lentamente.

Mitos e Verdades com relação à ressaca
Tomar banho frio deve aliviar a sensação de mal-estar, mas não faz o fígado trabalhar melhor, não ajuda na hidratação, não melhora o nível de açúcar no sangue. Então, não pode ajudar em nenhum sintoma da ressaca.

Exercícios físicos pesados no período da ressaca não são recomendados. O corpo está cansado. Repouso é fundamental para se recuperar de qualquer condição que comprometa sua saúde.

É melhor evitar o consumo de café amargo para diminuir os efeitos da ressaca. Embora melhore o cansaço da ressaca, o café desidrata e, em excesso, pode irritar o estômago.

Medicamentos que prometem acabar com a ressaca não são recomendados, porque também contêm cafeína e são estimulantes. Os medicamentos com aspirina também não são uma boa, já que irritam o estômago e o intestino. Uma superdose  de paracetamol, por exemplo, eleva o risco de danos no fígado. Um alerta importante é sobre a prática ilegal de algumas farmácias que colocam à venda os chamados "kits ressaca". Trata-se de uma embalagem contendo vários medicamentos misturados.  Outro alerta feito é em relação aos produtos que prometem proteger o fígado quando ingeridos no dia seguinte (não trazem nenhum benefício).

Para aqueles que beberam e não se alimentaram corretamente, um alerta importante: quanto menos alimento no organismo mais rápida e mais eficiente será a absorção de álcool, aumentando o mal estar.
Consuma frutas que contenham sais minerais, como banana prata, laranja e maçã, além da água de coco que também possui muitos sais minerais. O suco de frutas com açúcar é um grande aliado para ajudar a combater os sintomas da ressaca. A água é sua melhor amiga no combate à ressaca e ajuda na eliminação do álcool pela urina.

Algumas pessoas querem curar a ressaca, tomando uma dose no dia seguinte. Cuidado: Se isso de fato funcionar é sinal de que a pessoa está se tornando um alcoólatra. Quem cura ressaca bebendo é porque precisa disso para reduzir o mal estar da abstinência, indicando que é dependente do álcool.

Evite o uso do cigarro também no período da ressaca. Álcool e fumo formam uma dobradinha imbatível. Mesmo quem fuma moderadamente aumenta a quantidade de cigarros quando está bebendo. E, quanto mais nicotina, menos oxigênio no sangue. Daí o processo de intoxicação pela bebida alcoólica é mais rápido.

Cuidando da Saúde Sexual
Para quem teve alguma relação sexual sem camisinha, no período do carnaval, é importante tomar uma decisão: trinta dias após, realizar os testes para diagnóstico do HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, incluído as Hepatites Virais B e C. Principalmente, para o HIV, existe a janela imunológica, que é o período onde a pessoa se infectou e o exame não acusa. Quanto mais cedo diagnosticar, mais rapidamente será iniciado o tratamento com os antirretrovirais.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários