Desmoralização para Albano

0

 

    Conversando com vários colegas da imprensa sergipana ontem a grande maioria preferiu não acreditar em algumas notícias veiculadas dando conta de novos encontros entre o ex-governador João Alves Filho (PFL) e o ex-governador Albano Franco (PSDB). Uma coligação entre os dois não seria nada demais, se há uma semana Albano Franco não tivesse convocado a imprensa para anunciar a posição de independência nas eleições estaduais deste ano. Outro ponto, logo após a entrevista de Albano, o governador João Alves demonstrou toda sua insatisfação em algumas entrevistas dizendo que não poderia apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin em Sergipe, já que o “homem mais rico do Estado (Albano) estará ajudando a campanha do candidato petista Marcelo Deda através de uma aliança branca”.

   Alguns tucanos diretamente ligados ao ex-governador estão chateados com as últimas incursões com vistas a uma aproximação com o PFL. A verdade é que se Albano Franco retroceder e resolver ser candidato a deputado federal apoiando a candidatura à reeleição de João Alves Filho vai sofrer fogo cruzado de várias partes, inclusive de aliados tucanos.

   O certo é que o ex-governador deveria imediatamente anunciar pela imprensa que não existe nenhuma conversa com o PFL, para que não possa passar uma imagem dúbia e mais ainda, não passar para o eleitorado que a entrevista coletiva concedida há poucos dias tinha apenas um objetivo: barganhar com o PFL.

   Além de denegrir a imagem dele, o ex-governador Albano Franco pode sofrer também um grande prejuízo eleitoral sendo eleito deputado federal, porém com uma média de 50 mil votos perdendo para o pefelista Mendonça Prado. Seria uma derrota moral. O certo é que depois de anunciar a decisão, Albano Franco não tem outro caminho a não ser honrar a palavra dada naquele momento não só aos seus correligionários de partido, mas a toda sociedade sergipana. Do contrário Albano Franco pode sentir a síndrome Jackson Barreto, que em 1998, largou o lugar de líder das oposições para se unir a ele. Não deu outra o eleitorado rejeitou a postura de Jackson. O efeito Jackson Barreto pode retornar oito anos depois, agora em cima do feiticeiro que fez o veneno em 1998.

  

 

Fisco I

Segundo um servidor do Fisco, as decisões do STJ e do STF confirmaram que a Lei que obrigou os servidores públicos estaduais a contribuir com 3% de suas remunerações para o Fundo de Aposentadoria do Servidor Público Estatutário de Sergipe (Funaserp), era inconstitucional e mesmo assim a Assembléia Legislativa aprovou e quando o governo pediu emprestado recursos pertencentes ao Funaserp, o pedido feria o estatuto do Fundo que não permitia que o dinheiro fosse concedido a título de empréstimo para o governo utilizar em outras finalidades e a bancada de sustentação continuou aprovando.

 

Fisco II

Agora quando o governo é obrigado a devolver o dinheiro arrecadado indevidamente, propõe-se a fazê-lo em parcelas o que pode ser considerado outra falta grave, porque se o dinheiro foi recolhido e estava aplicado como determina o estatuto do Fundo, a devolução deveria ser integral.

 

Graças a Deus

Temeroso com estrago que o deputado federal João Fontes pudesse causar a candidatura à reeleição do atual governador João Alves filho, um membro do PFL revelou que “graças a Deus”, conseguiu convencer Fontes a disputar uma vaga de deputado estadual. Setores da classe política está querendo saber como foi feito esse convencimento. Se é que houve esse convencimento, porque no meu entendimento João Fontes dificilmente desistira de uma candidatura que ele vislumbra vitoriosa como é o caso da disputa para o governo do Estado.

 

PMDB/PSDB

Um maluco anunciava no dia de ontem que o PMDB havia fechado uma aliança com o PSDB e o PTN que apresentaria o nome de Benedito Figueiredo para governador, Rivanda Farias para vice, e considerava que essa aliança poderia eleger dois federais porque além de Albano Franco, Bosco Costa e Laércio Oliveira e Fabiano Oliveira entraria nessa soma os votos de Jorge Alberto. Só faltou anunciar o nome do candidato a senador.

 

Desarrumação

Se for pra valer a decisão de deixar fora do processo eleitoral os ex-administradores que foram condenados pelos tribunais de contas, vai ser uma desarrumação medonha em todas as chapas proporcionais.

 

 

Homenagem I

No próximo dia 8 de julho, às 21 horas, no Iate Clube de Aracaju, o dermatologista Dr. Emerson, será homenageado como “Destaque na Saúde” durante o I Encontro de Filhos de Propriá e Amigos de Aracaju. Além de Dr. Emerson também serão homenageados Seixas Dórea (na Política), o ministro Carlos Ayres Britto (na Justiça), Carlos Magalhães (na imprensa), entre tantos outros nomes.

 

Homenagem II

 Para Dr. Emerson é uma honra ser indicado como “Destaque na Saúde”, dentre os vários médicos filhos de Própria. “Essa honra se reveste de muita responsabilidade quando nós destacamos na história de Propriá nomes como: Geraldo Maia, Dr. Penalva, Dr. Ciro e tantos outros profissionais da medicina”, afirma.

 

 

PSB I

O senador Valadares (PSB) reafirmou ontem a necessidade de envio de tropas federais para acompanhar as eleições estaduais em Sergipe. “Elas servem da maior importância porque quem está acompanhando a política em Sergipe sabe o que está acontecendo”, disse, dando como exemplo a decisão do governador em enviar para a reserva três oficiais.”Foi um ato arbitrário e ofensivo à autonomia e a autoridade da corporação”, entende.

 

PSB II

Valadares avalia que o envio dos três oficiais para a reserva teve o intuito de intimidar os candidatos. “E Sergipe não terá uma eleição tranqüila se não tivermos forças federais”, disse. Sobre a candidatura de Valadares Filho a deputado federal, o senador disse que a mesma é uma realidade incontestável e irreversível já que é uma exigência do PSB por conta da clausula de barreira.

 

Frase do Dia

Quase todos os homens são capazes de suportar adversidades, mas se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder”. Abraham Lincoln.

 

 

 

 

Comentários