Deux Généreaux I.

0

Dois generais, dois heróis, duas personalidades diferentes, duas concepções distintas a serviço de sua pátria: a França.

 

O primeiro, Henri Philippe Benoni Omer Joseph Pétain (1856-1951), renomado como “le vainqueur de Verdun”, o herói e vencedor de Verdun na 1ª Grande Guerra, que se destacara como chefe do exército francês num momento crítico daquela guerra, quando sucessivas derrotas suscitavam a morte, a desolação, e a deserção, em meio a grave crise moral, com desobediência e motins.

Philippe Pétain

Naquele momento de muita desordem, Philippe Pétain fora o homem providencial, aquele que conseguiria amainar a deserção, alentando a esperança no seio da tropa, despertando-a em demanda da vitória.

 

Posteriormente o mesmo herói seria enxovalhado como traidor da pátria, agora numa outra guerra, a segunda, porque assinara o armistício de junho de 1940, retirando a França da frente de batalha e reconhecendo-a derrotada frente a Adolf Hitler.

 

Pétain passaria a ser o símbolo do fracasso, da derrota e da covardia. Ficaria na história pelo seu papel subserviente e colaboracionista ao inimigo alemão, enquanto fundador e Chefe de Estado do regime de Vichy, regime que esmagava a nacionalidade e as liberdades em terras gálias.

 

O segundo herói, Charles André Joseph Pierre-Marie de Gaulle (1890-1970), se destacaria justamente por sua contraposição firme, recusando o armistício assinado por Pétain.

 

Chefiando e criando no exílio a « França Combatente », de Gaulle conseguiria, com liderança firme e obstinada, conduzir o seu país à vitória, reunindo os pedaços de um exército desmoralizado e acomodado com o fracasso, suscitando a reação e a revolta contra o invasor, e terminando por reconstruir a sua pátria aviltada e menosprezada, por inimigos e aliados.

Resistir a inimigos e aliados tem sido o ponto de honra da nação  francesa ao longo dos séculos.

 

Esta noção de honra e de pátria, tão presente entre os franceses, parece-nos, muitas vezes, distante e tola.

Charles de Gaulle

 

Não sei se por fruto da nossa vocação pacífica ou por nosso caráter tolerante, ou ainda por uma certa dose de idolência, não temos na nossa história estes exemplos de sacrifício de luta e de gana.

 

Talvez seja a nossa dimensão territorial, ainda não completamente conquistada e explorada, talvez por causa dos nossos limites geográficos que se compatibilizam sem traumas às fronteiras políticas, ou talvez pela pouca belicosidade de nossa vizinhança, somos um povo a viver sem ameaças e perigos.

 

Diferente, muito diferente do que acontece na França, ou melhor da Europa central, onde sempre aconteceram disputas de natureza política e territorial entre os povos francos e anglo-saxãos. De maneira que rotineiramente se matam entres si ingleses, franceses e alemães, com direito a intervenções maiores entre outros povos, como aconteceu nas guerras napoleônicas, na unificação germânica em 1870 com Bismarck e nas duas últimas Grandes Guerras.

 

Assim, é muito comum a existência de mortos e feridos em gerações de franceses e alemães, sobretudo, porque as guerras surgem como conseqüências de vinganças reprimidas. E as gerações contemplam a sucessão de heróis, como é o caso de Pétain e de Gaulle, cuja formação se fizera nutrida no revanchismo francês, que chorava diariamente a humilhação sentida desde 1870, quando Napoleão III perdera a guerra frente a Bismarck, perdendo também a Alsácia e a Lorena.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários