Dificuldades para reeleger Edvaldo

0

       Depois da redemocratização do país e o retorno das eleições diretas em todos os níveis, o eleitorado de Aracaju vem demonstrando um claro perfil oposicionista ao governo estadual.  Tirando o acordo realizado em 1985 – a primeira eleição direta para prefeito após o fim do regime militar – onde Jackson Barreto foi eleito o prefeito mais votado do país proporcionalmente contando com a ajuda do então governador João Alves Filho (que no ano anterior tinha rompido com os Francos), nas eleições posteriores o governador do Estado não teve a oportunidade de eleger o prefeito da capital. Em 1988, o então governador Valadares apoiou o médico Lauro Maia, que perdeu para Wellington Paixão, na comoção do afastamento de Jackson da prefeitura; em 1992, Jackson Barreto retorna a prefeitura sem o apoio de João Alves, que apoiou Reinaldo Moura; em 1996, o então desconhecido João Gama venceu as eleições para a candidata do governador Albano, Maria do Carmo e para o petista Ismael Silva; em 2000, no primeiro turno Déda venceu vários candidatos, entre eles, Almeida Lima, com o apoio “por debaixo do pano”, de Albano Franco. E a última, em 2004, onde Déda foi reeleito no primeiro turno, contra os minguados candidatos de João Alves.

 Porém, o fato mais interessante de todas estas eleições não é o candidato em si. O leitor atente que dois deles, Paixão e Gama, foram eleitos não pelos nomes e potencial eleitoral, mas pelas circunstâncias do momento político. Ou seja, em Aracaju, as circunstâncias eleitorais muitas vezes estão acima do potencial do candidato a prefeito. A capital vem mostrando historicamente que na eleição municipal sempre tem um componente a mais. É uma eleição especial onde à população muitas vezes pode surpreender como foi no primeiro turno da eleição do ano passado, onde o presidente Lula perdeu para Geraldo Alckmin. Lula que em todas as três eleições disputadas antes tinha vencido na capital. Somente com a vitória de Déda no primeiro turno, Lula conseguiu vencer em Aracaju.

  A eleição do próximo ano tem um componente a mais: pela primeira vez os governos federal, estadual e municipal estarão nas mãos de um mesmo grupo político em Sergipe nas últimas décadas. Além do componente histórico tem também o componente cultural do eleitorado aracajuano que sempre demonstra uma queda pela oposição. Ou seja, a oposição hoje não é mais o PT ou o PCdoB, do prefeito Edvaldo Nogueira. A oposição hoje é o DEM liderado por João Alves Filho, o senador Almeida Lima, em que partido estiver e outras legendas de menor expressão. Juntos podem conquistar a prefeitura de Aracaju, por conta das conveniências do atual processo político sergipano.

  Embora o governador Marcelo Déda deixar claro que deseja votar em Edvaldo Nogueira e as principais lideranças dos partidos da coligação também, caberá ao próprio prefeito de Aracaju viabilizar sua candidatura. Não basta apenas ser fiel ao projeto político liderado pelo atual governador e demonstrar essa fidelidade na administração. É preciso mais. Ninguém sai candidato porque existe a reeleição. Para ser candidato, Edvaldo não precisa apenas convencer as lideranças dos partidos que apóiam o governo estadual, para ser reeleito prefeito a história é bem mais profunda…

 

Política é uma mistura de ciência e arte

Estão espalhando que Almeida Lima foi a New York, ver se consegue um partido por lá, já que ele não tem dado sorte com os daqui. Falar em falta de sorte, esta é a terceira juriti que aplicam no senador sergipano, primeiro foi à rasteira de Albano quando Lima tentava assumir o controle do PSDB. Depois foi a vez de Zé Franco e Wellington Mangueira aplicar-lhe um drible no momento em que Almeida já se apresentava como novo mandatário do PPS e por último foi o virulento golpe desferido por ninguém mais ninguém menos que o seu primo, ex-padrinho político e atual desafeto Jackson Barreto, no momento que Almeida andava apresentando a imprensa sergipana um abaixo assinado produzido por cerca de 20 senadores peemedebistas. Na oportunidade Jackson Decretou: “isso não vale nada assinatura de colega de plenário qualquer um consegue”. E para provar que era verdade o que estava dizendo foi em Brasília e voltou com o PMDB embaixo do braço. Como diria o ex-vereador Rosalvo Alexandre, política é uma mistura de ciência e arte.

 

Jackson reúne lideranças para comemorar 63 anos

O deputado federal, Jackson Barreto (PMDB), reuniu ontem, 06, na residência dele diversas lideranças políticas para comemorar o aniversário de 63 anos em torno de uma feijoada. Além do governador Marcelo Déda, o senador Valadares, deputados, prefeitos vereadores e amigos. O prefeito Edvaldo Nogueira não apareceu porque foi nocauteado pela virose que virou uma epidemia em Aracaju.

 

 

Importância do Plano de Carreira do Fisco

Do leitor Washington dos Santos Barreto: “Não podemos permitir que a gravidade do quadro que se instalou no fisco de Sergipe seja tratado de maneira displicente. Esse estado de letargia é contraproducente e ganha proporções calamitosas a cada dia. A morosidade da administração cria uma sensação de incerteza para todos os envolvidos, o que dificulta a vida em comum. Ninguém convive ou tenta conflitar com os preceitos onstitucionais. Portanto, é imperioso e urgente ir além. O governo não pode se dar ao luxo de deixar o problema cair na inércia da irresolução. As discussões em Assembléias no sindicato têm sido realizadas com a maturidade e a racionalidade necessárias. Para examinar esse debate inadiável, uma proposta de alteração da LC 67 está sendo encaminhada. Aguarda-se, agora, o consenso vigoroso o bastante para impor-se o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, numa oportunidade para examinar com a devida moderação e urgência necessária que teria efeito instantâneo uma vez implantada. Os remédios estão à mão e os responsáveis por sua administração se encontram investidos do poder de fazê-lo”.

 

Cohidro ainda sem definição do acordo coletivo I

Deu no boletim do Sindisan: “Como se não bastasse os diversos problemas enfrentados pelos trabalhadores da Cohidro, com o sucateamento e abandono da empresa ao logo dos últimos anos. Mesmo a direção da empresa se comprometendo a buscar junto ao Crafi ao governador uma posição para sanar o problema do passivo trabalhista dos dissídios de 1999, 2003 e 2004, até hoje não deu resposta. A empresa ficou de na semana passada trazer uma posição, mas ao que parece na esta havendo boa vontade para resolver o problema. Segundo a empresa avalia o passivo gira em torno de são R$ 20,5 milhões, sendo que cerca de R$ 8 milhões corresponde a juros e correção. A empresa alega já ter antecipado o pagamento de aproximadamente R$ 4 milhões”.

 

Cohidro ainda sem definição do acordo coletivo II

Continua a matéria: “O Sindisan cobra da empresa a apresentação dos comprovantes dos valores antecipados e a que título à empresa efetuou essas antecipações. Até agora a empresa também não apresentou. Cobra ainda a incorporação imediata aos salários dos percentuais definidos na justiça: 2003 (16,29%); 2004 (4%) e 1999 (5% mais 2% de aumento real), como forma de definir o período de calculo do efeito retroativo. Vale lembrar que em uma das decisões é previsto a multa diária de R$ 5 mil reais, além dos juros e correção, em função do não cumprimento”.

 

Leitor reclama de cartel no preço do GNV

De um leitor: “É um absurdo o preço do GNV que está sendo cobrado pelos postos de Aracaju  que passou de R$ 1,31 para R$ 1,519. A policia federal também deveria fazer uma investigação sobre os preços do GNV igual à feita na Paraíba (com relação à gasolina), pois em todos os postos que passei (6 no total)  e os que eu procurei saber com colegas todos estavam com o mesmo preço, o que caracteriza cartel”.

 

 

Mais um jornalista assassinado no Brasil

O jornalista Luiz Carlos Barbom Filho, 37 anos, que denunciou o esquema de aliciamento de menores em Porto Ferreira, no interior de São Paulo, foi assassinado a tiros na noite de ontem. Segundo a Globonews, o crime foi em frente a um bar ao lado da rodoviária da cidade.De acordo com a polícia, o jornalista estava em uma mesa na calçada quando dois homens chegaram e atiraram. Alcides Marcílio Catarino, que estava com Barbom foi atingido por estilhaços e levado para o pronto-socorro. Os dois assassinos fugiram.O jornalista denunciou o esquema de aliciamento de menores envolvendo quatro empresários, cinco vereadores e um garçom de Porto Ferreira em agosto de 2003. Na época, eles foram presos acusados de participarem de festas com menores.(Redação Terra).

 

Portas da SSP estão abertas como nunca estiveram antes I

E-mail de Antonio Moraes, Escrivão de Polícia Judiciária: “No dia 04/05/2007, às 06 h, teve início a primeira paralisação de 24 h organizada pela atual diretoria do SINPOL e pelos integrantes do Movimento Operação Padrão. A praça Tobias Barreto, onde se localiza a sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública, foi tomada por uma multidão de policiais civis (Escrivães, Agentes e Agentes Auxiliares) que ordeiramente com panfletos e faixas expuseram para a sociedade sergipana suas demandas junto ao novo governo. A receptividade da população com a causa dos policiais civis da base foi total. Diversas foram as manifestações em favor da melhoria das condições de trabalho e da valorização dos verdadeiros policiais civis que efetivamente “põem a mão na massa”.Sensível àquela pacífica manifestação, como de costume, o secretário Kércio Pinto abriu as portas de seu gabinete e recebeu uma comissão formada pelo núcleo do comando de greve composto de diretores da atual diretoria do sindicato e por líderes do Movimento Operação Padrão”.

 

Portas da SSP estão abertas como nunca estiveram antes II

Prossegue Antônio Moraes: “Pelo secretário foi mostrada uma contraproposta à proposta unificada encaminhada a ele no dia 08/03/2007 em assembléia sindical realizada no auditório da ACADEPOL. Nessa contraproposta, o secretário acena apenas para a possibilidade da incorporação das gratificações ao vencimento básico dos policiais civis da base, sem apontar concretamente para um tratamento diferenciado no tocante a reajuste salarial. Sinaliza ainda para a mudança do requisito escolaridade para fins de investidura no cargo de Agente de Polícia Judiciária, passando de nível médio para nível superior em qualquer área do conhecimento. Esse, no entender da categoria, como sendo o mais importante item dessa contraproposta. Quanto ao correto enquadramento dos Agentes Auxiliares no cargo de Agentes de Polícia Judiciária, o secretário disse que há estudos nesse sentido, mas que prefere amadurecer mais a idéia. Sobre esse tema o comando de greve se posicionou de forma contundente, pois defende a total inclusão dos Agentes Auxiliares na carreira de Agente de Polícia Judiciária, entendendo que a eficiência da prestação do serviço público de polícia judiciária passa não só pela segurança remuneratória, mas também pela segurança jurídica da situação dos servidores policiais civis”.

 

Portas da SSP estão abertas como nunca estiveram antes III

Finaliza o escrivão:Embora tímida, surgiu uma sinalização concreta de que a segurança pública está sim no caminho das mudanças. Percebe-se que as portas da SSP estão abertas como nunca estiveram antes.Por fim, ainda foi dito pelo secretário que aquela contraproposta seria submetida ao crivo do chefe maior, nosso governador Marcelo Deda, que daria a última palavra. O comando de greve disse que a categoria vai se manter em estado de alerta, estando confirmada a 2ª paralisação de 48 h dos dias 22 e 23 do corrente mês, com vias a uma greve por tempo indeterminado. Caso seja encaminhado projeto de lei á Assembléia Legislativa nos moldes do que foi dito pelo secretário, o comando de greve poderá e conjunto com a categoria deliberar sobre a suspensão do movimento paredista.São os bons ventos da democracia que voltaram a soprar nas terras dos índios Serigy”.

 

Servidores e estudantes da UFS discutem hospitais universitários

A partir desta segunda, 7, até a quarta-feira, 9, o SINTUFS – Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Sergipe (em conjunto com a ADUFS e o DCE) realiza o seminário “Hospitais universitários: crise em debate”, no auditório do Campus da Saúde Prof. João Cardoso do Nascimento, bairro Sanatório.Entre os temas a serem abordados durante o referido conclave destacam-se o financiamento, a gestão e o formato jurídico dos hospitais. Segundo Joseilton Nery Rocha, presidente do SINTUFS, a promoção do seminário atende resolução do 4º CONSINTUFS (Congresso dos Trabalhadores da UFS), ocorrido em novembro passado, orientação da Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras), pela necessidade da discussão de um projeto para os HU, na lógica dos trabalhadores, e, também,   em razão da conclusão dos trabalhos da Comissão Interministerial, criada pelo governo federal, formada por representantes dos ministérios da Educação, Saúde, Planejamento e Ciência e Tecnologia, com o fim de elaborar um estudo técnico a respeito da gestão e do financiamento dos HU. A Comissão sugere a transformação dos HU em fundação estatal de direito privado. O que não há concordância dos técnicos administrativos em educação.

Casa de Apoio à Criança com Câncer

Terça-feira é dia de oficina de biscuit para os jovens assistidos pela Casa de Apoio à Criança com Câncer “Tia Ruth”/AVOSOS. Amanhã, 08, no salão de festas, às 14h, a atividade será um especial para o Dia das Mães. As crianças irão trabalhar na confecção de prendas para homenageá-las. As mães serão presenteadas no dia 31, quando haverá a comemoração alusiva ao Dia das Mães junto com a festa de aniversariantes do mês de Maio que irão acontecer às 14h, no Espaço Multieventos.A AVOSOS fica localizada na Rua Leonel Curvelo, nº 55, Bairro Suissa. Mais informações pelo telefone 3212 4731.

 

Indique um amigo para receber esta coluna:

claudionunes@infonet.com.br

 

Frase do Dia

Excepcionalmente hoje, a pedido dos flamenguistas:Uma vez flamengo. Sempre Flamengo; Flamengo sempre eu hei de ser; É meu maior prazer vê-lo brilhar; Seja na terra, seja no mar; Vencer, vencer, vencer; Uma vez flamengo, Flamengo até, morrer”. Parte da letra do Hino do Flamengo, de Lamartine Babo.

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais