ESTRATÉGIA EQUIVOCADA DO GOVERNO

0

Às vezes, é muito melhor não tomar uma determinada atitude do que colocá-la em prática de forma impensada e equivocada, somente para tentar agradar. Na última sexta-feira, o governador Marcelo Déda sentiu isso na pele. Convocou a imprensa para anunciar algumas decisões de governo, entre elas, um aumento linear de salários de 2,96% para os servidores públicos estaduais. E viu-se em maus lençóis. Não agradou a ninguém ao utilizar o índice que repõe a inflação dos últimos 12 meses (IPCA) e ainda vai ter que aturar, tão logo retorne dos EUA, os fortes sindicatos da categoria cobrando-lhe coerência em suas ações.

Ora, diante das dificuldades de caixa encontradas – e alardeadas – no início do atual governo, seria muito mais fácil para Marcelo Déda convencer os servidores que não lhes poderia dar aumento neste primeiro ano, ao invés de aplicar, de pronto, índice tão pífio de reajuste (na ótica de quem recebe). Todos já estavam preparados para as dificuldades desses primeiros meses de sua administração. E, certamente, qualquer negociação com os sindicatos que viesse a ser feita a posteriori, poderia render-lhe dividendos políticos. Os argumentos seriam outros caso, depois de “exaustivo” debate com os sindicalistas, e após desnudar a “situação crítica” por que passa o estado, o secretário da Fazenda finalmente colocasse na mesa de negociação uma proposta “suada” de 2,96% de reajuste.

Você pode até pensar que isso é pura asneira, mas, com toda a certeza, seria um método mais convincente e “democrático” de fazer a mesma coisa, de forma correta. Manteria a performance dos líderes sindicais e esvaziaria o discurso da oposição que, por sinal, se aproveitou do fato para fazer seu teatrinho particular (papel de quem faz oposição).

Perdeu assim o governo uma grande chance de evitar maiores dores de cabeça ao ditar um reajuste, utilizando-se de estratégia equivocada.

_____________________________________________________

JORNAL DA MANHÃ DA JOVEM PAN, DE SEG. À SEX, ÀS 7:00 H 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários