Fedorento, Mar, O Cão, Peixe Podre e Cia

0

Dos cerca de quatro mil candidatos a vereador nos 75 municípios de Sergipe, alguns deles têm apelidos curiosos que merecem uma atenção especial por parte do leitor. É para descontrair neste período eleitoral. Os municípios não foram publicados de lado por conta do pouco espaço.

 

Que tal votar em: Mar, Espaço, Alumínio, Lata velha; Priquito, Miúdo, Zé de Zeba, Cafi, Paitó, Bonittão, Aritana, Doda, Cupim, Louce, Catú, Cocotinha, Maromba, Chapinha, Bico de Bule, Mel da Patioba, Broa, Tibel, Buzé; Jô Guerreira por Natureza, Anjo Gabriel, Coquinha, Totô, Baié e Sibido.

 

Tem alguns que arrepiam: O Cão; Pororoca; Gildo Uô Uô; Lolô Badoga; Ban; Guedé, Caquito, Tandola e Fedorento;

 

Tem bicho para todos os gostos – Zé Male do Jegue; Boi de barro; Peixe podre; Mário dos Patos; Olho de Gato; Zé Pavão, Hugo, filho de Pinto; Cascudo; Bode; Jailton do Preá; Henrique dos Macacos; Tonho das Macacas; Curió, das Cutias; Baiaco; Zé da Gata; Pingüim, Tatu, Sobó, Pato e Messias da Jibóia.

 

Os que pegam “carona” nos parentes –  Zé Augusto de Zé de Loló; Toinho do Gagau filho de Bebé; Franklane de Chico do Minador; Neno de Zé Quinzanga; Petinho de João Grande; Adriana de Zé Cutia; Geovania, irmã de Saburica; Iata de Neguinho; Chico de Quita; Ninho de Dizo; Tel de Kaê; Li de Dicinha; Novinho de Dede; Paulo de TE; Toinho de Tonho Marchante; Alexandre de Jeson; Andréa, filha do professor Meni; Baito de Tetê; Dé de Janjão;  João de Chico Ato; Josa de Guguio; Zé de Profiro, Otácio de Tonho Crente; Nenzinho de Ciro; Chico de Tota; Beto de Zé Guarda; Nego de Bão; Audo de Biduca; Preto de Bitonho e Luciene do finado Honorato. Tem até Regina do Padre.

 

Tem alguns que são homens, mas usam o nome de mulher: Mama (Gilton); Da Moça (Erinaldo); Mainha (Gerinaldo); Tatinha (Pedro Gregório); Thalia (Alexandre); Poquena (Givaldo); Lulu (Geraldo); Keda do PT (Josicleido); Kika (Cristiano); Kel (Cleverton); Lita de Preta (José Roberto); Dissa da Ambulância (José Adilson), Cari da Pedra Branca (Antonio); Dadá (Lenaldo e Cora (Carlos Alberto).

 

Tem os com nome de alimentos: Macarrão, Chiclete, Xarope, Pia da Batata, Chocolate, Maturi, Bolo, Maxixe, Gaiamum, Mexerica e Gina Filé;

 

E se não gostou de nenhum acima tem mais: Pau veio, Cheiro, Bebe Água, Cuíca, Zumbo, Fan,  Maduro, Agiz, Piau, Serepe; Nozo, Prego,  Arió, Dilicio, Chumbinho, Tó, Tico,Bia,Quininho, Vela, Bom k te ver, Lua Gaguinho, Zomas, Zé Homem (José das Virgens) , Pipio, Bebeleco, Ia, Loca e Titi (Hradrimaker).

 

Tem uns que o nome não tem nada do candidato: Galileu (Robson);Richard (Ricardo); Sr. Ribeiro (Gervásio de Jesus Santos); Matos (José Matuzalém) e Francês (Antônio). Tem os que não escondem os nomes, apesar de difícil: Austregésilo, Teosete, Celigena, Elichele, Avonio, Maranduba e Disnei Viana, Manthega (assim mesmo).

 

Outros colocaram seus “atributos” nos nomes: Zé Valente, Valmir Cabecinha, Cristiano Pé de Ferro, Joel Gogó de Ouro, Lôlô mosquito, César Deus é Bom, Bidinha pura beleza, Amiguinho, Tiazinha, João biscoitão, professor Pimenta, Pank, Nega da Gente e Careca. E os artistas como Nelson da Capitinga e Gugu Liberato.

 

Estes são apenas alguns nomes dos cerca de quatro mil candidatos em Sergipe. Tem muito mais. Vários deles usam a profissão no nome, como: Veterinário, taxista, professor, barbeiro, carteiro, cabeleleiro, enfermeira, carpinteiro, sanfoneiro e Rivan, o locutor do povão. Outros o local de trabalho: do ferro velho, do assentamento, da eletrônica, Da ação social, da Emdragro, da associação,  da moto táxi, do INSS, da Deso, da academia, do lanche,  da prefeitura, do ônibus, do cartório, do Sem Terra, dos tijolos da padaria, da lanchonete, da maternidade, do Fórum, da feira, do bar, da praia, do caminhão, do banco, da Dengue (é mole!) e até das extintas Telergipe e Sucam.

 

É, o eleitor, principalmente do interior tem muito o que escolher. São várias opções, para todos os gostos e desgostos. Só resta desejar boa sorte a todos.

 

Movimento dos anistiados políticos

Dos anistiados políticos: “Neste momento em que tanto se discute a criminalização dos torturadores da ditadura militar neste país, faz-se oportuno que todos aqueles que lutam pelos direitos humanos no nosso Estado,  façamos um grande movimento para que  a Comissão da Anistia realize o julgamento dos anistiados do Estado de Sergipe no próximo mês de fevereiro, quando exatamente no dia 20 daquele mês completam 33 anos da  última operação policial militar neste país, ocorrida justamente na nossa capital, que culminou com a prisão de vários sergipanos, ainda lembrada por todos nós. Este  ato fará relembrar a recente do nosso país, possibilitando que  a nossa Juventude tomar conhecimento dos fatos ocorridos e o mais importante que nunca mais se repitam na nossa história”.

 

Intervenção pode ser a solução em São Cristovão

Anote: se continuar o impasse na Câmara de São Cristovão e não for realizada a eleição indireta para o prefeito tampão até o final do mês o Ministério Público Estadual só terá uma alternativa: solicitar a intervenção no município.

 

Posse da JPT

Ocorreu no último sábado,  09, a posse na Juventude do PT do novo secretario municipal de Aracaju, David Jamisson, e o novo secretario estadual, Jefferson Lima. No seu discurso o novo secretario municipal, enfatizou a construção coletiva da juventude. A partir de hoje somos todos PT, afirmou David Jamisson. Já o novo secretario estadual da juventude do PT, Jefferson Lima, salientou a importância dos congressos municipais, a importância de percorrer o estado e de conhecer a realidade da juventude. Afirmou o compromisso dessa nova gestão da JPT em apoiar os candidatos do PT e principalmente os candidatos jovens nesse momento eleitoral, ajudar na construção das políticas de juventude nos municípios.Ocorreu também neste evento de posse, o lançamento do site da JPT de Sergipe, o www.juventude13.com.br

 

Sinal de Vida

A SMTT está distribuindo o informativo “Sinal de Vida” mostrando os dados sobre a chamada lei seca e a redução do consumo de álcool por motoristas. O informativo tem dados sobre leis semelhantes em outros países, dicas de segurança e cuidados nos cruzamentos para evitar acidentes.

 

Biblioteca abre exposição sobre a cultura popular

Amostra sobre aspectos da cultura popular sergipana será aberta nesta quinta-feira, 14, às 8h e seguirá até o dia 31 de agosto na Biblioteca Pública Epifânio Dória, numa parceria da Biblioteca com o setor do Patrimônio da Secretaria de Estado da Cultura. A exposição destaca importantes nomes do folclore sergipano e abrirá juntamente com o II Ponto de Encontro do Proler, que visa capacitar professores e medidores da leitura, para uma conscientização do profissional acerca da importância da leitura e o estímulo do prazer de ler. Na oportunidade, serão expostos 9 painéis que irão retratar importantes expressões populares sergipanas extintas e ainda existentes e contará ainda, com a exibição de trabalhos cênicos representando manifestações culturais de Sergipe produzidos pela artista plástica Lânia Duarte.

 

DO LEITOR

 

Regulamentação de lei para concurso na SSP

De um leitor: “Venho pedir a sua valiosa colaboração, no sentido de cobrar do Governador do Estado através do secretário da SSP/SE, a regulamentação da Lei complementar de nº 79/2002, a qual delibera normas que possibilita concurso publico para os cargos de: PAPILOSCOPISTA, PERITOS, PERITOS MÉDICOS LEGISTAS e OUTRAS CARREIRAS. A policia civil, policia militar e corpo de bombeiros todos do âmbito da SSP/SE, foram beneficiados, e onde fica a situação dos técnicos da policia técnica? Abnegados,  aguardando a boa vontade da cúpula da SSP?. Esta lei também, contempla os demais servidores que a cerca de 20 anos vem desempenhando a função de auxiliar de papiloscopista, auxiliar de perito e outras atividades ligada a policia técnica. O inquérito policial, sem o laudo pericial fica fragilizado, uma vez que o levantamento pericial subsidia a convicção do judiciário nas suas decisões.  Estamos com deficiência de técnicos, pois na carreira apenas possui 05, papiloscopistas para efetuar perícia papiloscopica e necropapiloscopica, que são responsáveis pela identificação: Civil, criminal, cadaverica, e dos levantamentos de impressões digitais em local de crime, contra o patrimônio e contra vida”.

 

Gararu e Chico do Povo

De um leitor de Gararu: “Existe um candidato a prefeito na cidade que se chama Francisco Albuquerque, ou seja, Chico do povo (que de povo não tem nada), esse cidadão não sei se podemos chamá-lo assim, porque cidadão que é cidadão não trata a sua cidade como ele vem tratando nesses últimos anos( só de mandato de prefeito foram 08 anos consecutivos) que administrou Gararu, ele tem uma vasta lista de processos que estão transitando na justiça, que se eu não estiver enganado  ele já foi até julgado e condenado pelo o descaso que fez com o dinheiro público, eu não consigo e custo a acreditar que a justiça do nosso Estado deixe esse cidadão ser candidato de novo naquele município. Fica a mensagem e o desabafo de quem quer ver àquela cidade de novo no Progresso”.

 

Sobre São Cristóvão

Comentário de Martha: “Não seguirás a multidão para fazeres mal; nem deporás numa demanda, inclinando-te para a maioria, para torcer o direito” Assim diz a palavra de Deus em Exodo 23;1. Em relação a problemática na cidade de São Cristovão, vimos a platéia de Alex dando o maior “show” em repúdio a eleição indireta no medo de perder o poder.Com isso, tentando através de injustiça culminar os vereadores Jadiel e Luiz. Parabenizo o Juiz Costa Neto pela sua competência em julgar os fatos de maneira séria e justa; permanecendo os vereadores em seus respectivos cargos”.

 

Olímpiadas: não é fácil…

De um leitor:”Essas Olímpiadas realizadas em Pequim não estão fáceis para ninguém. Para consolo dos brasileiros, que somente conquistaram três bronzes (Zé Simão disse que estamos ganhando na porrada…): um país de primeiro mundo, dizem que mais organizado que os Estados Unidos, dormiram no ponto na preparação dos seus atletas e não conseguiram, até ontem, nem um bronze! É o Canadá. Mas uma coisa é certa: nossos atletas, a maioria que conquista alguma coisa, é na raça, sem muito apoio do Governo e dos Poderes oficiais, vocês já notaram isso? (para amenizar sua coluna política, que essa política e nossos políticos estão… estão o que? sei lá!).”

 

Marta Rego a nova Sandra Mônica de Socorro

E-mail recebido: “A enfermeira Marta Rego, ex-secretária de Ação Social de Socorro e candidata a vereadora pelo PPS, é a cópia fiel da ex-vereadora Sandra Mônica na política. Muros pintados em todo o município, faixas à vontade, carros plotados e com adesivos, distribuição de sacos de cimento, inscrição no bolsa família a qualquer momento, dentaduras, dinheiro e tudo mais que a incidência permitir. Está sendo cotada como a mais votada do PPS, é a candidata do prefeito Zé Franco e da prefeitura. Haja dinheiro Dê um simples cidadão do sofrido e abandonado Parque dos Faróis”.

 

Nota de esclarecimento da ADEPOL  Sergipe I

Nota de esclarecimento da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Sergipe – ADEPOL – SE: Objetivando esclarecer alguns pontos apresentados por Vossa Senhoria em sua coluna no dia de ontem, solicitamos a divulgação da seguinte resposta: O Provimento do Tribunal de Justiça de Sergipe é um ato administrativo interno do Poder Judiciário que não produz efeitos no âmbito do Poder Executivo, em respeito ao princípio constitucional da separação dos poderes. Assim, ele jamais poderá autorizar a Polícia Militar a realizar o Termo de Ocorrência Circunstanciado – TC.Por outro lado, tal medida em nada agiliza a solução dos crimes de natureza leve, uma vez que visa tão somente a elaboração do termo de ocorrência circunstanciado – TC – e sua remessa ao mesmo juizado Especial criminal para onde são remetidos os TC realizados pelos Delegados e atualmente lavrados nas Unidades da Polícia Civil. Nunca deixamos de realizar o TC, nem protelamos a realização de tal ato.Além do mais, Vossa Senhoria afirma que o cidadão deixará de passar o constrangimento de ter que se dirigir até uma delegacia. Na verdade, se isso fosse realizado, ele passaria a ser encaminhado até um batalhão da polícia militar ou uma companhia onde deverá ser encontrado um Oficial responsável em elaborá-lo. As Delegacias de Polícia são órgãos públicos como quaisquer outros, não se constituindo constrangimento o comparecimento do cidadão, haja vista que ali também trabalham diversos servidores das carreiras policiais, todos cidadãos, e a estrutura física das Unidades Policiais não se diferenciam em muito dos Batalhões e Companhias, levando-se em conta ainda que as Unidades da Polícia Militar não foram construídas com tal objetivo, inexistindo estrutura cartorária adequada e sistemas informatizados. O tema tem raiz constitucional, ofensa ao estado democrático de direito, visto que a matéria já foi abordada pelo STF, tendo decidido ser ato exclusivo de polícia judiciária, comandada por Delegado de Polícia de carreira (Adin 3614-3 Paraná 20.07.2007). Esse é o entendimento da Corte Suprema sobre a tentativa da PM de avançar sobre as atribuições da Polícia Civil, mormente dos Delegados de Polícia (ADI 1570 e ADI 2427). Portanto, é equivocado o posicionamento daqueles que dizem haver decisão do Supremo Tribunal Federal autorizando a PM a fazer procedimentos policiais afetos à Polícia Civil. Se não sabem fazer uma análise jurídica de uma decisão do Supremo Tribunal Federal, como querem fazer o enquadramento legal de definição do crime (juízo de tipicidade)?

 

Nota de esclarecimento da ADEPOL  Sergipe II

A matéria, aliás, foi discutida recentemente pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, tendo o MM. Senhor Desembargador Presidente, respondendo a provocação do Senhor Deputado Federal Alberto Fraga (Oficial Militar), decidido ser jurídico e administrativamente inconveniente autorizar e legitimar a confecção de termo circunstanciado pela Polícia Militar do Distrito Federal. Veja a conclusão da Decisão: Processo administrativo nº 13.240/2004 – “Noticia o Exmo. Deputado Federal ALBERTO FRAGA, em síntese apertada, in verbis, “o desejo da Polícia Militar em dar início à confecção do Termo Circunstanciado, por ocasião das infrações de menor potencial ofensivo”. Não obstante os elevados propósitos subjacentes à pretensão da Polícia Militar do Distrito Federal, impõe-se a ponderação das questões jurídicas e administrativas que passo a expender. (…) Por conseguinte, à luz dos misteres confiados às Polícias Civil e Militar do Distrito Federal mediante discriminação expressa da Constituição Federal e cotejando a realidade da segurança pública nos lindes do Distrito Federal, não diviso, por ora, substratos jurídicos e fáticos que autorizem e legitimem a confecção de termo circunstanciado pela Polícia Militar do Distrito Federal.” (16.09.2005) Na elaboração do TC o Delegado de Polícia deverá fazer um juízo de valor jurídico, exclusivo daqueles que ocupam tal cargo. Nunca é demais transcrever excerto do voto do Ministro Cezar Peluso na citada Adin: “O problema grave é que, antes da lavratura do termo circunstanciado, o policial militar tem de fazer um juízo de valor jurídico de avaliação dos fatos que lhe são expostos. É isso o mais importante do caso, não a atividade material de lavratura” De fato, historicamente, os Policiais Militares sempre ocuparam as Delegacias e antes da chegada dos Delegados de Polícia concursados eles não reclamavam. Atualmente buscamos profissionalizar a Polícia e isso tem incomodado. Ademais, também é bom lembrar que faz parte das Políticas Nacional e Estadual de Segurança Pública a integração das instituições, sem confusão de atribuições, numa simbiose extremamente produtiva e eficaz, otimizando os escassos recursos financeiros e humanos, e melhorando a prestação do serviço policial. Isso a Polícia Militar, até o presente momento, não buscou efetivar.

 

Nota de esclarecimento da ADEPOL  Sergipe III

O que a Policia Militar vem fazendo é abandonar as Delegacias de Polícia do interior, alugando novos prédios ou fazendo acordos com prefeitos municipais para concessão de estrutura, sem respeitar qualquer planejamento da SSP. Onde está o desejo de colaborar? Como podemos integrar se o que eles desejam é usurpar atividades? Lembramos também que eles já estão com viaturas descaracterizadas e policiais militares sem fardas, fazendo investigações de crimes comuns, sem qualquer controle, sob as ordens dos oficiais de polícia, isso também pode? Tem gerado algum efeito positivo na Segurança Pública do Estado ou apenas está se criando um novo desvio de finalidade? Gostaríamos nessa oportunidade de conclamar os oficiais da polícia militar a refletirem sobre o tema. Não devemos nos esquecer que a competição ora proposta irá afastar diversos policiais militares das atividades finalisticas, haja vista que a proposta apresentada obriga o policial militar (praça) a se deslocar do local do fato para um Batalhão ou Companhia e buscar um Oficial que aí então fará a lavratura do Termo, o que em nada agilizaria o processo, pois essa é exatamente a rotina para lavratura do procedimento junto às Delegacias de Polícia. Ademais, nos batalhões, como é cediço, é reduzido o quadro de servidores da Polícia Militar, e os esforços de treinamento deveriam ser dirigidos para a capacitação em técnicas de abordagem, policiamento preventivo e respeito aos direitos fundamentais do cidadão, evitando erros que acabaram ceifando a vida de pessoas em outros Estados. Da forma que estão propondo estamos repetindo a tão criticada falta de planejamento das ações de segurança pública. Em sua coluna foi questionada a transferência de atribuições de outros órgãos para a Polícia Militar e que o policiamento preventivo estava insatisfatório em alguns bairros e agora querem realizar atos afetos à Polícia Civil? Será que possui pessoal sobrando? Conclamamos os oficiais militares a nos unirmos no planejamento estratégico respeitando as prerrogativas de cada cargo, unificando áreas de atribuições (delegacias metropolitanas e companhias; delegacias regionais e batalhões; comarcas e unidades administrativas das policias civil e militar; cargos e funções). Mais importante é discutirmos junto ao Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Policia Militar, Polícia Civil e sociedade civil organizada instrumentos e medidas capazes de melhorar as condições de prestação do serviço de segurança, que não é somente caso de polícia. Outrossim, estranhamos a posição do Sinpol, manifestada publicamente nos meios de imprensa, de que seria ‘reserva de mercado’ dos Delegados a lavratura de TC, procedimento policial cartorário, quando eles mesmos não querem que os agentes de polícia façam qualquer atividade cartorária e que os escrivães somente realizem qualquer ato na presença de Delegados de Polícia. E agora tomam posição inversa, apoiando os Polícia Militares. Não seria uma incoerência? Há, inclusive, uma decisão judicial proibindo-os de realizarem tal ato. Ao contrário da posição da diretoria do Sinpol, temos recebido o apoio da base da policia civil ao nosso pleito, visto que defendemos com isso nossa instituição e o respeito às prerrogativas constitucionalmente outorgadas.  Por tais razões, apresentamos estas ponderações, a fim de melhor esclarecer os leitores da coluna, e reafirmar a importância do Termo de ocorrência Circunstanciado, que embora trate de crimes considerados atualmente de menor potencial ofensivo não deixam de ser considerados crimes, atingindo em muitos casos bens inalienáveis do cidadão, que devem ser tratados com a seriedade que o tema merece, a fim de que a impunidade não venha receber novo aliado, com a ineficiência da persecução criminal. Atenciosamente,

Diretoria da ADEPOL-SE. 

 

Frase do Dia

Ainda que seja noite / o sol existe / por cima de pau e pedra / nuvens e tempestades / cobras e lagartos / o sol existe / ainda que tranquem o nosso quarto  e apaguem a luz / o sol existe. Mayakovsky.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários