Feliz ano velho: última coluna

0

É caro leitor, acabou 2007. Que parceria invejada por muitos.  Em 15 de maio de 2006 esta coluna foi iniciada na Infonet. Passados vinte meses ela está viva e mais do que isso: cresce a cada dia, com um número de acesso que aumenta gradativamente, fruto de uma parceria entre este jornalista e o leitor. Hoje ela pertence ao leitor, que cobra, critica e envia seus textos diariamente. A coluna não pertence mais a Cláudio Nunes, que é apenas um coadjuvante. Porém, para desespero de muitos, passados vinte meses ela continua com o espírito rebelde, ousado, contestador e, sobretudo, de indignação. É preciso incomodar, ou melhor, como bem escreveu Luiz Eduardo Costa no prefácio do livro deste jornalista, “A Liberdade da Expressão’: Em Sergipe, denunciar romper o silêncio sepulcral que protege os beneficiários da impunidade, ou os falsos arautos do moralismo mambembe e egocêntrico, pode ser uma atitude perigosa, em termos profissionais chega a ser uma espécie de suicídio, diante das condenações, ou do circulo de interesses que se fecha, persegue e oprime.

 

Desde maio de 2006, que essa coluna tem um objetivo. Aliás, objetivo esse que está bem definido num texto recente, da jornalista Ana Luiza Moulatlet publicado em novembro de 2007 da revista “Caros Amigos”. Trecho do artigo: “O jornalismo do começo do século 21 deve ser mais social, companheiro das causas perdidas e, sobretudo, uma autêntica profissão de fé para os que têm suas pautas rejeitadas pelos esquemas das grandes redações. Não bastasse esse sinal dos tempos, a Internet caminha justamente neste sentido: agora o leitor quer cada vez mais não só participar, mas também editar, ensinar, enfim e deveras, aos repórteres encastelados nas redações, que as melhores histórias ainda são as da vida, contadas a cada esquina e a cada comunidade. Essas foram as conclusões tiradas por quase duzentos jornalistas da América Latina e península Ibérica, reunidos por uma semana no final de setembro último em Minterrey, no México, no fórum Encuentros de Periodismo.”

 

Este jornalista assina embaixo e lembra aos colegas, especialmente aos mais jovens, que o jornalismo para ser “moderno” não deve deixar de lado as questões e as verdades da vida da população, para se deslumbrarem com uma falsa visão das abobrinhas e das fofocas das celebridades. Aqui, neste modesto espaço, não existe a pretensão de ser melhor do que ninguém, apenas o desejo da prática do bom jornalismo. Um jornalismo voltado para o século 21. E por fim, outra frase de Luiz Eduardo: “é preciso que surjam rebeldes. Sem eles, esses “malditos”, a pasmaceira sergipana jamais seria perturbada pela coisa inusitada entre nós, que é a contestação do poder”.

 

Que venha 2008

Valeu a pena, Valeu a pena eh eh, sou pescador de ilusões”. Tudo de bom em 2008 para todos os leitores. Paz e muita saúde, que o resto se conquista na labuta do dia-a-dia.

 

Que tal fazer compras com um carro oficial?

 De um leitor: “Enquanto o cidadão comum, que paga impostos e recebe salários reduzidos, se vira como pode para fazer as chamadas compras de fim de ano ou em qualquer época, nas lojas e supermercados, uma espécie de “cidadãos especiais”, a exemplo de várias autoridades, funcionários prestigiados e também uma turma de policiais da PM, usam carros oficiais para levar familiares para as compras. Nesta sexta-feira, 29, mesmo, populares ficaram com a falda de pudor de certos PMs que, parando à porta de supermercados, a exemplo do Bom Preço da Praça da Rodoviária Velha, permanecendo no volante da viatura da PM, esperando que a mulher fizesse as compras e retornasse à viatura. Um desafiou um popular perguntando: “o que é que está olhando?” e outro colocava para fora da janela o cano do fuzil. Enquanto esses esperavam familiares  que faziam compras, é claro que diminuía as viaturas colocadas a serviço da população no combate ao crime. Aliás, os ladrões estão também fazendo a festa neste mês de dezembro com o produto de roubos no comércio e nos bairros.”

 

Trabalho na área empresarial I

Mais de 20 lideranças do setor empresarial de Sergipe, representativas do comércio, da indústria e do setor de serviços, visitaram o secretário do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, Jorge Santana, no final da sexta-feira, 29.  O objetivo da visita foi expressar o reconhecimento pelas ações do governo do Estado em favor do setor empresarial, sobretudo a ousadia do governador Marcelo Déda ao implantar, pela primeira vez em Sergipe, uma política de apoio às micro e pequenas empresas, com destaque para a isenção do pagamento do ICMS para aquelas com faturamento anual de até R$ 360 mil, que se transformou em referência nacional.

 

Trabalho na área empresarial  II

 O secretário aproveitou a visita para convocar todas as entidades do setor a se somarem ao governo do Estado na promoção de uma campanha pela formalização de micro e pequenos negócios, agora que a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas oferece as condições de desoneração e simplificação pelas quais se lutou por muitos anos. Dentre outras lideranças, estavam presentes Lauro Vasconcelos (ACESE), Hugo França, (Fecomércio), Luciano Barreto (ASEOPP), Gilson Figueiredo (FCDL), Samuel Schuster (CDL), Juliano César (ADAS) e Manuel Lisboa (Fórum Empresarial). O

secretário Jorge Santana estava acompanhado do seu adjunto, Alexandre Porto, e do

presidente da CODISE, Ancelmo Oliveira.

 

Sobre a falta de água na Zona de Expansão

Da assessoria de comunicação da Deso: “Sobre o abastecimento de água na área de expansão de Aracaju, mais precisamente nos residenciais do PAR e conjuntos da Caixa localizados na Aruana, há uma preocupação da Deso em melhorar a oferta do produto. Para isso, até o final de fevereiro estaremos colocando em operação um reforço da linha de distribuição do reservatório da Cabrita em direção à Aruana, com a operacionalização de um reservatório com uma capacidade maior e aumento do diâmetro das redes existentes. Acontece que o reservatório que abastece a região tornou-se inadequado do ponto de vista de capacidade de reservação diante do rápido surgimento dos conjuntos habitacionais ali construídos. Por tratar-se de uma região de praia, e conseqüentemente de um ambiente de veraneio em muitas situações, o consumo passa a ser elevado e a oferta mantém-se, agora no período do verão, no seu limite máximo. O reflexo disso é que durante o dia a rede possui pressão abaixo do suficiente para encher as caixas d”água das residências, embora a região permaneça abastecida (água fraca). Portanto, os procedimentos licitatórios para aquisição de materiais e da firma para execução da obra estão sendo encaminhados e a previsão é de que a partir de março deveremos solucionar este problema”.

 

Pressão, urna violada e a desembargadoria

 Trecho de um artigo do jornalista e advogado Fausto Leite, publicado ontem, 28, na Infonet que merece uma reflexão por parte de todos os advogados: “Enquanto as pressões e trocas de acusações acontecem pelos grupos rivais o Tribunal de Justiça de Sergipe em uma reunião solene já escolheu sua nova desembargadora. O Ministério Público também já elegeu um novo Procurador de Justiça. Já nós advogados mostramos que não temos capacidade de eleger uma lista com seis nomes dentre 16 candidatos. É preciso que os advogados compareçam nas próximas eleições esqueçam os apelos covardes de esvaziamento eleitoral. Sacrificar uma tarde e mostrar à sociedade sergipana que são íntegros e capazes de eleger um representante no judiciário sergipano evitando assim que o conselho que não possui a unanimidade possa escolher aquele que não atende a todos”.

 

Vestibulandos: orla é o melhor lugar para comemoração

Alegria é contagiante quando se passa no vestibular, principalmente na UFS. Tudo normal, mas fica no ar uma pergunta: qual o motivo de algumas escolas realizarem a comemoração na 13 de Julho? Um lugar pequeno e que atrapalha a rotina de muita gente. Ontem, 28, tinham no local três trios elétricos. Às  19hs, que transitava da Zona Sul para o centro pela Avenida Beira Mar passou uma hora no congestionamento. E para variar a SMTT dá guarita a tudo isso. Não seria melhor comemorar na orla da Atalaia, onde existe espaço suficiente e não atrapalha o trânsito dos veículos? Ou será que a visibilidade que alguns colégios buscam deve ser maior do que o interesse coletivo? Os colégios merecem comemorar, assim como os alunos e seus pais. O problema é apenas o local.

 

Atuação da CGE diminui pendências I

 O ano de 2007 representou uma grande vitória de Sergipe contra as pendências existentes no CAUC (Cadastro Único de Exigências para Transferências Voluntárias). Para se ter uma idéia, o Estado iniciou o ano com 19 registros no CAUC de órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta. Hoje, 28, existem apenas duas pendências, o que representa uma diminuição de 89,5%. O resultado desse trabalho é que o Estado de Sergipe já pode obter empréstimos em organismos nacionais e internacionais e receber transferências voluntárias do Governo Federal, que podem ser investidos em melhorias para a população sergipana. As conquistas ocorreram graças à atuação conjunta da CGE (Controladoria-geral do Estado), da PGE (Procuradoria-Geral do estado) e da SEFAZ (Secretaria de Estado da Fazenda).

Atuação da CGE diminui pendências II

O CAUC é um sistema do governo federal que, entre outras funções, consolida os registros de pendências dos CNPJ´s (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) dos órgãos e entidades do Estado e dos Municípios. Neste sistema, encontram-se os registros pendentes no INSS (Instituto Nacional de Seguridade Nacional), na Receita Federal, no CADIN (Cadastro de Inadimplência) e nos convênios cujas prestações de conta apresentam inconsistências. Para o controlador-geral do Estado, Adinelson Alves, os avanços só ocorreram porque o Governo de Sergipe teve uma atuação firme, pois somente com a regularidade dos CNPJ´s dos órgãos e entidades do Estado seria possível obter as certidões necessárias para a liberação de repasses federais.

 

Corrida à compra do material escolar

Passada a fase das compras dos presentes do Natal, o comércio dá início a uma nova fase de vendas: a de material escolar. A corrida às livrarias começa a virar realidade e os pais mais prevenidos partem para um caminho que tem lhes proporciona a certeza de economia: as feiras de livros didáticos usados. Uma das mais procuradas da cidade é a da Coroa do Meio, aberta e funcionando pelo quinto ano consecutivo. Na Rua Construtor Genival Maciel, 730, a Feira Drummond de Andrade recebe e vende livros e outros materiais escolares por consignação, atraindo famílias de várias partes da cidade, principalmente à procura de livros didáticos e para-didáticos. Anualmente, no local, são movimentados milhares de livros no período de dezembro a março, mas este ano a Feira de dona Marise Vieira de Melo Silva funcionará até o final de fevereiro.

 

Servidor poderá se tornar isento de tarifas bancárias I

Os servidores públicos da União, estados e municípios, bem como os das autarquias e fundações públicas, poderão ficar isentos do pagamento de tarifas sobre serviços bancários, caso seja aprovada a sugestão 42/2007, apresentada à Comissão de Legislação Participativa da Câmara Federal.O projeto de lei é uma sugestão do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário no Estado de Sergipe e tem como relator o deputado Jackson Barreto (PMDB-SE). Após ser aprovada pela CLP, a matéria será encaminhada para a votação em plenário.

 

Servidor poderá se tornar isento de tarifas bancárias II

De acordo com a proposta do Sindiserj, quando se tratar de conta corrente voltada para o recebimento de salário, os trabalhadores do serviço público ficarão livrees de tarifas de manutenção, da cobrança de extratos, inclusive da conta de poupança, e de dois talões de cheques ao mês, assim como das taxas sobre os empréstimos com pagamento descontado na folha de salários. Ainda no que se refere aos empréstimos consignados, a sugestão do Sindicato defende a aplicação de uma taxa diferenciada, compatível com o risco da operação que, segundo o seu presidente Cláudio Siqueira Carvalho, é nulo em razão de não haver possibilidade de inadimplência. Finalizando, Cláudio Siqueira Carvalho comentou que a aprovação da sugestão beneficiará milhares de servidores públicos de todo o Brasil, assim, “estamos confiantes de que o relatório do deputado Jackson Barreto será favorável e de que ele mesmo atuará para que o projeto seja aprovado também no plenário”.

 

2008 vai ser o ano do Rato no Horóscopo Chinês I

Dizem que nesses anos acontecem menos guerras e catástrofes do que em outros anos, como o do Tigre e o do Dragão. Bons presságios, então… 2008 também será o Ano Internacional do Planeta Terra, decretado pela Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) e pela União Internacional das Ciências Geológicas, em 2006, e que conta com o apoio de 193 países, entre eles o Brasil. Mas a idéia de instituí-lo surgiu dois anos antes, dando continuidade às discussões iniciadas no 31º Congresso Internacional de Geologia, realizado no Rio de Janeiro, em 2002. Mas por que 2008? Há 50 anos, ocorria o Ano Geofísico Internacional, quando os cientistas começaram alguns estudos para entender melhor o planeta Terra. Para celebrar meio século de pesquisa, eles se organizaram novamente e retomaram os trabalhos de maneira mais aprofundada. A partir daí, concluíram que o ano seguinte deveria ser o Ano Internacional do Planeta Terra.

 

2008 vai ser o ano do Rato no Horóscopo Chinês II

O objetivo da comemoração é demonstrar o potencial das ciências na construção de uma sociedade mais sustentável. Para isso, um grupo de 23 cientistas de todo o mundo escolheu os dez tópicos que devem ser trabalhados até 2009 (isso já começou este ano), mas, principalmente, em 2008. São eles: águas subterrâneas, desastres naturais, terra e saúde, clima, recursos naturais e energia, megacidades, núcleo e crosta terrestre, oceanos, solos, e terra e vida. Ainda temos muito que aprender sobre o planeta, sobre seu passado, presente e futuro. Temos que conhecer melhor o mundo que nos cerca para poder viver de maneira mais sustentável. Nesse aspecto, os geocientistas já estão fazendo sua parte para garantir um futuro melhor. E você, em 2008, o que vai fazer pelo planeta? Que mudança fará para se tornar (mais) sustentável? (Fonte: Planeta Sustentável).

 

Frase do dia

 “As melhores histórias ainda são as da vida, contadas a cada esquina e a cada comunidade.” Ana Luiza Moulatlet, jornalista, dirigindo-se aos seus colegas

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais