Google como aliado nas vendas (parte 1)

0

Ele fica disponível 24 horas por dia para o cliente, que pode acessá-lo no conforto do lar e, ainda, no momento exato em que precisa – e quer – mais informações sobre um determinado produto ou serviço. Trabalha ininterruptamente, inclusive aos sábados, domingos e feriados, sem cobrar um tostão de hora extra. Não tira férias, não gripa, não falta, não pára. De quebra, ainda responde, sozinho, por 65% de todas as pesquisas feitas nos EUA, de acordo com pesquisa da comScore, divulgada em agosto deste ano. A segunda posição do ranking vem após um abismo de mais de 50 pontos percentuais, com 12,1% da preferência – que, no Brasil, ultrapassa os 85%, segundo dados da Hitwise. Sim, estamos falando dele: Google, o soberano entre os mecanismos de busca.

Indepentende do setor, quem é empresário sabe o impacto que o Google pode ter nos negócios. Lá na agência, por exemplo, ele responde por 90% dos contatos de novos prospects. E do melhor tipo: pré-qualificado, pois quem nos procura já conta com uma demanda específica por algum dos serviços que oferecemos.

Como fazer isso? Nas próximas semanas, traremos algumas dicas básicas para transformar os mecanismos de busca em importantes aliados na otimização dos resultados. E não precisa ficar preocupado se você não entende nada do assunto! Abaixo, seguem alguns termos práticos – e de uso comum no mercado web –, para você já ir se habituando ao assunto. Bons conhecimentos digitais… E até semana que vem!

SEO: Search Engine Optimization. Significa “otimização para os mecanismos de busca”, no português. Em outras palavras, objetiva melhorar o posicionamento orgânico (não pago) do seu site no ranking destes mecanismos, a exemplo do Google.

SEM: Search Engine Marketing. Engloba tanto o SEO, quanto os anúncios pagos dos buscadores – que, no Google, são classificados como “anúncios”, ocupando espaços como a caixa amarela logo abaixo do campo de busca e a lateral direita da pagina de resultados. Os anúncios são feitos por palavra-chave (ou expressão), sendo que, quanto maior o volume de buscas pela mesma, maior o CPC (ver explicação no item abaixo).

CPC: custo por clique. Ou seja: a cada vez que alguém clica em um anúncio, qual valor o anunciante deverá pagar? Já se ninguém clicar, o custo para o anunciante será literalmente zero. Não interessa se uma ou 1 milhão de pessoas viram o anúncio. Se ninguém clicou no mesmo, nada é devido.

CPM: custo por mil. Neste caso, o anunciante paga um valor a cada mil ‘impressões’ do seu anúncio. Ou seja: a cada 1 mil vezes que o anúncio é exibido em um determinado local na web, paga-se um montante específico. Independente de alguém ter clicado ou não.

Google AdWords: é o SEM focado em links patrocinados do Google. Você pode obter mais informações através do endereço www.google.com.br/adwords e, após fazer login na sua conta Google (algum e-mail vinculado ao Google, que você pode criar até na hora e gratuitamente), você conta com um auxílio para escolher as palavras-chave que podem render mais acessos ao seu site. Para isso, basta acessar a opção “ferramentas e análise” (no menu superior) e, depois, selecionar “planejador de palavras-chave”. Na sequência, escolha “procurar ideias de palavras-chave e grupos de anúncios”, insira as palavras que deseja comparar no primeiro campo (informe uma palavra ou expressão por linha), completar os demais dados… E pronto!

Google AdSense: ferramenta através da qual o Google insere anúncios em espaços cedidos por terceiros em seus respectivos sites. A cada clique (o Google trabalha com a sistemática de CPC), um determinado valor é pago ao Google, que divide a receita com o internauta cedente do espaço.

Google Analytics: ferramenta gratuita – e sensacional – do Google, que gera diversos indicadores sobre o seu projeto web. Quantas pessoas acessaram um determinado site, em um certo período? Quantas voltaram? Quais as páginas mais acessadas? Como as pessoas chegam até o site? De quais regiões do Brasil e do mundo elas estão vindo? Quantas, efetivamente, solicitam um orçamento? Estas e tantas outras perguntas podem ser respondidas aqui.

Landing page: é a página para a qual o internauta é redirecionado, após clicar em uma das opções exibidas, quando feita uma pesquisa em um mecanismo de busca.

Google Trends: disponível no endereço www.google.com.br/trends, ele mostra a progressão do interesse por uma palavra-chave ou expressão, ao longo do tempo. Com esta ferramenta, você pode fazer um tira-teima prático de quais palavras têm ganhado a preferência do internauta, na hora de fazer uma pesquisa na web. E, claro, quanto mais utilizada uma palavra, mais relevante ela se torna (já que mais pessoas podem chegar ao seu site através dela).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais