Governabilidade e o tomá lá dá cá

0

No décimo mês à frente do Governo do Estado, Marcelo Déda (PT) começa a promover uma mudança no segundo escalão que deve culminar com algumas mudanças no primeiro escalão no início do próximo ano. Como externou ontem este espaço as mudanças são naturais, mas várias delas demonstram uma falta de experiência do próprio governador que escolheu mal  parte de sua equipe, mesmo tendo tempo suficiente (três meses), para definir a equipe antes da transição. 

Nestas últimas semanas, Marcelo Déda vem enfrentando um forte direcionamento de setores da mídia por conta do estilo de governo que implementou. Se no início foi fácil conseguir a governabilidade, ao receber apoio de alguns deputados que foram eleitos em partidos de apoio a candidatura de João Alves Filho, agora vem recebendo recados diretos que é preciso “dialogar” com as lideranças dos partidos – leia-se PR e PSC, para que possa manter essa bancada de sustentação na Assembléia. Os deputados que estão do lado do governo já manifestaram nos bastidores que não desejam sair da base de coalizão e dificilmente serão convencidos do contrário mesmo com as ameaças de serem enquadrados por infidelidade.

 

O que ocorre na política de Sergipe, e em quase todo país, é que grande parte da classe política está acostumada com a política do “tomá lá dá cá”. Mesmo com um estilo que muitas vezes peca por não ouvir muito os auxiliares diretos e tomar decisões por conta própria, o governador – queira ou não – vem governando diferente de alguns gestores do passado. E tem diversas lideranças e pessoas que tinham influencia em vários governos, há mais de 20 anos, incomodadas com este estilo. Aquela história de perder muito tempo em conversas de “pé de ouvido”, ouvindo apelo de lideranças quase que não existe. Este estilo muitas vezes satisfazia o ego de alguns, mas na pratica surtia pouco efeito. Quem não lembra de um governador recente, que tinha duas maneiras de assinar os pedidos dos aliados nos ofícios. Dizia que estava tudo “certo” e enviava o ofício para o secretário. Só que pela assinatura, o secretário já sabia se era para atender ou não. E a culpa do não atendimento era sempre do auxiliar, é lógico. E aí os pedidos eram empurrados e novamente a liderança pedia audiência ao governador que ainda fazia questão de se queixar do secretário como se a culpa não fosse dele.

 

Nos primeiros meses deste ano o novo governo enfrentou uma resistência de setores da imprensa que não aceitavam o fim das chamadas cotas – que alguns insistiam em escrever que era o mensalão da imprensa (quanta maldade!) – mensais sem nenhum parâmetro sobre a penetração destes meios de comunicação na comunidade sergipana. Foi um “Deus nos acuda”, encenando-se uma campanha para desgastar a imagem da secretária Eloísa Galdino. A firmeza do governador foi determinante para que hoje a imprensa sergipana tenha seu espaço na publicidade governamental, mas sem as cotas mensais e, principalmente, sem a necessidade do atrelamento da linha editorial. Essa luta foi pregada por este espaço durante todo o ano passado.

 

Agora, o governador vê novamente alguns setores alimentando as pressões por parte da liderança do PSC e do PR. E o mais importante: essa política do tomá lá dá cá na sua grande parte era para atender anseios meramente pessoais e particulares. Ou alguém imagina que era normal apenas um grupo receber R$ 500 mil mensais do governo estadual de publicidade?

 

Existem apenas dois cenários possíveis: Ou o governador continua enfrentando as pressões de alguns “aliados de última hora” insatisfeitos com o novo modelo adotado, ou cede as pressões e começa a lotear o governo e a liberar “os desejos” deles, que levará ao mesmo caminho tomando pelo ex-governador João Alves no governo passado. Quando o ex-governador viu o que tinha feito – mesmo com o alerta de vários amigos – já era tarde. O governo estava tão loteado que ele não teve como tomar as rédeas da situação. Era tarde demais…

 

Avaliação sobre o chat com Kércio Pinto I
Este jornalista não participou do chat realizado ontem com o secretário da SSP, Kércio Pinto, mas leu todo o debate. Este espaço avalia que está na hora de mudar o discurso na área da segurança pública. Todo mundo sabe que a área foi recebida desestruturada e com a estima dos servidores em baixa, como bem disse o secretário, mas é preciso efetivação para resolver os problemas. Kércio Pinto precisa chamar a atenção do comandante da PM, coronel Péricles, subordinado dele, que parece viver fora da realidade do Estado. A impressão que se tem que não existe comando de fato na PM. Os policiais fazem o que querem em todos os sentidos, inclusive com várias viaturas sendo usadas para resolver problemas pessoais. Este espaço relatou vários casos, mas os policiais continuam abusando e nada acontece.  Ao lado do comando da PM, policiais usam os veículos para pegarem seus filhos no colégio militar e o comandante faz-se de cego, surdo e mudo. Até quando?

 

Avaliação sobre o chat com Kércio Pinto II
Uma pergunta feita a Kércio ontem por Edmilson Torres dos Anjos no chat: Por que o os carros da Secretaria de Segurança Pública (policia civil, corpo de bombeiros e policia militar) aqui em Sergipe não usam placas brancas como as utilizadas, por exemplo, pelos carros da Secretaria de Fazenda? Quando o condutor de um destes carros provoca uma infração, não dificulta a identificação? Resposta de Kércio Pinto – Conforme estabelecido no Código Brasileiro de Trânsito todos os veículos, oficiais e particulares, deverão portar placas. As viaturas policiais, recentemente locadas, deverão receber as placas de segurança (reservadas) para a identificação pelos órgãos fiscalizadores. Somente as viaturas plotadas deverão permanecer com placas oficiais. A partir de 2007, as placas reservadas que eram distribuídas para órgãos públicos não mais possuem validade. Entendimentos estão sendo mantidos com o Detran para a liberação das placas para os veículos policiais, vez que eles são locados e os registros são de outros Estados. O certo é que veículos e motos estão transitando em todo Estado sem uma identificação que o cidadão possa denunciar em casos de abusos.

 

Uso irregular do veículo do Fundo Estadual da Saúde
Sábado, por volta das 18h30 um astra prata transitava pela rodovia de Pirambu sentido Aracaju com o motorista fazendo barbeiragens na pista e causando transtornos para outros motoristas. Em determinado momento chegou a bater no fundo de outro veiculo. De dentro saiu um motorista descalço, sem camisa e exaltado. O motorista cujo veículo recebeu a colisão por trás preferiu ir embora como viu o estado do ocupante do outro veículo. A placa do carro IAA – 1331. A coluna foi investigar. Descobriu que o veículo é da ST locadora e está á serviço do Fundo Estadual da Saúde. Será que o secretário Rogério Carvalho tem conhecimento do uso irregular do veículo? O motorista estava descalço, sem camisa e não vinha, com certeza, de nenhum trabalho, em pleno sábado à noite. O veículo não tinha nenhuma identificação. Qual o motivo? E quem é o poderoso motorista que fazia tantas barbeiragens colocando em risco à vida de alguns cidadãos? Com a palavra o secretário Rogério Carvalho.

 

Insegurança em Lagarto: não é falta de viatura
De um leitor: “Cláudio venho acompanhando nos noticiários e em sua coluna, a preocupação da comunidade de Lagarto, quanto a segurança pública naquele município. Interessante que nesse final de semana prolongado e hoje (16/10/2007 às 18:45), passando em frente ao condomínio Aquário na rua Franklin de Campos Sobral no bairro grageru, presenciei uma camionete frontier da delegacia de Lagarto estacionada nesse local. Eu acho que a deficiência em Lagarto deve ser de pessoal e não de viatura”.

 

TSE estende decisão, mas deixa em aberto data para validade
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu estender a senadores, governadores, prefeitos e presidente da República a regra da fidelidade partidária de deputados e vereadores, pela qual quem troca de partido após as eleições perde o mandato. A decisão teve apoio unânime dos sete ministros.Ao confirmar deliberação anterior do TSE contra o troca-troca na Câmara, no último dia 4, o STF (Supremo Tribunal Federal) abriu o caminho para a aplicação desse entendimento a todos os políticos, porque ressaltou a importância do partido para todas as candidaturas, tanto no sistema proporcional quanto no majoritário.Ontem, os ministros do TSE deixaram em aberto a data a partir da qual essa decisão será válida. Ela poderá ser fixada pelo próprio TSE, na próxima semana, quando irá aprovar a resolução que definirá o rito dos processos de perda do mandato contra cada político, que irão tramitar na Justiça Eleitoral. Há duas possibilidades para a definição da data: ontem ou 27 de março.Em 27 de março, os ministros do TSE aprovaram a regra da fidelidade partidária dos eleitos em sistema proporcional -deputados federais, estaduais e vereadores. (Com FSP).

 

Festa da criança valorizou a cultura e a arte sergipana
Devido ao problema técnico que impossibilitou a veiculação da coluna na última segunda-feira este jornalista aos poucos, responderá todos os e-mails do final de semana. A festa da criança, realizada na última sexta-feira em parceria do governo estadual com a PMA foi elogiada pela organização. Além dos pais que levaram seus filhos a festa reuniu mais de dois mil alunos da rede ensino estadual e cerca de 450 da rede municipal, com seus professores. A polícia estimou que mais de 40 mil pessoas participaram do evento durante todo o dia. As crianças tiveram um parque de diversão, oficinas de pipa, de bonecos, de material reciclado, pula-pula, biblioteca infantil,  conselho tutelar, delegacia da criança, apresentações teatrais, de capoeira, dança das escolas estaduais e municipais, show de Lucas Aribé, lateiros curupira, valorizando a cultura e arte de Sergipe. A festa foi organizada pela primeira-dama, Eliane Aquino e teve como ponto principal, além da estrutura montada, a valorização da cultura de Sergipe. É importante despertar desde pequeno a valorização da cultura sergipana tanto desprestigiada nos dias atuais.

 

Projeto “Orla Pôr do Sol” será apresentado
O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, apresenta hoje, 17, à comunidade do Mosqueiro, o projeto de urbanização da Orla Pôr do Sol. A apresentação será às 19 horas, na Escola Municipal José Carlos Teixeira (Mosqueiro). Com foco no turismo, o projeto prevê uma completa reordenação urbanística no local. A meta da Prefeitura de Aracaju é levar mais desenvolvimento e gerar empregos diretos e indiretos no litoral sul da cidade. A nova orla será dotada de ciclovias, áreas de lazer infantil e equipamentos de ginástica, píer, restaurante, posto de informações turísticas, quiosques, módulo policial, associação de moradores e pescadores, entre outros equipamentos.

 

Conselho inocenta deputado acusado na Operação Navalha
O Conselho de Ética da Câmara aprovou por 7 votos a 0 o relatório que absolve o deputado federal Paulo Magalhães (DEM-BA), investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público pela suspeita de ter recebido R$ 320 mil da empreiteira Gautama, apontada como a cabeça do esquema desmontado pela Operação Navalha.A sessão durou menos de 30 minutos e não houve discussão em torno do parecer de Moreira Mendes (PPS-RO), que disse haver “conjecturas” contra Magalhães, além de defender que parlamentares não devem “repelir grosseiramente” pedidos para que ajam fora das “competências constitucionais”.Além da suspeita de recebimento de propina, Paulo Magalhães é investigado pela suposta tentativa de manipular a votação de um processo do Tribunal de Contas da União em favor da Gautama. Pedido nesse sentido teria sido feito a ele, em conversa gravada, pelo dono da empreiteira, Zuleido Veras.

 

“Todos nós sabemos o quanto é comum sermos instados a intervir em assuntos estranhos à nossa competência constitucional. E não se pode exigir que o parlamentar repila grosseiramente tais pretensões, até porque isso seria contrariar a própria natureza do exercício do mandato. O mais freqüente é ouvir a reivindicação e deixar para posterior exame a solução ao problema apresentado, quase sempre inexistente. Do diálogo posto em destaque revela apenas a existência de um desses pedidos”, escreveu Moreira. (FSP).

 

Traje esporte
Coluna Painel, no espaço Contraponto, da FSP, de hoje, 17, com o titulo Casual: “A Assembléia de Sergipe concedeu recentemente uma medalha ao secretário estadual de Turismo, João Augusto Gama. Na mesa de premiação estavam o governador Marcelo Déda (PT) e o senador Almeida Lima (PMDB). Presente, o ex-prefeito de Aracaju e deputado Jackson Barreto (PMDB) foi ignorado pelos organizadores, o que motivou comentários na platéia. Para contorná-los, o presidente da Casa, Ulices Andrade (PSDB), explicou: -Muitos estão se perguntando por que Barreto não está aqui na mesa. Quero que todos saibam que não é por falta de prestígio, mas sim por falta de gravata! Para alívio dos organizadores, ele vestia traje esporte”.

 

Assembléia Geral do SINTUFS
Nesta quinta, 18, a partir das 9h, na Sala dos Conselhos Superiores da UFS, a Diretoria Executiva do SINTUFS promoverá uma Assembléia Geral Extraordinária (AGE) para discutir e deliberar a respeito de assuntos de grande importância para a categoria técnico-administrativa, destacando-se a participação da categoria no Programa de Ações Afirmativas da UFS – PAAF, vinculado ao Núcleo de Estudos Afro-brasileiros – NEAB/UFS. A AGE é uma das principais instâncias de poder da categoria técnico-
administrativa em educação da UFS, com caráter eminentemente deliberativo.

 

Frase do dia
“Não é debalde que se levanta a voz contra o mal./É preciso um gesto de rebeldia.” José Sampaio, poeta sergipano.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários