Heróis pela Liberdade

0

                                                                         A vida de nossos heróis do passado constitui um sacrário que devemos manter com reverência

Busto Aurélio Vieira Sampaio (Fotos: Lúcio Prado)

A Academia Sergipana de Medicina abriu oficialmente, com grande brilhantismo, o seu Ano Acadêmico em 2020, com uma sessão solene especial que aconteceu em 4 de março último, no auditório da Clinradi. O evento ficará marcado na história da entidade, pelo propósito nele contido: a homenagem ao Tenente Aviador Aurélio Vieira Sampaio, morto em combate na Itália, na campanha da FAB na Segunda Guerra Mundial, trazida a lume pela belíssima e consistente conferência do acadêmico William Soares.

Lucio abrindo a solenidade

Tive o privilégio de abrir e conduzir o evento na condição de Secretário-Geral do sodalício. Na sua conferência, o Acad. William Soares traçou um paralelo de coincidências das ações do Brasil a partir da Primeira Guerra Mundial e principalmente da ação da FEB na Itália, na Segunda Guerra, onde dois sergipanos participaram de importantes missões aéreas, os pilotos Paulo Costa e Aurélio Vieira Sampaio, este morto na sua 16ª missão. Destacamento da FAB em Aracaju se fez presente à sessão, sob o comando do Capitão André Marcelo da Silva, chefe do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Aracaju ( DTCEA-AR), que também se pronunciou no final da sessão.

Mas não foi somente o agrupamento aéreo que se destacou nos céus da Itália. Os pracinhas brasileiros deram também sangue, suor e lágrima pela causa da liberdade, com feitos notáveis, apesar de toda a inexperiência em conflitos e a precária logística tática e de deficiência de equipamentos bélicos. A eles deveremos sempre, mesmo passados quase 80 anos do conflito. Mas voltemos à solenidade. Além da presença de familiares do Tenente Aurélio, entre eles a irmã dele – a Sra. Consuelo Vasconcelos, acompanhada do esposo o Sr. Alcides Prado Vasconcelos e filhos – foram apresentados aos presentes os componentes do Grupo Sergipano de Estudos da FAB – GRUSEFE, recentemente instalado em nossa cidade e já responsável por várias ações que resgatam a história dos nossos heróis da FAB. Eis aí uma nobilitante causa!

O Tenente-aviador Aurélio – nascido em 31 de maio de 1923, em Aracaju, ele foi piloto do 1º Grupo de Aviação de Caça, e terminou sendo abatido aos 21 anos, na sua 16ª missão de combate sobre a Itália, compondo o 350th Fighter Group. Entre outras condecorações recebidas após sua morte, o militar foi agraciado com as medalhas da Campanha de Itália e a Cruz de Bravura. Seus restos mortais estão sepultados no mausoléu do Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Sergipe ainda deve uma grande homenagem a este vate.

Gostaria de ressaltar a iniciativa da Academia Sergipana de Medicina, em iniciar o seu Ano Acadêmico de 2020 com essa incrível homenagem. Como disse na abertura do evento,  “a vida de nossos heróis do passado constitui um sacrário que devemos manter com reverência, e o culto dos valores maiores e dos heróis da Pátria constituem os verdadeiros alicerces da nacionalidade. Aqueles que se sacrificaram pela Pátria merecem a gratidão das gerações presentes, e nós, ao relembramos as suas vidas, prestamos-lhe com justiça singela a sincera homenagem.”  O texto em epígrafe não é o nosso, está contido no documento “Esboço Biográfico e Cronológico do Major José Sabino de Britto (Campanha do Prata e do Paraguai)”, de autoria do Cel. EB José Britto da Silveira (neto do biografado) e filho do Major Neto – Francisco Silveira Neto – que foi Comandante geral da Policia Militar de Sergipe e amigo fraterno da nossa família, particularmente do meu pai – o jornalista Antonio Conde Dias – do qual, além de amigo, tornou-se compadre.

Um antigo projeto da Associação Médica Brasileira, de autoria do Dr. Júlio Sanderson, já falecido, mas que nunca evoluiu, chamava-se “Heróis de Curar”, com o objetivo de perpetuar em monumentos, os médicos que construíram a história universal, alguns deles brasileiros. Pretendemos um dia, resgatar essa iniciativa. Enquanto isso não vem, brasileiros e sergipanos que lutaram pela liberdade no norte da Itália, não podem ser deixados no esquecimento. Como bem disse o eminente jurista e político sergipano Fausto Cardoso, na obra “Concepção Monística do Universo”, publicada em 1892, a liberdade só se prepara na história com o cimento do tempo e o sangue dos homens.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários