Liderança em Jogo

0

“Em média os líderes trabalham 51 horas por semana. Não é de surpreender que se sintam sobrecarregados.”

Leadership Forecast 2005-2006[1] HSM Management 57 julho-agosto 2006- Alta Gerência

Uma pesquisa realizada em 2005-2006 pela consultoria internacional Development Dimension International – DDI buscou analisar como são percebidas, em todo o mundo, as forças e as capacidades dos líderes, bem como o que é na verdade ser líder. Desta pesquisa fizeram parte 4.559 líderes, 944 profissionais de RH de 36 setores de atividades e em 42 países do mundo e das organizações pesquisadas 63% empregam mais de 1.000 pessoas.

 

Como resultado dessa pesquisa foram geradas 31 descobertas sobre liderança; todavia, nesse artigo estaremos comentando algumas descobertas que estejam intimamente relacionadas com o pensamento criativo.

 

Através da descoberta de número 10 constatou-se que apenas 42% desses líderes possuiam um plano desenvolvimento, um objetivo de vida ou uma missão pessoal. Este é o primeiro balizador do pensamento criativo, quando se afirma que é necessário que cada indivíduo saiba definir, desde muito cedo, o seu objetivo de vida, quais são as suas forças ou talentos natos e quais são as suas fraquezas que poderão dificultar o atingimento do seu objetivo e que ações se fazem necessárias para trabalhar e desenvolver esses pontos de fraqueza.

 

Quando iniciei a minha jornada em 1995 visando o resgate e desenvolvimento do meu pensamento criativo a primeira surpresa e “pancada” que recebi foi na noite de abertura de um seminário realizado pelo Ilace[1] em Serra Negra, SP. Na primeira sessão do evento, depois da abertura o Leão de Carvalho[2] perguntou: “Quem aqui presente tem um projeto de vida para os próximos quinze anos?” Nesse momento, vale salientar que éramos um grupo de 50 pessoas. O silêncio pairou na sala e timidamente umas oito pessoas no máximo levantaram as mãos. Leão de Carvalho surpreso perguntou novamente: “Quem dos presentes, tem um projeto de vida para 10 anos?” Novamente o silêncio imperou e as mesmas pessoas levantaram as mãos. O Leão de Carvalho continuava questionando: “Quem tem um projeto para 5 anos?”, perguntou ele, novamente. E, mais umas duas ou três pessoas levantaram as suas mãos. O Leão de Carvalho, deu uma volta olhando para todos nós. O seu olhar nos mostrou naquele momento o quanto a maioria de nós estavamos despreparadados para enfrentar o futuro.

 

Depois bem sério ele afirmou: “Senhores, a maioria de vocês são responsáveis por grandes empresas, a maioria de vocês geram com suas decisões ações as quais por sua vez definem e norteiam a vida de centenas, até milhares de pessoas e vocês estão dizendo aqui que não sabem para onde querem ir, que rumos, caminhos ou projetos querem abraçar para os próximos cinco anos, no mínimo?”Como serão capazes de cobrar das suas equipes decisões se vocês mesmos não sabem precisar, nem mesmo pensaram onde desejam estar nos próximos anos cinco anos, pelo menos?” Pensem a respeito. Isto é muito grave!

 

Depois ouvi alguns comentários irritados de alguns pretensos líderes pegos de surpresa e que estavam no seminário. Mas, daquela noite eu nunca esqueci mais. Realmente como eu poderia  desenhar o meu futuro, se eu mesmo nao sabia para onde queria ir? A partir de então comecei a acompanhar o meu projeto de vida, a reorientá-lo, a buscar aprender mais para realizá-lo ou conversar com aliados para sair desse impasse.

 

 

“Senhor Gato, Bom dia! Tenho dois caminhos à minha frente. Qual deles devo escolher?“ perguntou Alice?

“Depende.”, respondeu o Gato do alto de um galho. “Depende para onde queres ir. Para onde desejas ir bela menina?” perguntou o Gato.

“Não sei, não sei mesmo! “, respondeu Alice.

“Bem, se não sabes para onde queres ir, qualquer caminho serve…” respondeu o gato.

“Diálogo entre Alice e o Gato no livro Alice no País das Maravilhas”

 

A partir desse dia entendi porque ter um objetivo em mente é tão importante para cada pessoa que realmente queira fazer a diferença na vida. E considerei a importância e a necessidade de ajudar às pessoas a definirem um projeto de vida em todos os programas ou seminários que conduzi e, ainda hoje, mais do que nunca, incentivo às pessoas com as quais trabalho para que definam com clareza o seu projeto de vida ou a sua missão pessoal. E como consequência disto já acompanhei o sucesso de dezenas de pessoas que realmente fizeram essa definição e investiram no seu projeto de vida, levaram a sério, correram atrás do seu sonho e o tornaram realidade.

 

É interessante observar que não basta apenas ter o projeto de vida, é fundamental também querer torná-lo realidade, uma vez que, só sonhar não resolve tudo e nem muito menos garante a sua realização. É importante ter a noção e a certeza de que entre o sonho e a sua realização há muito trabalho, muita conversa e muita ação também. Cada um de nós é responsável pelo seu próprio sonho e pela oportunidade de torná-lo realidade. Ninguém mais é responsável por isto.

 

Mas, o que tem a liderança com tudo isto? Um projeto de vida, um plano de desenvolvimento pessoal é algo que apenas os líderes devem ter definido? Claro que não; cada ser humano precisa ter bem definida a sua missão de vida, ou seja, o que veio fazer nesse planeta e que legado precisa deixar para que a sua vida não tenha sido em vão ou inóqua. Para que não seja apenas um nome, numa certidão e que na sua terceira geração já terá sido esquecida.

 

Se um projeto de vida é importante para todos os seres que querem fazer uma pequena diferença no Universo o que se diz para um líder que serve de espelho para dezenas, centenas e muitas vezes para milhares de pessoas?

 

Não dá para ser líder apenas por decreto. Não dá mais para acreditar que pode ser líder apenas pelo grito. As pessoas hoje em dia apenas fingem que aceitam esse tipo de liderança e quando o poderoso líder lhes dá as costas fazem apenas aquilo que acreditam.

 

A liderança não é apenas um cargo como muitos ainda acreditam até hoje. Um líder de respeito lidera pelo exemplo e pela sintonia entre o que diz e o que faz. Belos discursos já não influenciam as pessoas, belas frases de efeito já não encantam mais como antigamente.

 

A liderança é, na verdade, uma atitude e como sendo uma atitude poderá ser desenvolvida e praticada com simplicidade e honestidade. Os verdadeiros líderes inflamam pelo exemplo, pela singularidade das suas palavras e pela coerência dos seus gestos. Mais do que qualquer ser humano sabem trazer para si mesmos a responsabilidade pelos seus erros e mais do que qualquer um sabem que errar é preciso, mas permancer errando continuamente é burrice.

 

Os verdadeiros líderes são exigentes, são práticos e objetivos, são transparentes em gestos e ações e sabem que são um espelho para as suas equipes, por esse motivo olham para si próprios nos momentos de fraqueza e compartlham dom toda a sua equipe os seus momentos de alegria e felicidade.



[1] ILACE – Instituto Latino Americano de Criatividade e Estratégia

[2] Naquela ocasião Diretor e Coordenador dos programas de desenvolvimento em processo criativo.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários