Medidas de segurança

0

O fugitivo Floro Calheiros continua mostrando que não está para brincadeira. Conseguiu até inverter a lógica: está perseguindo segmentos da Segurança e do Ministério Público. Não faz diligências, lógico, mas atua para tentar denunciar um sistema podre que pode estar funcionando por trás de uma rotulação de seriedade e dignidade. É possível que não se possa levar em consideração o que fala um cidadão procurado pela Polícia e que não pode conviver com a sociedade, mas também não se deve desprezar documentos possivelmente enviados ao Ministério da Justiça, denunciando vícios cometidos por cidadãos, que têm o dever de exercer e fazer cumprir a lei no Estado. Não se pode acalentar qualquer mínimo de dúvida em relação a promotores, juizes, desembargadores, delegados, enfim, autoridades que têm o timbre da honestidade e que são os guardiões do direito. Principalmente no combate às ilicitudes e radicalmente contrários à corrupção. Floro Calheiros continua sendo a mosca que caiu na sopa do secretário Luiz Mendonça… Ontem, pela manhã, um cidadão que tem livre trânsito nos corredores do poder, revelou que o secretário Luiz Mendonça só tem uma única condição de permanecer à frente da Segurança: se trouxer Floro Calheiros de volta para a cadeia – e que não seja na Primeira Delegacia Metropolitana – ou prender o “ausente” ex-deputado Antônio Francisco. Sem uma ação do tipo, dificilmente o governador João Alves Filho (PFL) terá argumentos para segura-lo no comando da Polícia em Sergipe. O caso de Boquim pode ter sido a última gota d´agua, porque a situação já estava insustentável desde quando Floro Calheiros fugiu da Delegacia, pela porta da frente, com a tranqüilidade que uma criança deixa a escola e é levada pelos pais. O retorno de Luiz foi um equívoco. Aliás, um sentimento de solidariedade do governador João Alves Filho com um dos seus auxiliares que vinha – e vem – sendo bombardeado pela sociedade. Ninguém tenha dúvida, que o Ministério Público é a instituição que tem maior credibilidade a nível estadual e federal. É lá que o cidadão busca e encontra os seus direitos. Jamais algum dos seus integrantes deveria ser liberado para exercer cargos públicos, porque todos eles estão vinculados à política e vulneráveis às facilidades oferecidas, quando se tem o comando administrativo e financeiro. Foi um erro clamoroso se indicar um membro do Ministério Público para ser interventor de uma cidade cobiçada como Canindé do São Francisco. Porque ser interventor, com poderes de prefeito, não caberia a nenhum cidadão que tem a missão de fiscalizar, com intensidade, o dinheiro do povo. Aliás, o comando da interventoria de Canindé esteve sob os cuidados de um triunvirato de procuradores, que decidiam os destinos da cidade. É bom lembrar que se diagnosticou um rombo de 50 milhões de reais deixados pelo ex-prefeito Genivaldo Galindo. Mas até hoje não se explicou onde se gastou tanto dinheiro ou como se chegou a essa conclusão. Apenas isso, um rombo de R$ 50 milhões que simplesmente foi detectado e ficou por isso mesmo. O estranho é que ninguém se pronuncia e a sociedade não sabe se o rombo era realmente de tamanho teor ou se fora superdimensionado. É bom lembrar que nada se tem contra Luiz Mendonça, mas o fato dele ser um procurador de justiça não lhe dá a obrigatoriedade de ser um bom secretário de Segurança e nem o deixa imune às críticas e comprovações de denuncias que envolvem seu nome. Aliás, quem mais deve satisfação à sociedade é exatamente quem zela por ela, para que tenha condições de continuar denunciando, punindo, aplicando a lei e desmascarando corruptos, ladrões, assassinos, traficantes e qualquer um que se locuplete de suas funções, para promover desmandos com o dinheiro público. A autoridade policial e jurídica não é para se temer, mas para se respeitar (ou se fazer respeitar), desde que não haja uma única fissura em seu comportamento como cidadão. Ninguém pode esconder que Sergipe passa por um momento complicado na sua área de Segurança, inclusive pela política interna que se pratica no setor. Isso sugere uma providência imediata do Governo, para que João Alves Filho não deixe apenas na retórica a sua promessa de que em sua administração lugar de bandido é na cadeia. No momento não está sendo, tanto que Floro Calheiros está invertendo a situação, enviando dossiês ao Ministério da Justiça, com pretensas denuncias contra quem tem a responsabilidade de coloca-lo na penitenciária. É lamentável. DISCURSO O senador José Almeida Lima (PDT) estava pronto para fazer um pronunciamento, esta semana, denunciando desmandos administrativos na Prefeitura de Aracaju. Não houve espaço e Almeida já está se programando para ir à tribuna na terça ou quarta-feira, para esse discurso que ele considera “bombástico”. CONTEÚDO Almeida Lima está mantendo o mais absoluto sigilo em torno das denuncias, porque pretende surpreender até mesmo o prefeito. Com insistência deixou escapar que “são coisas como pagamento de obras que não foram realizadas e coisas do gênero”. TRANQUILO Da primeira vez que foi consultado sobre esse pronunciamento, o prefeito Marcelo Deda disse que estava absolutamente tranqüilo, porque tinha certeza da lisura do seu Governo. Lembrou, entretanto, que era católico, mas não tinha vocação para santo: “não sou daqueles que dão a outra face para bater”. REUNIÃO O deputado federal José Carlos Machado (PFL) convidou os membros da bancada para uma reunião, hoje, a fim de discutir as emendas orçamentárias. Da reunião anterior participaram poucos parlamentares e é possível que, do encontro de hoje, seja consolidado Machado como o coordenador da bancada. . REFORMA O governador João Alves Filho (PFL) deve promover uma mudança leve em seu secretariado, no início do próximo ano. Segundo um dos seus auxiliares, isso normalmente acontece no início do segundo ano de Governo, com o objetivo de ajustar a máquina. POLÍTICA João Alves Filho vai permanecer estes próximos 20 dias envolvidos com a reforma Tributária e com as emendas para o orçamento de 2004. A partir de novembro iniciará um trabalho mais voltado para a administração propriamente dita e para a política, visando as eleições municipais. SUCESSÃO Dentro do Governo existe um grupo que considera a deputada Susana Azevedo (PPS) com capacidade de trabalhar com maior intensidade uma eleição majoritária. Acha que Susana não poderá ficar de fora da chapa majoritária. Mas será difícil a deputada abandonar a Assembléia para ser vice-prefeita. TRABALHO Embora ainda não anuncie, por considerar muito cedo, Susana Azevedo é a candidata do PPS à Prefeitura de Aracaju. Trabalha para contar com o apoio do Governo e admite que o candidato a vice tenha que ser um nome de igual penetração em todas as áreas da capital. DÉDA O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda (PT), fez palestra, ontem, na Comissão Especial da Reforma Tributária do Senado, como presidente da Frente Nacional dos Prefeitos de Capitais. Marcelo Déda deixou claro que os prefeitos iriam lutar para manter o que fora aprovado na Câmara, que aumenta a receita da capital em R$ 3.6 bilhões. “Não vamos recuar disso”, disse. MINISTÉRIO Voltou-se a comentar, ontem, em Aracaju, que o prefeito Marcelo Deda ocuparia um Ministério no Governo Lula, quando concluísse o seu mandato. Seria no lugar de Olívio Dutra, ministro das Cidades, para que Marcelo Deda disputasse o Governo do Estado em 2006. PEDRINHO O secretário do Turismo, Pedrinho Valadares (PFL), começa a ter mais espaço no Governo, para que seu nome seja lançado à Prefeitura de Aracaju. Embora ainda não se esteja discutindo isso, o governador João Alves Filho defende o lançamento de três ou quatro candidaturas do seu grupo, para provocar o segundo turno. ESTÂNCIA O juiz Walter Rabelo, de Estância, reconheceu que o ex-deputado Nelson Araújo tinha razão quando disse que ele não tinha competência para exercer funções administrativas na Prefeitura. Justificou, entretanto, que da forma como se encontrava a administração municipal não havia outra forma de procedimento. CÂMARA Walter Rabelo passou a tarde na Câmara Municipal, explicando a situação da Prefeitura e a função da Comissão que analisa débitos e créditos. Segundo ele, a Comissão pode avaliar e cortar pagamentos, mas não tem condições de afastar o prefeito e nem operar administrativamente. Notas BANCOS No dia 19 de outubro (domingo) começa a funcionar o horário de verão. Embora o Estado de Sergipe não tenha sido atingido pela medida, algumas agências do Banese ganham novos horários de funcionamento, para se adequar ao resto do país. Os demais bancos também vão alterar os seus horários, em razão da compensação. O Banese em Aracaju funcionará das 9 às 15 horas. As agências do interior que atendem de 10 às 15 horas, ficam das 8 às 13 horas e as que funcionam das 8 às 13 horas continuam a funcionar no mesmo horário de sempre. REAÇÃO Funcionários do Banese estão iniciando um movimento para evitar a sua privatização, inclusive porque se trata de uma instituição bem estruturada, que dá lucros, atende bem aos seus clientes e é um dos poucos bancos oficiais que conseguiram se salvar de más administrações e mostrou a capacidade de um trabalho com gente de casa. Neste momento, o Banese também demonstra segurança nos negócios, crescimento e a tendência nacional para o fomento, tudo fruto do trabalho diretivo, mas, principalmente, dos seus funcionários e clientes que se orgulham de manter vivo um banco da terra. GAZETA O fechamento temporário da Gazeta de Sergipe deu margens a várias especulações, até o momento pouco comprovadas e inconsistentes. O ex-governador Albano Franco realmente conversou sobre a situação da empresa, assim como o fez o prefeito Marcelo Déda, o governador João Alves Filho e setores do comércio, através de Gilson Figueiredo. A informação, entretanto, mais consistente é de que o publicitário Nazário Pimentel assume a diretoria executiva, permanecendo o restante da forma como está. A previsão de reabertura da Gazeta é 3 de novembro. É fogo O governador João Alves Filho (PFL) se encontra em Brasília. Manteve audiências e conversou com senadores sobre a reforma tributária. João Alves também começou a conversar com o pessoal sobre as emendas do orçamento. Quer que todos pensem no desenvolvimento de Sergipe. O deputado federal José Carlos Machado (PFL) disse que todos os membros da bancada federal desejam o melhor para o Estado. O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) é um nome influente nas decisões políticas de Sergipe. As candidaturas municipais do grupo passam por sua opinião. O deputado federal Jackson Barreto (PTB) está entusiasmado com o trabalho que vem realizando em favor dos excluídos em razão dos transportes coletivos. Jackson Barreto diz que milhões de pessoas deixam de trabalhar e estudar porque não têm dinheiro para passagens de ônibus. O deputado federal Bosco Costa (PSDB), como presidente da CPI da Pistolagem, pode trazer os membros da Comissão a Sergipe. O deputado Zé Milton está descontente com o diretor do DER, Lindemberg Lucena, que não atendeu ao seu pedido de fazer uma pista de motocross em um bairro de Itabaiana. O governador João Alves Filho agora fará uma reunião com os candidatos a vereador pelo PT do B, quando retornar de viagem. O prefeito de Poço Redondo, frei Enoque (PL), só quer falar em eleições municipais a partir do próximo ano. Ele já está com domicílio eleitoral em Canindé do São Francisco. A prefeita Rosa Feitosa, de Canindé do São Francisco, continua liderando as pesquisas de opinião pública naquela cidade. A decisão do radialista Fábio Henrique em disputar uma das vagas da Câmara Municipal pelo PSB, faz com que o grupo das oposições, no Estado, saia fortalecido. A deputada Ana Lúcia Menezes (PT) está solicitando ao Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Educação, a reforma geral e reativação da Escola Ephifâneo Dórea. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários