Meia Maratona de Revezamento: um encontro de amigos

0
(Foto: César de Oliveira)

Talvez esse texto diga mais sobre amizade do que exatamente de corrida. No último domingo, 1º de fevereiro, foi realizada a 1ª Meia Maratona de Revezamento do Colégio Salvador, uma prova que reuniu 600 corredores, entre profissionais e amadores. E em meio a esses dois perfis, estávamos nós: amigos. Bem verdade que, no geral, essa corrida foi um grande encontro, que celebrou também os 80 anos da instituição de ensino.

Desde o final de 2014, quando a corrida foi anunciada, a única certeza que tínhamos era o nome da equipe: Gee-O-Die. Era nossa adolescência ainda transbordando pelo cenário idílico do rock, quando a responsabilidade era amena e a felicidade um primor embalado pelos cânticos e acordes musicais. O epíteto, que nos representou na corrida da Meia Maratona de Revezamento, nada mais é do que a lembrança mais intensa de uma banda de hardcore que fez o que hoje somos: amigos.

(Foto: César de Oliveira)

O benefício da corrida de rua não está somente no momento exato da prova. Digo isso justamente porque semanas antes dessa meia maratona de revezamento, cada um do grupo procurou fazer seus treinamentos – por vezes juntos, o que nos uniu ainda mais. No sábado, dia anterior, marcamos para pegar o kit no Colégio Salvador e cada um conversou sobre o que não iria fazer para acordar bem no domingo. O detalhe é que havia uma luta de Anderson Silva em plena madrugada. Márcio e Sinho dormiram logo. Eu e Clayton conseguimos assistir.

Antes das 5h30 da manhã de domingo, as primeiras mensagens de ‘bom dia’ dos grupos do whatsapp começaram a aparecer. O “Runners Aju” foi o primeiro, com uma foto às 4h48. O Gee-o-Die acordou e logo já estávamos nos comunicando, assim como o grupo dos “Quase Atletas”. A animação no mundo virtual parecia estar à base de energéticos. Alguns preocupados se fulano havia acordado e outros com dores na barriga, após um sábado tóxico. Chegamos antes das 7h, horário previsto da largada, e uma multidão já marcava presença.

Cento e cinquenta corredores largaram, enquanto os demais 450 ficaram à espera do revezamento. O sol dispensou qualquer sentimento e começou a fazer sua graça bem cedinho. Em pouco mais de 16 minutos chegaram os dois primeiros colocados. Clayton, o primeiro da Gee-O-Die, cruzou com aproximadamente 28 minutos, quando passou a munhequeira para José Waldson, vulgo Sinho. Enquanto isso, aproveitei para fazer umas fotos – ver galeria do blog www.milcorridas.com – e em seguida me posicionei na área de transição.

A área de transição, bem que merecia um texto à parte. Tensão, inquietude e ansiedade em um só lugar. O local era um anelo de pessoas loucas para correr. O olhar de quem aguardava só apontava para a curva antes da chegada. Foi difícil controlar o ímpeto da expectativa. Enquanto um chegava cansado, o outro, ainda em pleno vigor físico, recebia a munhequeira e disparava. Com esse, não ia apenas um acessório de identificação, mas sim todo o suor e arrojo daquele que antes enfrentou a pista. Que clima sensacional! O espírito do revezamento está justamente nisso: uma equipe, um corpo.

Quando Sinho chegou, senti todo esse clima. Ele me passou o pacote completo: munhequeira, energia e transpiração. Tanto que fiz meu melhor quilômetro desde quando comecei a correr; 5min16s. Não consegui manter o ritmo, apesar do esforço. Na ida errei em não beber um gole de água sequer. O percurso, uma área nova e descampada, favoreceu a ação do sol. No meio do caminho, no entanto, tivemos um refresco: um carro pipa dando um chuveirada providencial. Fechei os 5.250 metros em 29min12s, com média (pace) de 5min38s. Essa foi pra conta: mais uma corrida antes de morrer.

Passei a munhequeira para Márcio com a mesma energia que recebi. Após receber a medalha ficamos aguardando a chegada dos outros corredores. Com Márcio fechando o revezamento em último, a equipe Gee-O-Die terminou os 21km em 37º lugar, com o tempo de 1h56min. Foi um resultado bastante positivo. Não só pelo tempo, mas pela amizade que se fortaleceu diante do que estamos fazendo através da corrida de rua. Como disse meu amigo Sinho em uma postagem no Instagram: “O poder da amizade fazendo você correr e sentir feliz”.

1ª Meia Maratona de Revezamento do Colégio Salvador

Quando uma corrida possui uma denominação numérica é certo que teremos outra. A saber pelo que aconteceu nessa 1ª Meia Maratona de Revezamento do Colégio Salvador,  os corredores já podem ir preparando suas equipes e treinando para as demais provas. A organização foi impecável. Água gelada no ponto de hidratação durante o percurso e na área de transição! Isso é muito importante em uma corrida. O espaço interno do colégio se transformou uma enorme área de convivência; um conforto a mais para os exaustos corredores. O kit, com camisa, viseira e medalha, foi muito bonito. O evento fez parte das comemorações dos 80 anos do Colégio Salvador. Parabéns à instituição de ensino e a todos os corredores que abrilhantaram o momento. Quando será a próxima?

Dobradinha no pódio

O grupo “Pé no Chão” deveria se chamar “Pé no pódio”. O grupo, além de muito unido, é veloz. Não há uma corrida no Estado onde eles são conseguem uma boa colocação. Nessa 1ª Meia Maratona de Revezamento do Colégio Salvador, a “Pé no Chão A” e “Pé no Chão B” ficaram em primeiro e segundo, respectivamente, na categoria masculino. Em quinto lugar, com merecidas ressalvas, ficou a equipe “Faca na Caveira”, formado pelos corredores Walter, Wilson, Bruno e Alexsandro. “As Perigosas”, outra equipe formada pelas alunas da Zona Alvo, conquistaram a primeira colocação na categoria feminino. Também da mesma consultoria esportiva, a equipe “Quarteto fantástico” ficou em quarto na categoria mista.

Tô correndo

Até a próxima quarta-feira, 4, o fotógrafo César de Oliveira, através do site www.tocorrendo.com, irá publicar as fotos da 1ª Meia Maratona de Revezamento do Colégio Salvador. Como já deixei registrado aqui neste blog, César, além de fazer um excelente trabalho dentro do universo político, é o cara das imagens esportivas quando o assunto é corrida de rua.

Corrida da Praia

Continuam abertas as inscrições para a Corrida da Praia, que acontece no dia 1º de março de 2015, nas areias da Aruana, com percursos entre 5km, 10km e 15km. O kit completo (camisa, sacola, squeeze, viseira, número, chip e medalha) custa R$ 65,00; o kit básico (número, chip e medalha), custa R$ 50,00. A inscrição on line pode ser feita pelo site da Conceito Soluções Esportivas – www.conceito-se.com. A presencial acontece nas lojas Coisas Nossas, Ecocciclo Bike e Competir. Mais informações pelo telefone (79) 3024-5955 ou pelo whatsapp (79) 8126-4948.

1º Cross Country de Aracaju

No dia 21 de fevereiro será realizada o 1º Cross Country de Aracaju, uma prova que visa preparar os atletas para a Corrida Cidade de Aracaju. O kit básico (Camisa Dry-Fit, viseira, munhequeiras e medalha de participação), está no valor de R$ 50,00. O kit completo (Camisa Dry-Fit, calça De lycra cross country, viseira, munhequeiras e medalha de participação), custa R$ 100,00. O local da prova será na rua Colombia, bairro Marivan. A concentração será a partir das 14h45, com largada prevista para as 15h45. A inscrição é presencial, na Jaime Madureira Clube De Corrida, que fica localizada na avenida Poeta Salles Campos, 757-A, bairro Coroa do Meio. Corram porque são apenas 150 vagas. Mais informações pelo telefone (79) 9946-6447.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários