Momento de disputa

0

O deputado federal Heleno Silva (PL), que integra a base do Governo Federal no Congresso Nacional, durante uma reunião do grupo, foi muito claro: “se vocês pensam que vou votar contra Sergipe estão muito enganados”. O deputado federal José Carlos Machado (PFL), um dos políticos que tem bom acesso a todas as tendências partidárias, e trata as divergências ideológicas com respeito e naturalidade, apelou para que houvesse “unanimidade na questão de Sergipe”. Machado acha que “é preciso acabar a ciumeira, porque isso só prejudica o Estado. A disputa eleitoral tem o seu momento e é lá que cada um defende suas idéias e expõe o contraditório”. De fato, a sociedade não aceita mais posições radicais que torce para que a administração do adversário não dê certo e prejudique o povo, para que se tire proveito eleitoral disso. Embora o eleitorado escolha os candidatos que, na visão de cada um, tenham melhores condições de gerenciar a coisa pública, não se acredita que os eleitores que deram seu voto a quem perdeu, passem a torcer para que tudo não dê certo. João Alves Filho foi eleito. Mau para os seus opositores. Mas não a ponto de ficar na torcida para que Sergipe se transforme em um caos. Até vibrar com o crescimento da miséria, da fome, do desemprego. Ou por se ter menos saúde, insegurança e um desequilíbrio social que leve o Estado à rés do chão. Venceu João. Bom para o seu grupo. Quem não puder ajudar para o êxito de sua Administração, que não atrapalhe. Critique, proteste, denuncie, vote contra aos seus projetos. Tudo isso é válido. Menos torcer para não dá certo. Se o eleitor fosse José Eduardo Dutra, também não se admitiria uma torcida pelo fracasso. Sergipe está acima de todos esses políticos. Porque eles passam, são esquecidos e se tornam pessoas comuns. Mas o Estado continua e precisa se desenvolver com a sua gente… Não precisa mais dizer aqui o que o povo brasileiro está pensando do Governo Lula. Há um despreparo presidencial, enquanto seus ministros entram em conflito no que é melhor para a nação. Lula retroagiu no seu ímpeto de lutar pelas igualdades sociais e pela redução do abismo regional, colocando goela adentro da população uma Reforma da Previdência que castiga os inativos, com a taxação dos seus parcos salários, e atinge pensionistas. Agora quer aprovar uma reforma Tributária que beneficia, exclusivamente, os Estados ricos, tirando dos pobres. Será que é difícil entender que a cobrança do ICMS na fonte não favorece o Nordeste e massacra os seus Estados, que vivem do que adquire em São Paulo? Dá para entender a isenção do petróleo e energia, na cobrança do ICMS na fonte, só porque são produzidos pelo Nordeste e tem São Paulo e Minas como maiores consumidores? Trata-se, realmente, de uma discriminação. Uma ação proposital para tornar os Estados nordestinos mais pobres e dependentes. Neste momento, prefeito Marcelo Deda, senador Valadares, deputado Jackson Barreto, Sergipe é muito maior do que o apoio que se dá ao presidente Lula da Silva. É maior do que prega João Alves Filho ou do que grita o deputado João Fontes. Neste momento está em jogo o destino de um Estado, que cada um dos senhores pode administrar amanhã, nas mesmas conseqüências. Não dá para suportar que o CPMF, criado pelo senador Antônio Carlos Valadares com o objetivo de destinar recursos para a saúde, se transforme em permanente, se desvincule dos seus objetivos iniciais, mantenha-se a 0,38% e os Estados e Municípios não recebam absolutamente nada por isso. É um absurdo se imaginar que, se houver uma vitória daqueles que estão a favor de uma democratização das reformas, eles marcam pontos eleitorais, mesmo que tudo esteja sendo feito em defesa da sociedade. Em defesa do próprio Marcelo Deda, que vai disputar o Governo dentro de mais três anos. É Lula lá e Sergipe cá. Esse é o lema de quem defende o Estado e precisa de recursos para construir um futuro melhor. As reformas não podem ser aprovadas para satisfazer os ricos e massacrar os mais pobres… ETAPAS O governador João Alves Filho (PFL) admitiu que a falta de quorum, ontem, para votação do parecer do relator da reforma Tributária, foi apenas uma etapa da luta. João Alves acha que o Governo Federal está agindo de forma arbitrária, substituindo deputados que podem votar contra o projeto. REUNIÃO O Governo Lula conseguiu marcar para hoje a nova reunião da Comissão Especial da Reforma da Tributária, para tentar aprovar o parecer do relator. O pessoal está substituindo, na Comissão, até mesmo os parlamentares da base governista que podem votar contra o parecer. PLENÁRIO O governador João Alves Filho disse, ainda, que a participação dos governadores e prefeitos vai acontecer quando o projeto for para votação em plenário. Está marcada uma reunião de governadores para a próxima terça-feira, mas, com a antecipação da reunião da comissão para hoje, pode ser que ela não aconteça. ATUANDO João Alves Filho estava ontem em São Paulo, mas retorna hoje a Aracaju. Diz que vai falar com todos os parlamentares para mostrar o mal que a Reforma Tributária fará a Sergipe. João só não conversa com Jackson, porque o considera odiento. Conversará com Valadares, porque o irmão dele, que é prefeito de Simão Dias, será uma vítima da reforma. JOÃO FONTES O deputado federal João Fontes (PT) já estava no avião para vir a Aracaju, quando soube da antecipação da reunião para hoje pela manhã. Ficou para trabalhar contra a aprovação do parecer do relator e admitiu que vai haver muita confusão, porque os dois lados vão atuar para fazer valer os seus objetivos. PRAZO O governador João Alves explicou que, se o Governo Federal não aprovar a Reforma Tributária até setembro, não poderá cobrar 0.38% do CPMF. A pressa do Governo está nisso, porque só depois de aprovado em primeiro e segundo turnos, na Câmara e Senado, é que a cobrança será possível. JACKSON O deputado federal Jackson Barreto (PTB) considerou que a reforma Tributária é uma coisa muito polêmica, mas a imprensa em Sergipe leva tudo para o pessoal. Jackson disse que já manifestou, várias vezes, que sempre dará apoio ao seu Estado: “não tenho nada que acompanhar João Alves Filho e nem pensar como ele e João Fontes”. SÉQUITO Jackson Barreto insistiu que não tem nenhuma obrigação de fazer parte do séqüito do governador João Alves Filho, porque tem a sua consciência política e partidária. “Acredito no Governo Lula e não vou votar contra ele. Mas sei separar as coisas. Se tiver um destaque em favor de Sergipe terá o meu voto”, disse. ELITISTA Jackson Barreto denunciou que, o único voto que João Fontes deu a favor da Reforma da Previdência, foi o que definiu o teto do judiciário. “Eu também votei a favor, mas ele não deveria ter votado em nada. Mas o único voto que ele deu foi elitizado”, denunciou. AÉCIO O governador de Minas, Aécio Neves, disse a João Alves Filho que recebeu aceno do ministro da Fazenda, Antônio Palocci, para negociações. Para o deputado José Carlos Machado, essa reação do ministro tem alguma coisa a ver com a derrota de ontem. Antes ele dizia que ganharia com 29 votos. ZOMBANDO O ex-deputado Nelson Araújo acha que o secretário de Segurança, Luiz Mendonça, está querendo zombar da sociedade sergipana. E continuou: “ninguém mais do que ele, um procurador de Justiça, sabe que não pode prestar depoimento a um subordinado”. INDICIADO Segundo Nelson, “só em Sergipe, um secretário de Segurança, indiciado em um inquérito, presta depoimento a um delegado. Esse depoimento não tem a menor validade”. Nelson Araújo acrescenta que o procurador geral, Luiz Walter, “deve uma satisfação à sociedade, porque só ele pode ouvir um promotor ou outro procurador”. KÁTIA Kátia Paim foi escolhida, por uma comissão de jornalistas da ASI e por estudantes de jornalismo da Unit, como a Jornalista do Ano em 2003. Kátia foi a responsável pela reportagem exclusiva com o foragido Floro Calheiros, que provocou toda essa polêmica e desmontou a Segurança do Estado. Notas RECORRER A deputada Ana Lúcia (PT) aborreceu-se com a força do Governo na Assembléia Legislativa, ao aprovar todos os seus projetos: “não estou tendo as mínimas condições de exercer o meu papel de parlamentar, que é de propor e fiscalizar”. Acha que vai ter que recorrer, em alguns casos, ao judiciário. Ana disse que “para atender as imposições do governador, os deputados de sua base de sustentação aprovam projetos que ferem a Lei de Responsabilidade Fiscal e até as Constituições Federal e Estadual”. POSIÇÃO A Comissão Executiva Estadual do PDT distribuiu nota pública declarando a sua posição em relação à transposição do rio São Francisco e conclamar “a sociedade sergipana à luta, em defesa da revitalização, com desassoreamento, recomposição das matas ciliares e saneamento básico das cidades ribeirinhas”. O PDT quer que o Governo inicie as obras de transposição, beneficiando, primeiro, a região do semi-árido sergipano a partir da construção dos canais de Xingo e Dois Irmãos, que passam por vários municípios sergipanos. DISCUSSÃO Chegam hoje a Aracaju o vice-presidente do Diretório Nacional do PT, Romênio Pereira, e o deputado federal Fernando Ferro (PT-PE). Eles vão discutir com representantes de rádios comunitárias em Sergipe e passar informações sobre o andamento do processo que regulamenta essa emissoras. Amanha os dois deputados participam de um encontro com petistas para falar sobre o momento político atual, fazendo uma análise crítica dos avanços, dificuldades e desafios da administração Lula da Silva. É fogo O engenheiro Wolney Lima Silva pergunta, através de e-mail: “como você explica os demais de um Governo, qualquer que seja”? Depois de reuniões constantes em Brasília, o governador João Alves Filho (PFL) viajou para compromissos em São Paulo. A expectativa, agora, é de que o Governo Federal volte a renegociar a reforma tributária, com a derrota sofrida ontem na Comissão Especial. Os consumidores já não suportavam mais os preços impostos pelo monopólio dos dois supermercados. Na próxima sexta-feira, o juiz Cláudio Deda Chagas tomará posse no cargo de desembargador do Tribunal de Justiça. Cláudio Deda substitui ao desembargador Antônio Góes, que morreu há dois meses. A posse será no Centro Administrativo Governo Albano Franco. Vereadores e candidatos nas eleições municipais dói próximo ano, estão nervosos, já fazendo contas, para escolha de novos partidos. É importante essa escolha, para não ter votos e ficar de fora, por causa da legislação eleitoral. Os bastidores têm muita negociação e promessas de apoio. Em breve, o aeroporto de Aracaju vai dispor de um posto de inspeção da Delegacia Federal da Agricultura (DFA), garantindo a entrada e saída de produtos de origem animal e vegetal. O delegado da Agricultura, Jorge Araújo, está conversando com o superintendente da Infraero, Manoel Henrique Bandeira, para instalação do posto. O governador João Alves Filho conseguiu aprovar todos os seus projetos, encaminhados à Assembléia Legislativa. Petistas e pefelistas estão unidos no que diz respeito à tentativa de impedir o monopólio dos supermercados em Sergipe. Enquanto a Polícia Civil levanta como Floro Calheiros fugiu, ele se encontra distante de Sergipe, mas sabendo tudo que está acontecendo em Aracaju. Por Diógenes Brayner brayner@infonet.com.br

Comentários