Mudanças: quer fazer, faça logo

0

O governador Marcelo Déda (PT) vai chegar a metade do governo dele cometendo os mesmos erros dos seus antecessores. Um bom exemplo é o anúncio de que fará uma reforma do secretariado (e também no segundo escalão) no final do ano. Algo normal se este notícia não tivesse deixando sem dormir boa parte do secretariado e do segundo escalão e o pior, praticamente paralisando o governo em várias áreas importantes cujos titulares acham que podem perder seus cargos.

Um dado simples mostra que a demora na reforma prejudica o governo em vários meses. O governador anunciou que fará as mudanças há mais de um mês e faltam dois meses para o final do ano. Ou seja, serão quase quatro meses de expectativas. E mais: os novos titulares começarão no início de 2009 e todo mundo sabe que os meses de janeiro e fevereiro são os piores para a máquina administrativa. Janeiro por conta da dotação orçamentária e tudo mais da parte administrativa, emendando com fevereiro. Ou seja, as mudanças efetivamente começarão a partir de março.

A pergunta é: o que impede o governador anunciar as mudanças e os remanejamentos neste momento? Não seria mais fácil para os novos titulares organizarem suas partes nos últimos meses deste ano? Começariam o ano de 2009 com suas pastas organizadas e não passariam dois meses (janeiro e fevereiro) para efetivamente colocarem “a mão na massa”.

São várias pessoas do próprio governo que dizem em “off” a este jornalista que o mesmo está parado em várias áreas. Qual o motivo para o governador perder tanto tempo nesta propalada mudança? Logo ele que sempre foi um homem de não titubear em suas decisões. Ou está com receio de contrariar interesses partidários de alguns aliados?

Um conselho sobre o tempo, não deste jornalista, mas do mestre Dalai Lama: “Algumas vezes, quando encontro velhos amigos, isso me lembra como o tempo passa depressa. E me faz indagar se temos ou não usado nosso tempo de modo adequado.  O uso adequado do tempo é tão importante. Penso que cada minuto é algo precioso enquanto nós possuímos este corpo e, especialmente, este assombroso cérebro humano. Nosso dia-a-dia se mantém alimentado pela esperança , embora não haja garantia alguma do nosso futuro. Não há garantia que amanhã, a esta hora, estaremos aqui. Precisamos, portanto, fazer o melhor uso do nosso tempo. Acredito que a utilização adequada do tempo seja esta: se você puder, servir outras pessoas, outros seres dotados de sentimentos. Se não, ao menos tratar de não prejudicá-los. Penso que essa é toda a base de minha filosofia”.

Emendas: senadora pode suspender licença
Ontem, a cúpula do DEM em Sergipe estava analisando a possibilidade da senadora Maria do Carmo suspender a licença para tratamento de saúde. Ela está se recuperando bem, mas ainda precisa de repouso. O problema é que o DEM deseja as emendas individuais para ajudar alguns prefeitos do partido, mas o pastor Virgilio Carvalho quer repassar para o PSC. Quando assumiu a vaga o pastor se comprometeu com alguns itens, mas pelo jeito esqueceu em um curto espaço de tempo… Imagine se fosse titular…

JAF para Albano: eis aqui o mais novo comunista…
Flagrante interessante durante escala em Salvador, do vôo 3566, da TAM, procedente de Brasília, na última quinta-feira, 30: À aeronave têm acesso os passageiros embarcados na capital baiana e dentre eles o ex-governador João Alves Filho. Na segunda fila estava o deputado federal Albano Franco. O ex-governador João Alves cumprimenta Albano de uma forma inusitada, com a seguinte frase: João Alves Filho – Eis aqui o mais novo comunista… O também ex-governador Albano Franco ficou perplexo e JAF detonou aquela sua famosa gargalhada, chamando à atenção todos os passageiros do avião da TAM. Principalmente aqueles que estavam na primeira metade das poltronas.  Sinceramente, o amigo que presenciou a cena não deu para ouvir a resposta de Albano, abafada pelas risadas de João Alves…

Vôo cheio de políticos e empresários
No mesmo vôo, estavam presentes o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, os deputados federais Jerônimo Reis (licenciado),  Pedrinho Valadares e José Carlos Machado, o economista e professor emérito da UFS, Marcos Melo, jornalistas, empresários, várias personagens da sociedade sergipana e, é claro, Albano e João.

Caixa de SE já é a quarta do país
A Caixa em Sergipe sempre foi destaque nacional. Até o inicio deste ano era a 1ª no Nordeste e a 11ª em todo país em captação, gestão e operações de crédito. Neste semestre continuou em 1º lugar no Nordeste e saltou para o 4º lugar em todo país. Há alguns meses assumiu a superintendência Luciano Pimentel, que implementou um novo ritmo em Sergipe.

A César o que é de César
No último sábado, 01, este espaço publicou uma nota informando que um dos procuradores do MP junto ao TC tinha dado um jeitinho para lotar um sobrinho de um conselheiro no seu gabinete. A coluna recebeu a informação e conferiu: existe um sobrinho de um conselheiro, só que o mesmo é funcionário de carreira há 20 anos do TC e passou algum tempo à disposição de vários órgãos. E mais: o procurador que a coluna se referiu é um dos mais sérios do TC e inclusive não é bem visto por alguns por conta de suas posições firmes e corretas.

Monte de filhas
Por falar em posições firmes: um deles diz nos corredores que não tem quem faça demitir um monte (duas) filhas que têm cargos comissionados no seu gabinete. Será que a OAB sabe disso?

Torcedores esperam jogadores com pipocas
Uma cena antes nunca vista no futebol sergipano foi registrada esta tarde no Aeroporto de Aracaju e em frente a um hotel da Orla da Atalaia. Inconformados com a derrota do Confiança por 5×1 frente ao Guarani de Campinas (SP), ontem,  torcedores compareceram em massa para recepcionar os jogadores.  Gritando palavras de ordem, como “eiro, eiro, eiro, time de cachaceiro”, os torcedores observados por equipes da Companhia de Choque e da Polícia Militar, tentavam dar pipocas e garrafinhas de cachaça aos jogadores, que saíram direto para o ônibus. O torcedor Luiz Fernando Aguiar disse que o objetivo da recepção foi protestar e mostrar que a equipe vem fazendo  coisa errada. ”Queremos deixar claro que a torcida não vai aceitar que o time do Confiança continue pipocando e perdendo noites com farras. É por isso que estamos esperando os jogadores com sacos de pipocas e garrafinhas de cachaça”, justifica o torcedor. (Infonet)

Culpa da imprensa
Ainda a matéria da Infonet: Transtornado, o jogador Valdson, partiu para cima dos torcedores e gritava todo o tempo, que a culpa pelo mau desempenho da equipe e pelas confusões com a torcida, é da imprensa sergipana.  Policiais e colegas do jogador, tentavam sem sucesso tirá-lo da confusão. ”Essa imprensa nojenta é quem está incentivando esse clima”, enfatizava enquanto atirava os óculos e o aparelho de telefone celular ao chão. Verdadeiro cara de pau!

Mauricio refém do grupo comandado por Valdson
Na verdade vários dos jogadores não têm respeito com a torcida.  O certo é que a equipe tem dois grupos: um deles, sob o comando de Valdson (lembra que ele derrubou o outro técnico para o retorno de Mauricio Simões?). O técnico é refém deste grupo, não tem comando. Valdson ao lado de outros jogadores exageram na cachaça, prejudica o time, perdem noites.

Desmembramento de secretarias em Itabaiana
Já circula nos bastidores da política de Itabaiana que o futuro prefeito, Luciano Bispo, pretende desmembrar algumas pastas para atender aos acordos políticos. Como exemplo, citam as atuais pastas de Finanças e Administração que viraria duas e Assuntos Parlamentares e Comunicação, que seria transformada em mais duas. Sobra dinheiro na Prefeitura ou os acordos políticos são maiores? E mais: será que os novos vereadores vão aprovar esta proposta?

Cavalos sujam a 13 de Julho
O policiamento ostensivo em alguns pontos de Aracaju é bem mais visível nas últimas semanas. Um bom exemplo é no calçadão da 13 de Julho onde policiais militares circulam a pé e de cavalo. Esta última opção vem causando transtornos para quem faz o Cooper matinal. Os cavalos estão deixando uma lembrança desagradável no calçadão… A opção seria ou colocar os policiais circulando a pé ou o policiamento montado ficar em pontos estratégicos sem circular no calçadão.

Mais rigor para crimes violentos
A imposição de sentença durante o julgamento de um crime e, seu real cumprimento, estão cada vez mais distanciados, o que acaba provocando um aumento dos crimes violentos, pela certeza da impunidade. Para reduzir esta distância, o senador Valadares (PSB) apresentou ontem,04, projeto que altera o Código Penal, a Lei de Execução Penal e a Lei dos Crimes Hediondo, de forma a tornar mais rigorosa a progressão entre regimes penitenciários e a concessão de livramento condicional. Em especial o projeto de Valadares resgata o exame criminológico para efeito de progressão, abolido pela Lei 10.792, de 2003, o que o senador considera um grande retrocesso. “A progressão de regime não pode basear-se apenas em uma vaga noção de bom comportamento do preso e é absolutamente necessária a avaliação de uma comissão técnica de classificação, um recurso que fornece elementos mais precisos sobre a personalidade e a periculosidade do criminoso”, argumenta Valadares.

Entrevista de Déda no Valor Econômico
O jornal Valor Econômico de ontem, 03, publicou uma entrevista do governador Marcelo Déda sobre diversos assuntos. A coluna publica hoje as partes que considera principais da entrevista concedida ao jornalista César Felício.

Eleição no Congresso Nacional
A eleição das Mesas Diretoras da Câmara e do Senado no começo do ano influenciará mais as articulações para a disputa presidencial de 2010 do que as eleições municipais que aconteceram neste outubro. Para o governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), será a escolha do futuro presidente da Câmara e do Senado que ditará a relação entre o PT e o PMDB no âmbito eleitoral. Petista com trânsito livre no PSDB, Déda não descarta o apoio do partido ao fim da reeleição, desde que no contexto de uma reforma política mais ampla. Marcelo Déda: governador de Sergipe teme o afastamento entre PMDB e PT em função de disputa no Senado Derrotado na sua primeira incursão em eleições majoritárias, ao tentar a Prefeitura de Aracaju em 1985, Déda foi eleito e reeleito prefeito da capital em 2000 e 2004 e eleito governador em 2006, sempre com maioria absoluta. Para prefeito de Aracaju este ano apoiou o sucessor, Edvaldo Nogueira (PCdoB), que foi eleito em uma coligação que juntava PT e PSDB, um caso único entre capitais estaduais. E acredita que o cenário de crise econômica torna incerto o favoritismo do governo para ganhar as próximas eleições presidenciais.

Crise pode afetar dívida consolidada de SE
A crise econômica surpreende o governador no momento em que sua administração se preparava para um salto em investimentos. Depois de executar um Orçamento de apenas R$ 28,1 milhões em 2007 e de projetar gastos de R$ 200 milhões este ano, o governo de Sergipe pretendia gastar em obras e novos serviços R$ 376 milhões no próximo ano. A receita, que foi de R$ 3,6 bilhões em 2007 e deve passar para estimados R$ 4,5 bilhões este ano, tinha sido prevista em R$ 5,2 bilhões em 2009. A crise pode ainda afetar a dívida consolidada do Estado. Para efeitos de cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal, a dívida caiu de R$ 1,3 bilhão no começo do governo para R$ 530 milhões no mês de agosto, o que corresponde a 14,7% da receita corrente líquida. Quando Déda assumiu, o nível de comprometimento era de 46,28%. O contrato de consolidação da dívida é corrigido pelo Índice Geral de Preços (IGP), fortemente impactado pelo câmbio. Segundo o secretário sergipano da Fazenda, Nilson Lima, contudo, um aumento da dívida não seria preocupante. “O nível de endividamento é muito baixo. A situação está sob controle”, afirmou.

Sobre o fim da reeleição I
Marcelo Déda: “Sou por convicção muito crítico do instituto da reeleição. Defendo o mandato de cinco anos sem reeleição. Mas me preocupa esta discussão com viés utilitário, uma clara tentativa de adequar o calendário eleitoral com interesses de candidaturas. O fim da reeleição teria que estar dentro de uma reforma política, em que se discuta uma série de iniciativas. Debater o tema tendo em vista candidaturas é um erro de origem. É claro que este debate busca resolver o problema interno do PSDB, mas este é um assunto muito sério. Um dos institutos da reforma política não pode ser instrumento de um acordo circunstancial”.

Sobre o fim da reeleição II
Valor: Que temas o senhor acha que poderiam ser agregados à discussão do fim da reeleição? Déda: Naturalmente a fidelidade partidária no Brasil não pode se dar por uma sentença judicial, como acontece hoje. E acho que o calendário eleitoral precisa ser revisto. O sistema bienal de eleições é ruim, porque o governador precisa se envolver no processo eleitoral no meio de seu mandato. O governador precisa compor as alianças e arrisca-se a perder sua base na Assembléia Legislativa. Na hora em que se unificar eleições o sujeito não pode sair de uma prefeitura para ser deputado e os palanques regionais irão se consolidar. As alianças deixarão de ser fugazes.

Candidatura do PT a presidência
Valor: Dentro do PT, o horizonte de crise econômico pode levar a uma revisão de quem terá a candidatura do partido? Déda: O processo eleitoral tornou o partido coeso e ninguém erra se, analisando a conjuntura do momento, acreditar que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é o nome mais forte de que dispomos. Sou um apoiador de seu nome dentro do partido. Não vejo mais ninguém no horizonte. Mas a definição precisa passar por avaliações que ainda não foram aprofundadas. Entre elas a do espaço do PT e da liderança pessoal do presidente Lula.

Crise e guerra fiscal
Valor: No âmbito dos Estados, que impactos a crise econômica já provoca? Déda: Há alguns recuos de investidores privados em certas áreas na indústria de alimentos e na indústria de transformação em Sergipe. Mas não quero me aprofundar, até pelo risco que representa a guerra fiscal com os Estados vizinhos. Valor: A guerra fiscal entre os Estados foi impulsionada no início dos anos 90 por outra crise econômica. A crise atual pode relançá-la? Déda: Sem dúvida alguma. A guerra fiscal ganha impulso em ircunstâncias de crise. Farinha pouca, meu pirão primeiro. Valor: Isto diminui as chances de a reforma tributária ser aprovada no Congresso? Déda: Vai ser muito difícil tocar a reforma tributária, porque isto envolve convencer entes federativos a assumir perdas e todos vão resistir a fazer isto neste momento.

Crise e o orçamento do Estado
Valor: Do ponto de vista orçamentário, a crise já chegou em seu Estado? Déda: A crise envolve medidas de precaução e prudência. Estamos trabalhando com a perspectiva de revisão completa do Orçamento do Estado, para ver o que poderemos controlar no custeio. Em 15 dias, devo receber uma proposta de redução de gastos. A meta é conseguir o que foi obtido no primeiro ano de governo, que foi um corte de custeio de 20%. Isto significa um corte de R$ 600 milhões. Nosso Orçamento global é de R$ 4 bilhões. Valor: E o peso da questão cambial sobre a dívida do Estado? Déda: Sergipe está enquadrado nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal, nossa dívida é pequena. Mas a questão cambial está afetando a nossa política de tomada de crédito. Temos um projeto quadrienal, o Sergipe Cidade. É um conjunto de ações de apoio a arranjos produtivos locais e educação profissionalizante. Iríamos começar investindo R$ 350 milhões, complementando os recursos restantes com empréstimos do Banco Mundial e do BID. A proposta soma R$ 700 milhões. Agora dividimos o programa em módulos e vamos começar investindo R$ 250 milhões de recursos próprios e o restante do BNDES.

CUT/SE denuncia perseguição a sindicalistas
A Central Única dos Trabalhadores em Sergipe (CUT/SE) denuncia que o movimento sindical em Sergipe está de luto contra as ações tomadas pelo Governo do Estado de abrir Inquérito Administrativo contra três sindicalistas por exercerem o livre direito a militância sindical. O policial civil Antônio Moraes, do Sinpol; e os professores José Francisco e Morgan Prado, do Sintese estão respondendo inquérito pelo fato de atuarem e exercerem o papel de representante dos trabalhadores. “Certamente no Governo do Estado tem quem não admite a ação sindical autônoma e independente”, disse Antônio Carlos Góis, presidente da CUT/SE.

Nota de Desagravo I
Em atenção à nota veiculada na edição de domingo, 2 de novembro de 2008, do jornal Correio de Sergipe, seção Vida Política (caderno Correio Vida, p. 7), assinada pelo jornalista Raimundo Brito, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) vem a público repudiar com veemência o tom desrespeitoso e difamatório utilizado no comentário acerca da atuação da Procuradora da República Eunice Dantas de Carvalho, ao buscar vincular o desempenho de suas funções institucionais a determinada legenda partidária. A atuação dos membros do Ministério Público Federal (MPF), que se pauta pela lisura e independência, foi questionada com a clara intenção de deslocar o foco das atenções dos fatos graves narrados na ação civil por improbidade administrativa recentemente movida contra o Deputado Federal Mendonça Prado. A petição inicial da ação foi subscrita por três membros do MPF:Eunice Dantas Carvalho, Bruno Freire de Carvalho Calabrich e Silvio Amorim Junior.  São absolutamente descabidas a politização e a personalização da iniciativa.

Nota de Desagravo II
A ANPR considera que a nota, ao imputar falsamente, à Procuradora da República,  conduta incompatível com sua atuação institucional,  pode configurar a prática de delito contra a honra e atinge o Ministério Público Federal como um todo, pois seus membros atuam de forma impessoal e guiam-se pelos princípios da unidade e da indivisibilidade. A liberdade de imprensa constitui um dos pilares do Estado Democrático de Direito,  mas seu exercício deve orientar-se por padrões éticos que o ponham a salvo de condutas abusivas e desvirtuadas contra o exercício válido das funções atribuídas a autoridades diretamente pela Constituição da República. A ANPR assevera, por fim, que as tentativas de intimidação e menoscabo à atuação dos Procuradores da República serão veementes combatidas e não interferirão no firme desempenho das funções dos membros do Ministério Público. Brasília, 4 de novembro de 2008. Antonio Carlos Bigonha – Presidente da ANPR.

Sociólogo lança livro sobre a Maçonaria
O professor Doutor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), José Rodorval Ramalho, membro do Núcleo de Ciências Sociais e do Núcleo de Pós-Graduação em Sociologia, estará lançando no próximo dia 7 de novembro, as 19h, na sede da Academia Sergipana de Letras, o seu livro “Novae sed Antiquae – Tradição e Modernidade na Maçonaria Brasileira”, editado pela Ex Libris.

Aposta na educação
O Instituto Luciano Barreto Júnior, mantido pela Construtora Celi, está com inscrições abertas para o Projeto “Conectando com a Vida” de 2009. Para se inscrever é muito fácil: basta o estudante ter de 15 a 25 anos de idade e estudar na rede pública de ensino. Os cursos oferecidos são gratuitos e as inscrições podem ser feitas na Avenida Barão de Maruim, 442, Centro de Aracaju, das 8 às 12 e das 14 às 18 horas. Outras informações podem ser conseguidas pelo telefone (79) 3224-2323.

Educação Ambiental
No próximo sábado, a partir das 8h, acontece em várias capitais do Brasil a Ação Nacional FEBRAC – Limpeza de Áreas Verdes. É um mutirão promovido pelos sindicatos das empresas de Asseio e Conservação, sob liderança da Federação Nacional das Empresas de Serviços e Limpeza Ambiental (Febrac). “Nossa proposta é realizar anualmente a Ação, de modo a fazer dela um instrumento prático para a educação ambiental”, diz o presidente da Febrac, o deputado federal Laércio Oliveira. Em Aracaju, a limpeza será feita na Praça Olímpio Campos.

Encontro estadual
“A leitura e seus múltiplos caminhos” será o tema central das discussões do XI Encontro Estadual do Programa Nacional de Incentivo à Leitura (PROLER). O evento, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura (SEC), acontece de 5 a 7 de novembro na Biblioteca Pública Epifânio Dória. A programação do encontro conta com palestras, oficinas e momentos culturais. O objetivo é promover o interesse pela leitura e pela escrita, além de debater políticas públicas que garantam o acesso ao livro e à leitura. O público-alvo do evento são pesquisadores, professores, estudantes e representantes de bibliotecas municipais. A Biblioteca Pública Epifânio Dória fica localizada à rua Leonardo Leite, s/n, no Bairro 13 de Julho. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone  (79) 3179-1907 .

DO LEITOR

Ajuda para Maria Feliciana
Comentário de Cândida: “Quero comentar sobre o programa da Rede Globo o “Globo Repórter” da ultima sexta feira. Engraçado com as pessoas ficam esquecidas, eu lembro quando criança que ia ao circo para ver Maria Feliciana, e foi com muita tristeza que vi a miséria que ela se encontra atualmente, gostaria de manifestar meu apoio e solidariedade e queria saber de algum meio ou forma de ajudá-la, se as autoridades que viram aquilo não ficaram envergonhadas ao assistirem a situação precárias que aquela senhora se encontra. Com cama e cadeiras de rodas precárias, e problemas de degeneração óssea. Se o nobre jornalista pudesse escrever chamando atenção das autoridades para que façam algo para amenizar a situação de Maria Feliciana”.

Energisa e o clima natalino
Do leitor Edson: “Q   uero me solidarizar com o leitor Ricardo pelos prejuízos financeiros e pela decepção ou quebra de confiança revelada pela ENERGISA. Espero que ele tenha êxito em suas demandas judiciais e que a empresa não aposte nesse tipo de chicana, mas que cultue uma relação mais sincera com seus usuários. Poderia começar convidando o Ricardo para reparar seus prejuízos. Não sou profissional do Direito, mas creio que pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor) a ENERGISA é co-responsável junto a COELBA, CEMIG e LIGHT pelos problemas oriundos na prestação dos serviços. Como estamos nos aproximando da época natalina, ocasião em que a ENERGISA exibe a maior árvore de natal do mundo, segundo o Guinnes Book, aproveite para semear o sentimento da época e repare o mal que causou ao usuário Ricardo. Seria um ato de restabelecimento de confiança. Por final, e invadido pelo mesmo sentimento, quero fazer um mea culpa e uma retratação. Em minha indignação, publicada na última segunda-feira, fiz referência a ENERGISA com adjetivo ofensivo, sendo questionado por um colega, Dr. Osmar, avesso a conflitos e ofensas. Concordei com ele, um tanto envergonhado, e faço esse pedido de desculpas a quem ofendi com o adjetivo que prefiro não reproduzir. Criticar, sim, mas com civilidade”.

Mais dois colegas da PM executados I
Da Associação Beneficente dos Servidores Militares: Na noite do dia 2 de novembro, foram assassinados, enquanto faziam bico num restaurante de Povoado Calumbi, os sargentos Adílson Ferreira Nunes e Roberto Lima Batista. Foram covardemente assassinados por sete homens encapuzados, enquanto buscavam complementar seus pífios salários para dar uma condição melhor de subsistência a sua família. Não são somente os cabos e soldados que estão fazendo bico. Muitos sargentos e oficiais também estão, o que comprova a tese de nossa remuneração ainda estar muito aquém do que deveria ser o mínimo para ser chamada de justa. Enquanto isso, nosso secretário cerca seus colegas delegados de todas as regalias possíveis, para uma produção laboral insipiente. Protege-os de todas as acusações como no caso do delegado torturador e do representante da Herbalife que continuam a ocupar altos cargos na SSP e com salários invejáveis para os que são barnabés da Segurança Pública”.

Mais dois colegas da PM executados II
Continua o e-mail da Associação: “Governador, não se preocupe muito com a oposição dos deputados na AL, com João Alves Filho e nem com Almeida Lima. Seu inimigo é interno! É um secretário que tem jogado em time contrário, deixando quase 7.000 PM/BMs ativos na lama da discórdia, da incerteza, do preconceito, da perseguição, enfim, em condições de trabalho discriminatórias. Sem carga horária definida, com remuneração que causa baixa estima entre os militares, trabalhando em eventos particulares sem contrapartida (jogos de futebol, festas na orla, etc.), enfim, em diversas situações que o espaço não permite elencar… Que Deus guarde as almas destes nossos bravos milicianos e que suas histórias de vida sirvam para melhorar as condições dos sobreviventes”.

Rastros de Flávio Conceição
Do leitor Messias: “Li no seu conceituado blog a respeito de declarações dadas pela deputada Suzana Azevedo, dando conta de não haver medo de sua parte, já que segundo ela, apenas aparece umas conversas, com o conselheiro Flávio Conceição, fato que, segundo a própria, nada tem a ver com a operação navalha. Primeiro só quem pode dizer quem participava ou não, é o Flávio. Esse cidadão chegou a Aracaju, justamente no governo de Valadares, aonde a deputada, era secretária. Ao longo desses trinta anos, ele tinha livre acesso em todos os governos até o atual, porque esse tipo de gente necessita de muitas pessoas comprometidas, para justamente se proteger.    Portanto, ninguém pode acusar ninguém, porém, cabe a Flávio, até mesmo para inocentar os inocentes, dizer quais os integrantes dos três poderes foi “ajudado”, com “vinhos do porto” e “doce de leite”. Não é possível, que nesse período, som ente a senadora Maria do Carmo, tenha tido desconfiança dele, ao ponto de ter indagado aonde ele trabalhava, se era empresário, como ele se sustentava em Sergipe. Porque a fora a senadora, a única que, através de uma entrevista num jornal local, teve a coragem de tocar no assunto, sem se esquivar”.

Frase do Dia

“Um homem que ousa desperdiçar uma hora do tempo não descobriu o valor da vida”. Darwin.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários