Mude a sua História

0

 

 

…”Que nada, Pascoal, você está viajando. Eu nunca serei uma pessoa de sucesso. Isso que você está me dizendo é uma fantasia. Eu não tive a sorte de nascer de uma família rica. Você sabe como éramos e somos ainda? Pobres e necessitados, o meu pai era um simples servidor da prefeitura, hoje aposentado, ganha uma miséria que não dá nem para comprar os medicamentos para a pressão alta…”.

      (Fragmento de uma conversa com um amigo).

 

 

Coitado! Com esta atitude, esse meu amigo não vai mesmo chegar a lugar nenhum. Com esta disposição, com este “otimismo”… É de fazer pena ver que alguém ainda pensa assim.

 

É lamentável constatar que existam pessoas que ainda acreditam não puderem mudar, não puderem melhorar. E, para justificar tais ideias, arranjam desculpas como esta exposta acima.

 

Na verdade, as únicas pessoas que podem vencer na vida são exatamente aquelas que nada tiveram nem têm.

 

Aqueles que nascem de famílias ricas não apresentam essas necessidades urgentes de vencer, uma vez que teoricamente já são vencedores.

 

Não precisam produzir riqueza para se manter, pois já têm tudo.

 

O contrário acontece com aquele que nasce pobre, pois tem que inventar, criar e produzir para continuar vivendo.

 

A manifestação derrotista deste meu amigo significa exatamente uma maneira de ele dizer, para si mesmo, que está tudo certo, e assim justificar os seus fracassos e a sua acomodação.

 

Isto, lamentavelmente, de alguma forma, acontece com quase todos nós. Escondemo-nos por trás de certos “biombos” e nos auto-satisfazemos por estar onde estamos; fazer o que fazemos e viver como vivemos.

 

É menos traumático dizer: fazer o que? Nasci pobre mesmo. Tenho que cumprir a mina sina, é o meu destino, eu não tive sorte… Do que mudar, pensar positivo, esquecer estes apelos e vitimológicos e “se jogar”.

 

Cuidado! Os fracos acreditam na sorte; os fortes acreditam em causa e efeito. A sorte, dizia Mark Twain, bate nas nossas portas, mas, às vezes, estamos nos divertindo por aí e nem ouvimos. Acrescento eu, ou estamos nos divertindo por aí ou estamos preguiçosamente procurando justificativa que sirva de lenitivo para a nossa falta de coragem, leniência e má vontade.

Nascer pobre não é desculpa para justificar atitudes de derrotados.

Ter origem humilde é, na verdade, o maior trunfo e estímulo para ser vencedor.

A força que determina ou regula tudo o que ocorre, na vida de uma pessoa, pobre ou rica, e cuja causa, infelizmente, se atribui ao acaso das circunstâncias ou a uma suposta predestinação, por ter nascido neste ou naquele ambiente, não deve, nunca, ser usado como referência para justificar as nossas derrotas.

Amigo, mude a sua história. Esqueça os “biombos” onde você está escondendo as suas potencialidades. Nós moramos num país maravilhoso, onde aquele que quer faz, aquele que realmente quer, consegue.

 

Olhe em sua volta e veja que tem muito a ser feito por você, para você mesmo, para os outros e por esta nação maravilhosa. Pare de perder o seu precioso tempo em querer provar o improvável, pois todos que querem conseguem. Ou seja, até você que está conseguindo, ou tentando justificar a sua derrota.

 

Saia dessa, vá em frente. Faça. Acredite. O fato de ser pobre é exatamente o combustível que deverá ser usado para vencer.

 

Mire-se nos que conseguiram, leia sobre eles, evite contato com derrotados e derrotistas, faça se acompanhado por pessoas vencedoras, otimistas e entusiasmadas.

 

Evite os apocalípticos que veem defeitos em tudo e preveem sempre o pior.

 

Pessoas como: Silvio Santos, de camelô a grande empresário; Henry Ford, de jornaleiro a grande fabricante de automóveis; Thomas Alva Edson, filho de operário de ferro velho ao inventor da lâmpada incandescente; Abraão Lincoln, de lenhador a presidente dos Estados Unidos da América, Lula, de torneiro mecânico a presidente da República; Barack Obama… Todos de origem muito pobre chegaram ao topo. Tudo depende do que você quer. Vá lá e faça.

 

Amigo, mude o seu discurso, olhe para os lados, veja que tem gente prosperando independente da origem. Eles apenas fazem diferentes, pensam positivo, com otimismo e entusiasmo, vá você também e faça a diferença, mas faça logo e faça bem feito, pois o mal feito não tem futuro e o bem feito não tem fronteira.

 

FELIZ FIM DE SEMANA.

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais