NEPOTISMO, É COISA NOSSA

0

Há uma certa hipocrisia na questão do nepotismo. Nos poderes, seja quem chegue a eles, sempre se encontram uma forma de beneficiar familiares, parentes, amantes e até amigos de infância. A verdade é que a força do poder está em mãos de bons sobrenomes, e isso vale para todas as ideologias, porque o sentimento do bem estar familiar, com um bom emprego, sempre fica com gente de casa. As Prefeituras, então, estão abarrotadas de familiares em primeiro grau do prefeito. Em Sergipe, a maioria sempre coloca irmão, mulher ou filho em pontos estratégicos da administração. Um deles nomeou a mulher como secretária de finanças. O argumento é sempre o mesmo: “é de confiança, sabe controlar gastos e emprega bem os recursos”. “Empregar bem” oferece vários sentidos, inclusive o de transferir, com eficiência e austeridade, alguma coisa para a conta do casal. Isso, evidentemente, não se trata de uma regra. Mas também não é exceção, porque uma boa maioria utiliza o mesmo estilo, embora nem sempre com as mulheres comandando as finanças.

 

Mas o nepotismo não será extinto em um país que historicamente usa a lei da vantagem e põe em prática o velho ditado de “puxar brasa para sua sardinha”. Tanto é assim que o presidente da Câmara Federal, deputado Severino Cavalcante (PP), que se pode chamar de “senhor nepotismo”, está atrasando o máximo possível que o projeto extinguindo essa aberração praticada pela cúpula dos três poderes, chegue a plenário. Ontem, na reunião semanal de líderes, Severino assinou o ato de criação da comissão especial que vai analisar a proposta de emenda à Constituição 344/96, já conhecida como PEC do Nepotismo. Até a próxima semana, os líderes dos partidos deverão indicar os 31 integrantes da comissão, que terão o prazo de 40 sessões do plenário para analisar a matéria. Na realidade Severino fez o que manda o regimento, mas aproveitou para fazer boa média com a população ao declarar que também atendeu a uma reivindicação da opinião pública.

 

De autoria do ex-deputado Aldo Arantes, a PEC do Nepotismo proíbe a nomeação de parentes de autoridades para cargos em comissão e funções de confiança nos três Poderes. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou a admissibilidade da proposta no dia 13. Na ocasião, os deputados pediram ao presidente da Câmara que a comissão especial fosse criada o mais rápido possível. Nasceu exatamente do excesso de parentes que o presidente Severino Cavalcante queria nomear, embora já tivesse sido apresentado projeto idêntico de autoria do então senador Roberto Freire (PPS). O presidente do Senado, Renan Calheiros, já se manifestou quanto a campanha que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) inicia sobre nepotismo. Ele disse que o Senado já fez o que tinha de fazer: “Nós tomamos essa iniciativa, há anos, quando votamos emenda do então senador Roberto Freire, proibindo o nepotismo nos três Poderes da administração pública. Essa emenda está tramitando na Câmara agora, de modo que a palavra está com ela. Nós já fizemos o que tínhamos que fazer. E o que for necessário fazer novamente, nós faremos”, disse.

 

Evidente que tudo caminha para que se ponha um ponto final no escandaloso favorecimento familiar que existe em todo o Brasil, mas o tempo de 40 sessões plenárias, que poderiam ocorrer em 60 dias, certamente vai durar todo o período legislativo, só para que a comissão analise a matéria. O que parece difícil é escolher 31 parlamentares que não tenham ninguém da família no seu ou em gabinetes de colegas, praticando ou camuflando o nepotismo. Tem mais: o Congresso é um ninho familiar, porque só um parlamentar muito radical é que não tem alguém da família muito bem empregado às custas do seu mandato. Entretanto, é bom fazer uma observação: não se pode condenar um parente eficiente à ociosidade, apenas para evitar o nepotismo. Essa praga só deve ser vista quando vários familiares invadem estruturas de comando em uma instituição.

 

Bom, muito pior do que o nepotismo é o emprego de laranjas, cujos salários vão parar nos bolsos dos donos do cargo. Esse assunto será tratado posteriormente.

 

ENCONTRO

O Partido da Frente Liberal (PFL) terá um encontro nacional, em maio, no Rio de Janeiro, para discutir questões do partido e a posição política.

Durante o encontro será feita uma proposta de modelo sustentado para o país. A cidade escolhida é para mostrar apoio ao prefeito César Maia.

 

REESTRUTURA

É pensamento da Executiva Nacional do PFL discutir mudanças na concepção político-partidária, com uma reestruturação profunda.

Há expectativa inclusive em torno da mudança do nome, o que uma boa parte dos filiados não considera interessante.

 

INTENSIFICA

O governador João Alves Filho (PFL) já está começando a intensificar os seus contatos com lideranças políticas do interior, numa movimentação que não se via antes.

Há informação que João ainda pretende dar uma chacoalhada em sua equipe de auxiliares, para intensificar a presença do governo na capital e interior.

 

CANDIDATO

O ex-secretário de Saúde, Eduardo Amorim, é candidato a deputado federal. Por enquanto mantém a legenda pelo PFL, mas tem convite do PSDB e PSB.

Outros partidos também querem Eduardo, mas está certo de que, antes de qualquer decisão, ele vai conversar com o irmão.

 

ITABAIANA

Eduardo Amorim tem apoio em Itabaiana da prefeita Maria Mendonça e será votado em outros municípios do estado.

A informação é de que na região ele sai candidato a federal na companhia de José Teles de Mendonça, que disputa a Assembléia Legislativa.

 

UNIDADE

A tendência petista Unidade na Luta vai indicar um candidato ao Diretório Regional, que tenha condições de unificar o seu próprio grupo.

O candidato deve ter jogo de cintura suficiente para conversar muito e chegar, também, a um consenso das demais unidades.

 

CONVERSA

O prefeito Marcelo Déda (PT) está começando a conversar com prefeitos da oposição, com o objetivo de ampliar o seu campo no interior.

Os prefeitos, entretanto, querem que Marcelo Déda ajudem em suas reivindicações, principalmente na liberação de recursos para seus municípios.

 

BRASÍLIA

O pessoal acredita que o bom entrosamento que o prefeito Marcelo Déda tem junto ao Planalto, facilita no atendimento dos seus pleitos.

Isso preocupa um pouco ao prefeito, porque nem sempre há condições de atendimento, inclusive porque ele também luta pelos recursos de Aracaju.

 

DUTRA

A possibilidade do presidente da Petrobrás, José Eduardo Dutra (PT), ser candidato ao Senado, em 2006, é grande.

Em conversas internas com aliados do bloco de oposição, Dutra já chegou a manifestar o desejo de voltar ao Senado.

 

MACHADO

O deputado José Carlos Machado (PFL) disse ontem que não partiu dele a indicação do ex-vereador Renilson Félix, para ocupar uma diretoria na Codise.

Renilson ocupou a vaga de Ismael, filho de Heleno, que durante anos serviu ao partido: “para tirar um filho de Heleno, nem para colocar um filho meu”, disse Machado.

 

METROPOLITANA

O projeto de lei da nova Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano ainda não chegou à Assembléia Legislativa porque falta uma revisão do governador João Alves Filho.

Um dos objetivos da secretaria é administra a integração entre serviços intermunicipais, além de obras de infra-estrutura urbana, entre as quais água e esgoto.

 

MOURA

Embora não confirme, o ex-prefeito de Pirambu, André Moura (PFL), teria sido convidado para comandar a Secretaria Metropolitana.

Segundo o secretário de Governo, Nicodemos Falcão, a Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano deve ter uma certa estrutura, porque as atribuições são muito grandes.

 

ALBANO

O ex-governador Albano Franco (PSDB) se mantém na mesma posição anterior e continua ocupando o seu lugar no ninho tucano.

Apesar da informação que já estava certa a sua filiação no partido liberal, o senador considera isso apenas comentários: “está tudo como dantes” brincou.

 

Notas

 

ESCOLA

Alguns marginais fortemente armados invadiram ontem uma escola de primeiro grau no bairro Santa Maria (Terra Dura) e colocaram professores em uma sala, levando com eles alguns funcionários. Por sorte, uma professora, mulher de um jornalista, conseguiu ligar do celular para o marido, que mobilizou a polícia.

Quando os policiais chegaram lá os assaltantes já tinha desaparecido, embora a Delegacia do Augusto Franco estivesse próxima. O curioso é identificar o que assaltantes pensavam em roubar de uma pobre escola pública.

 

CONSELHO

Um aliado do Governo sugeriu, ontem, que o governador João Alves Filho deveria promover um debate com entidades representativas da sociedade sergipana, para discutir a questão da violência no estado, para desse encontro sair um projeto em que todos tivessem responsabilidade sobre o que fosse feito.

O assunto poderia ser discutido pela Segurança Pública, Polícia Federal, OAB, Ministério Público e representações civis, para que se chegasse a uma estratégia para coibir o abuso e ousadia dos marginais em Aracaju.

 

OPINIÃO

Segundo pensamento de um experiente delegado de polícia, o que predomina ainda dentro da Secretaria de Segurança do Estado é um forte esquema político, onde existem algumas lideranças que pensam diferente do secretário e não podem ser remanejados: “tem policial que torce pelo caos”, denunciou.

 Esse jogo político dentro da Secretaria de Segurança torna vulnerável qualquer sistema, o que favorece à bandidagem, exatamente porque alguns segmentos simplesmente cruzam os braços. Política na polícia não dá certo.

 

É fogo

 

O deputado estadual Belivaldo Chagas (PSB) vai conversar com o prefeito Marcelo Déda na próxima semana e pode sair secretário municipal.

 

Casso Belivaldo assuma alguma secretaria, o médico Edmey Freire assume o seu lugar na Assembléia Legislativa.

 

O ex-vereador Antônio Samarone (PDT) vai permanecer no partido, porque acha que ideologicamente se afina mais com ele.

 

O deputado federal João Fontes (PDT), que comanda o partido em Sergipe, ainda não teve nenhum contato com o ex-vereador.

 

O avião procedente de Brasília, no vôo que aterrissava por volta das 13h30 não conseguiu pouso em Aracaju e seguiu direto para Maceió.

 

Nele estavam alguns políticos – entre prefeitos e deputados – além do secretário da Fazenda Gilmar Mendes.

 

Começa amanhã em Pirambu a 15ª edição do Culturarte, com o tema Cultura & Meio Ambiente: Paz e Inclusão Social, através da Arte.

 

O ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis (PTB), é candidato a deputado federal e já começou a visitar alguns aliados.

 

Há possibilidade do Supremo colocar em pauta a Adin que anula a resolução do TSE, reduzindo o número de vereadores, na primeira quinzena de maio.

 

Os suplentes de vereador continuam se revezando em Brasília, junto a parlamentares, para que a Adin seja logo colocada em pauta. 

 

O Brasil continua liderando o ranking mundial dos juros altos, segundo dados da consultoria GRC Visão.

 

A taxa brasileira de 19,25% ao ano, é a maior entre os 40 paises que fazem parte do levantamento da consultoria.

 

brayner@infonet.com.br

 

Comentários