O Centenário de Fernando Sampaio

0

Fernando Sampaio é considerado um dos maiores cirurgiões sergipanos de todos os tempos. Da escola de Augusto Leite, absorveu dele os  conceitos mais precisos da moderna cirurgia e competia com o mestre na agilidade que tinha nas mãos e na ponta dos dedos, diminuindo ao máximo o tempo cirúrgico, fator muito importante para o êxito final da operação. No entanto, a sua rapidez de procedimento não comprometia a qualidade da intervenção que realizava nos tecidos humanos e isso o tornou um cirurgião de escol.
Como faziam os jovens sergipanos que queriam se tornar médicos, encontrou na Faculdade de Medicina da Bahia o seu centro formador, colando grau em 1940, com 24 anos. De férias em Aracaju, da vetusta escola médica, primaz do Brasil, o jovem Fernando já perambulava pelo Hospital a convite do Dr. Augusto. Tão logo se formou, veio trabalhar no Hospital Cirurgia e fez da instituição o seu templo sagrado, atuando como médico, cirurgião, diretor do Centro de Estudos, redator do seu boletim e diretor geral do hospital por muitos anos. Passou por todos os setores do hospital.
Posteriormente, já na década de 60, quando da fundação da faculdade, foi o primeiro professor da disciplina de Cirurgia Geral e de Clínicas Cirúrgicas, compondo um trio de "ases de ouro do bisturi" com os médicos Francisco Bragança e Fernando Felizola.
Sampaio ainda presidiu a Sociedade Médica de Sergipe, de 1962 a 1964. Em 1979, recebeu o título de Professor Emérito da UFS. Fumante contumaz, desenvolveu um enfisema pulmonar que o levou a óbito em 25 de outubro de 1979, aos 63 anos, deixando consternada a sociedade sergipana, da qual era atuante.
Homenageado pela Academia Sergipana de Medicina, que lhe conferiu o patronato da Cadeira 13 quando da sua fundação em 1994, volta a ser reverenciado por esta mesma entidade na próxima segunda-feira, 28 de novembro, em sessão especial que vai celebrar o Centenário de seu nascimento.
Uma homenagem justa e oportuna.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários