O exemplo da UFS

0

O Departamento de Farmácia da Universidade Federal de Sergipe está produzindo 15kg de álcool gel e 20 litros de álcool 70% glicerinado, por dia, para não deixar faltar esses produtos nos Hospitais Universitários de Aracaju e Lagarto e em alguns asilos. A produção extra vai acontecer enquanto durar a pandemia do novo coronavírus. É um exemplo do que a UFS é capaz de fazer mesmo em momentos de crise.

A UFS se antecipou e ingressou efetivamente na luta contra o coronavírus no dia 11 deste mês, uma quarta-feira, quando o reitor Angelo Antoniolli decidiu criar o Comitê de Prevenção e Redução de Riscos frente à infecção pelo Coronavírus (Comitê Covid-19). No dia seguinte, a portaria foi publicada e o comitê realizou a primeira reunião, decidindo suspender todas as atividades acadêmicas extracurriculares, como aulas inaugurais, eventos comemorativos, científicos, artísticos e culturais, e também todas as viagens consideradas não essenciais.

O primeiro caso de coronavírus em Sergipe só se confirmou na noite do sábado, dia 14. A Secretaria de Estado da Saúde confirmou que uma mulher, de 36 anos, vinda da Espanha, estava infectada. Uma semana depois são 10 casos confirmados.

A agilidade da ação foi destacada. “É importante que fiquemos em estado de atenção, monitorando a evolução da pandemia e implementando medidas preventivas na UFS, para auxiliar no controle da disseminação do coronavírus na comunidade universitária e, consequentemente, na sociedade sergipana”, afirmou o professor Valter Joviniano, vice-reitor e presidente do Comitê Covid-19, que é secretariado pelo pró-reitor de Assuntos Estudantis, professor Mário Adriano.

Na segunda-feira, 16, considerando uma manifestação do Comitê, o reitor Angelo Antoniolli assinou novas portarias autorizando os exercícios domiciliares para os alunos dos cursos de graduação e pós-graduação presenciais e determinando que servidores e docentes com idade superior a 60 anos permaneçam em seus domicílios e realizem as atividades remotamente, quando necessário.

No mesmo dia, foi lançado no Portal UFS um canal de comunicação sobre a pandemia, o site coronavirus.ufs.br, com o Plano de Contingência, notícias, perguntas frequentes e um e-mail para a comunidade enviar sugestões, dúvidas e outras manifestações para apreciação do Comitê Covid-19.

E a semana prosseguiu voltada para a preocupação com o novo inimigo. Na quarta-feira, a UFS detalhou os critérios para o trabalho dos servidores, definindo que o atendimento presencial deverá ficar restrito a situações emergenciais ou que não possam ser realizadas de forma remota, recomendando-se a adoção de regime de jornada em turnos alternados de revezamento.

Na sexta-feira, 20, o Comitê de Enfrentamento ao Covid-19 do Hospital Universitário, Campus da Saúde de Aracaju, decidiu suspender todos os atendimentos ambulatoriais, os exames para pacientes não internados, além das cirurgias eletivas. Antes, na quarta-feira, o HU de Lagarto já havia instalado seu Comitê de Crise e lançado o Plano de Contingência para sistematizar ações e procedimentos, definir fluxos para atendimento seguro, orientar os colaboradores quanto às medidas de prevenção e controle, mitigando os riscos.

Praticamente todos os setores da UFS suspenderam o atendimento presencial, em algumas situações ocorrendo somente em casos emergenciais, após o agendamento por e-mail ou telefone, devidamente divulgados, e as atividades passaram a ser desenvolvidas de forma remota.

Perícias médicas, por exemplo, não deverão ser marcadas para nenhum outro fim que não seja Licença para Tratamento da Saúde, Licença Gestação e Licença para acompanhamento de pessoa da família.

Para a garantia e segurança do trabalho remoto, a Superintendência de Tecnologia da Informação disponibilizou para alunos, professores e técnicos administrativos uma ferramenta que permite a criação e compartilhamento de documentos individualmente ou em grupos, possibilitando o trabalho em conjunto.

Instituição de ensino superior pluridisciplinar, a Universidade Federal de Sergipe é um mundo em si mesma aberta para a sociedade, a quem serve e deve resguardar. Ela reúne uma comunidade peculiar, que viaja o mundo, fazendo cursos e participando de eventos científicos. São 30 mil alunos, mais de 1.500 professores e mais de 1.400 servidores distribuídos em seis campi (São Cristóvão, Aracaju, Laranjeiras, Lagarto, Itabaiana e Glória), 1,5% da população do Estado, aos quais tem a obrigação de proteger.

Como centro da formação profissional e da produção científica local e ainda única universidade pública de Sergipe, a UFS faz jus à memória de João Cardoso do Nascimento Júnior, José Aloísio de Campos, Maria Thetis Nunes, Ofenísia Feire, Bonifácio Fortes, Manoel Cabral Machado, José Silvério Fontes, Emmanuel Franco, Luciano Cabral Duarte, Marcelo Déda Chagas, dentre outros mestres e alunos que a tornaram socialmente importante e responsável.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários